Dúvida de Herzem e desgaste do PT estimulam candidaturas sem chance

Posted on terça-feira, 22 setembro 2015

0


Um homem do microfone, chegado a debates e sem medo de polêmicas, Herzem Gusmão (PMDB) parece ter identificado na atividade parlamentar a sua segunda vocação, depois de comunicador, e não nega que, se pudesse, ficaria no mandato de deputado estadual até o fim de 2018. Disse isso a mim em entrevista e, mais tarde, confirmou o seu desejo ao Blog do Anderson, com outras palavras. A Anderson, o peemedebista afirmou: “Meu nome está colocado, não é uma imposição. E se Conquista entender que devo continuar com o nosso mandato, nós haveremos de apoiar a chapa que o grupo indicar”.

Esse demonstrado desejo de Herzem Gusmão de continuar na Assembleia Legislativa, somado ao fato de que ele assumiu o mandato sob liminar e que a decisão final do Tribunal Superior Eleitoral – TSE pode ser pela sua inelegibilidade, atiça um grande número de políticos que se anunciam pré-candidatos a prefeito de Vitória da Conquista. A maioria não tem voto nem para se eleger vereador. Só pela oposição conta-se, pelo menos, uma dúzia, incluindo o ex-governador e ex-prefeito de Guanambi, Nilo Coelho. Todos têm certeza de seu potencial eleitoral. Esta afirmação não carrega em si juízo de valor moral e de competência individual ou contestação do legítimo direito de qualquer um ser candidato, já que, segundo a lei, todos podem votar e ser votados, desde que no gozo de suas prerrogativas legais.

Parece que, dos tantos da oposição, Nilo já avisou que não vem. Ainda tem título eleitoral de Guanambi, de onde foi prefeito por três mandatos, e disse ao Blog do Rodrigo Ferraz: “Sempre estive a serviço do povo de Guanambi e só ele decide a minha candidatura. Se for da vontade do povo da minha terra, estou pronto para continuar trabalhando por minha querida Guanambi”. Sem o líder guanambiense, ficam uns dez pré-candidatos da oposição ao governo municipal e ao PT.  O PSB já anunciou que permanece no governo e no time de Guilherme e outros partidos, como PRB, não apresentaram nomes ainda.

ALGUNS COM MENOS VOTOS QUE VEREADOR ELEITO

Os mais conhecidos, por ordem alfabética: Arlindo Rebouças (PROS), eleito vereador em 2012 com 2.370 votos; Edgar Mão Branca (PV), 9.668 votos para deputado estadual e 4.508 para prefeito; Fabrício Falcão (PCdoB), que recebeu 13.701 votos na sua reeleição como deputado estadual; Frederico Ferraz (sem partido), que teve 899 votos para deputado estadual pelo PPS; José Carlos Ladeia, que também tentou uma vaga na Assembleia, pelo PTC, e teve 4.973 votos; Marcelo Melo (DEM), 17.232 votos para deputado federal; Nayana Gusmão (PTdoB), que foi candidata a deputada federal e obteve 2.727 votos; o produtor cultural Pedro Alexandre Massinha (PSDC), cuja última tentativa eleitoral foi em 1988, para vereador, sem sucesso; Romilson Filho que teve 694 votos na última eleição para a Câmara de Vereadores e o médico Valverde Mont’Alverne, empreendedor de muitas conquistas e iniciante no campo político.

Fora Herzem, que teve 70.760 mil votos para prefeito em 2012 e 32.454 votos para deputado estadual, e é, segundo as pesquisas e por uma certa obviedade política (nem sempre admitida pelos demais), o mais viável e o mais cotado pela população entre os oposicionistas. Mas, como o deputado peemedebista manifesta que tem vontade de ficar na Assembleia Legislativa e ainda aguarda decisão do TSE para ter como certa a condição de candidato a prefeito, uma multidão se arvora. Todos apostam que a Operação Lava Jato e o petrolão jogaram uma pá de cal sobre o PT, que estaria morto eleitoralmente. Só faltaria enterrar e coveiro é o que não falta para a tarefa, se o partido de Lula, da presidente Dilma e do prefeito Guilherme Menezes realmente passar desta para melhor.

Não há petista que acredite neste mau agouro. Tanto é que, em nível local, o Partido dos Trabalhadores tem três pré-candidatos anunciados. Considerando uma ordem de projeção política (e chance eleitoral): José Raimundo, ex-prefeito por duas vezes e deputado estadual reeleito em 2012 com 29.385 votos (a terceira maior votação no município); Odir Freire, bi-secretário na secretaria de Agricultura e na Chefia de Gabinete, mas virgem de urna, e Marcio Matos, filho do ex-prefeito Jadiel Matos, dirigente do MST, com forte apoio de alguns movimentos sociais, mas também inédito de votos em eleições regulares.

POSTES DOS DOIS LADOS

O PT fala em debate interno, mas assim como a discussão democrática é tida como característica do partido, raramente o nome indicado pelos capas pretas ou pelo nome mais forte no diretório perde a candidatura. No caso de Conquista esse nome é Odir Freire. Embora, do lado de fora do PT e, predominantemente, lá dentro, o nome mais querido e considerado o mais forte, senão o único, para disputar a eleição sem sucumbir ao desgaste petista via Lava Jato, disputando pau a pau Com Herzem Gusmão ou vencendo bem se for outro nome da oposição é José Raimundo.

O fato é que graças à possibilidade de Herzem Gusmão não ser candidato, por vontade própria ou por um revés no TSE, a seara de pré-candidatos de oposição é prolífica e todos acreditam – em medidas diferentes embora – que o PT acabou e qualquer um pode ganhar em 2016. Herzem Gusmão chamou Odir Freire de poste, sem fio e sem lâmpada. Do campo da oposição há quem diga, nessa linha, que existe uma avenida cheia de postes considerando, com toda convicção, que têm luz, sem perceber que ainda está tudo escuro e deve continuar assim para quase todos. Porque, é verdade, há exceções. Além de Herzem há quem possa forçar um segundo turno com o candidato da situação, apoiado pelo prefeito Guilherme Menezes. E ele e o PT precisam saber que há.

Arlindo elegeu Guilherme em 1996, agora está pronto para substituí-lo na Prefeitura.

Arlindo elegeu Guilherme em 1996, agora está pronto para substituí-lo na Prefeitura.

Marcelo Melo já foi candidato a vice na chapa de Coriolano Sales, em 2000. Depois de excelente votação para deputado federal, quer o apoio de ACM Neto para se eleger prefeito.

Marcelo Melo já foi candidato a vice na chapa de Coriolano Sales, em 2000. Depois de excelente votação para deputado federal, quer o apoio de ACM Neto para se eleger prefeito.

Aqui onde está este xis havia uma foto da pré-candidata Nayana Gusmão, mas ela não gostou de ter sido mencionada nem de eu ter usado uma foto do perfil dela no Facebook. A foto tirei, mas mantive a citação a ela porque: 1. É figura pública; 2. Não há ofensa à honra dela.

Aqui onde está este xis havia uma foto da pré-candidata Nayana Gusmão, mas ela não gostou de ter sido mencionada nem de eu ter usado uma foto do perfil dela no Facebook. A foto tirei, mas mantive a citação a ela porque: 1. É figura pública; 2. Não há ofensa à honra dela.