Administração Pública

Ameaça de CPI, concorrência de vans e paralisações colocam transporte coletivo de Conquista na berlinda

Na semana passada, motoristas e cobradores da Viação Vitória paralisaram as atividades em protesto contra o atraso no pagamento de salários. Desde o ano passado, há uma articulação na Câmara de Vereadores pela instalação de uma Comissão Especial de Inquérito CEI para investigar deficiências no funcionamento no transporte coletivo e apurar supostas ilegalidades na licitação que definiu as atuais empresas que operam o sistema. E na véspera do carnaval o gerente de uma das empresas chamou a imprensa para reclamar da concorrência das vans, que fazem transporte clandestino de passageiros na cidade, causando, segundo o executivo, prejuízo de milhões de reais às empresas.

As paralisações têm sido mais frequentes na Viação Vitória, que ainda não veio a público comentar sobre a sua situação econômica e financeira e se ela é derivada da concorrência do transporte clandestino ou há algum desajuste na composição das linhas. Consta que a empresa ainda não conseguiu pagar a outorga pela concessão do serviço. Também a CEI (ou CPI, como é mais conhecida) anunciada pelos vereadores teria a Vitória no centro, tanto por causa das notórias dificuldades no pagamento dos salários e benefícios dos empregados, que geram greves prejudiciais à população, como em relação à idade e estado de conservação dos ônibus. O BLOG espera posicionamento da empresa para publicação.

unnamed (2)

A Viação Vitória tem enfrentado várias paralisações de empregados. (Foto: Blog do Anderson)

Quanto à concorrência desleal do transporte clandestino, feito por cerca de 80 vans, a queixa mais contundente veio da Cidade Verde. No início deste mês, o gerente Sérgio Hubner deu entrevista coletiva em que afirmou chegar a milhões, por ano, a perda de faturamento da empresa com a atuação das vans. Hubner disse que a perda média no ano passado foi de 20%. Na entrevista, o executivo lembrou que a Cidade Verde pagou a outorga exigida pela Prefeitura de Vitória da Conquista e cumpre todas as exigências legais, a exemplo das obrigações trabalhistas (INSS, PIS, FGTS), além dos tributos municipais e estaduais para funcionamento da empresa, que tem mais de 500 funcionários.

IMG-20160205-WA0027

Para a Cidade Verde, a concorrência das vans é o maior problema.

Sérgio Hubener falou em desânimo por causa da ameaça do que ele chamou de “agente nocivo”, que invade a sua área, praticamente sem ter custo, e que essa ação predatória do transporte clandestino vai acabar sendo desastrosa, no futuro, para o próprio usuário, que deverá arcar com uma tarifa maior.

A atuação das vans é irregular, o Simtrans tem feito blitzes, mas o problema permanece e afeta as duas empresas que operam o sistema municipal de transporte coletivo. O BLOG obteve do secretário municipal de Mobilidade Urbana, Luís Alberto Sellman, uma manifestação sobre o assunto.

RISCOS NA FISCALIZAÇÃO

Segundo Sellman, desde 1997, a Prefeitura de Vitória da Conquista vem combatendo sistematicamente o transporte irregular com o apoio da população da cidade. Ele diz que a luta é árdua e explica que a fiscalização de trânsito tem realizado constantes blitzes, “mesmo não podendo priorizar apenas este combate, em detrimento de toda a fiscalização de trânsito, da assistência aos acidentes e da organização do trânsito”. O titular da SEMOB diz que têm sido realizadas ações conjuntas com a Polícia Militar, “sempre que isso é possível, por conta do risco da atividade e da necessidade de atuação para coibir as infrações de competência estadual”.

Nas palavras de Luís Alberto, “as supostas declarações de Sérgio (Cidade Verde), a meu ver, ajudam na conscientização da população quanto ao problema, porém, deve ser acrescida das informações com relação às ações da Prefeitura (não sei se o fez)”. O secretário considera que as queixas do executivo da Cidade Verde são precoces, “na medida em que avaliam a redução de passageiros considerando apenas o mês de janeiro e alguns dias de fevereiro”. De acordo com Sellman, nos dois últimos anos, por exemplo, “não tivemos redução e ao contrário, aumentamos um pouco os passageiros transportados”, e que a a avaliação do gerente também carece da apropriação de mais dados interferentes na demanda, como férias escolares em datas diferentes de anos anteriores, por exemplo.

unnamed

Luís Alberto Sellman, secretário de Mobilidade Urbana (Foto: SECOM/PMVC)

O secretário municipal de Mobilidade Urbana afirma que o transporte clandestino, disfarçado algumas vezes de alternativo, tem crescido nas cidades brasileiras de médio e de grande porte, a contragosto dos bons gestores públicos. Na opinião de Luís Alberto, o transporte clandestino, “invariavelmente predatório, ele fragiliza ou extermina o serviço regular de transporte coletivo e, nos últimos anos, tem se mostrado extremamente nocivo também pelo viés do tráfico de drogas, roubo de veículos e acidentes de trânsito, aumentando a violência urbana”.

Sellman ressalta que Vitória da Conquista é a única cidade de médio e grande porte no Nordeste que não possui o sistema de moto-táxi e que, segundo ele, combate com firmeza o transporte irregular. “Mas, em suma, as nossas ações no combate ao clandestino são firmes e contínuas e temos o apoio da grande maioria da população, acredita o secretário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s