Anúncios
Crônica História Poesia

Porque é preciso conter enquanto é cedo

Há coisas que acontecem tarde. E de tão demoradas, se amarrotam, viram imagens antigas em tom sépia. Parecem ficar velhas. Viram lembranças curtas, intermitentes, que piscam qual vagalumes a reduzir o escuro do esquecimento. Mas acontece que quando são reencontradas tornam-se novas, causam alvoroço na alma, um pulsar mais intenso do coração, gotinhas de recordação lavando a memória e, de repente, causam a incrível sensação de que, finalmente, aconteceu o que era esperado. É a saudade antiga virando apego novo.

Mas, como dizem por aí: “só que não”. Porque há coisas que chegam tarde; na hora certa, mas no tempo errado. E chegam com força para ser aquilo de que se precisa, mas que não pode ser. Não pode ser. A saudade antiga vira apego novo. Mas não pode ser. É preciso conter.

E então tudo parece dizer isso. Do Rio do Ouro, do Itapicuru, da Rua do Vale, da Catuaba, da Caeira, do Deocleciano, da Missão, do Cruzeiro, do Leader, da loja de Maria do Ouro, da Paulistinha, do Cine Payayá, da Zululândia, da Félix Thomaz, da Caixa d’Água, da Bananeira, da Rua da Estação e da Estação da Leste, do Texaco, do Derba, do Pontilhão, do Supermercado Pinguim, do União, do Caldeirão, da Macaqueira, do Clube Recreativo Aurora Jaacobinense, da prefeitura velha, da prefeitura nova, do Jornal A Palavra, do Correio da Serra, da Sociedade Filarmônica Dois de Janeiro, da Rádio Clube, da Rua do Peru, do Triângulo, da Rua do Calango, da Só Batidas, da Status, do Tiro de Guerra 06-127, da Serrinha, da Rua dos Índios, da Castro Alves, da Barão do Rio Branco, da Coronel Teixeira, da Serra do Tombador, da Cachoeira de Aníbal, das escadarias da Igreja da Conceição, do campanário da Missão, da calçada da Matriz, da barraca de Seu Crispim, de todo lugar onde já passamos, cada um na sua hora, cada um com seu destino já anotado e seus sonhos distintos e distantes, os avisos chegam, dizendo, quase gritando, que é preciso agradecer cedo, dobrar com cuidado as lembranças e a alegria do reencontro, para que nunca mais amarrotem e guardá-las no baú da realidade para que lá fiquem, de novo, a contar o tempo, sem riscos. É preciso ir embora cedo.

Porque é simplesmente irresistível o apego e não é apropriado o apego. Porque o apego atrai o adeus. É preciso conter.

Antiga estação de trem de Jacobina. Pintura do meu amigo Cícero Matos (http://pinturascmatos.wordpress.com)
Antiga estação de trem de Jacobina. Pintura do meu amigo Cícero Matos (http://pinturascmatos.wordpress.com)

Itabuna, 31 de agosto de 2013.

Anúncios

2 comentários em “Porque é preciso conter enquanto é cedo

  1. Elvira Conceição

    Linda a sua forma de se expressar! Parabéns!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: