Arte

Vem aí um ensaio biográfico sobre Elomar

O artigo que escrevi, atrevidamente, sobre Elomar, estimulado por uma beleza de texto que Caetano Veloso publicou em A Tarde sobre o maestro conquistense, foi enviado, antes de finalizado, para Rossane Nascimento dar uma lida e não me permitir errar demais. Rossane foi de uma gentileza enorme – aliás, tão típica nela – e me respondeu elogiando o meu artigo, por generosidade, e ofertando-me algumas informações novas sobre o malungo cantador. Alguma coisa eu incorporei ao texto que publiquei há pouco no meu blog (só e eu ela sabemos o que eu colei lá, para ficar perecendo que tudo fui eu. Rs), outra parte eu aproveito a seguir. Com a alegria de quem recebeu um presente e a certeza de que são informações fidedignas e tão ou mais valiosas do que tudo o que eu escrevi antes. Vamos pois, à leitura. (Espero que Elomar não se zangue e se zangar não reclame e se reclamar que não seja da minha amiga Rossane Nascimento). Vai entre aspas, embora eu tenha feito pequena edição para eliminar erros de digitação – e colocar alguns de gramática, claro.

“Só para você saber e se quiser mencionar no seu artigo. Atualmente, Elomar só vai ao Rio do Gavião, em visitação ou para dar manutenção à fazenda, porque acredita que o lugar, que lhe rendeu e lhe motivou a criação de quase todo o seu cancioneiro, foi conspurcado, prostituído pela urbi.  Hoje ele passa mais tempo na Casa dos Carneiros (lugar onde também compôs e escreveu muitas de suas pérolas, hoje ainda uma de suas moradas e sede de eventos da Fundação Casa dos Carneiros), para, como arquiteto, acompanhar as obras da construção do Teatro Domus Operae, projeto dele. O seu mais novo locus tem sido a Fazenda Lagoa dos Patos, lá no ‘sertão profundo’, onde na Casa da Colina, escolheu ficar para compor as antífonas. Local de geografia serena, terras planas, onde se ouve o silêncio em harmonia com o canto dos passarinhos, o mugir dos bois e o ranger dos carros de bois, e onde Elomar afirma ouvir o coro das Nereidas, as 50 ninfas guardiãs do Areópago Grego. A Fazenda Lagos dos Patos é considerada pelo maestro o lugar ideal para escrever os cantos de louvor a Deus, como ‘As Florinhas do Campo’, inspirando-se na biografia do poeta Gibran Kahlil Gibran”.

Além da chance de trabalhar com um artista da dimensão de Elomar e tirar todas as lições que essa oportunidade proporciona, Rossane informa que, “por isso mesmo, como que para dividir esse aprendizado, as pérolas encontradas, estamos desenvolvendo um ensaio biográfico e uma análise da obra e do pensamento elomariano”.

Ela diz que, além do YouTube, mencionado por mim como exemplo de meio de divulgação que serve para ampliar o universo dos que conhecem e apreciam o trabalho de Elomar, a Rossane Produções “faz a emissão de boletins informativos, utilizando-se de uma comunicação que não agride o conceito de arte valorizado por Elomar, ou seja, uma linguagem que respeita e reforça os ideais e o gládio empunhado pelo artista, longe do cunho mercantilista”.

E isso é o que se pode ver.

Anúncios

1 resposta »

  1. Nobre Giorlando Lima, ganhei a noite de hoje ao ler esse pequeno relato sobre o Grande Elomar Figueira, o tenho como entre os Mestres mundiais da Musica e em meio ao Caos da vida moderna tb conheci seu excelente Blog. Loas para voce…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s