Política

Delação de Delcídio coloca todo mundo no mesmo barco, mas sobra para Mercadante. E ele isenta a presidente Dilma

Delcídio

Delcídio faz grande estrago na República

A delação premiada do senador Delcídio Amaral foi homologada nesta terça-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e, finalmente, foi tornada pública pelo ministro Teori Zavascky. Em 21 termos de declarações o senador cita a presidente Dilma Rousseff,  o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Delcídio atribui a Lula e à presidente tentativas de interferência nas investigações da Lava Jato. Dilma e Lula negam e repudiam as acusações.

A delação do ex-líder do governo no Senado também menciona as cúpulas do PMDB, PSDB e PT. São cotados, entre outros, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), Edison Lobão (PMDB-MA), Romero Jucá (PMDB-RR) e Valdir Raupp (PMDB-RO), além de Aécio Neves (PSDB-MG), todos senadores. Segundo a Folha de São Paulo, Delcídio Amaral delatou que Aécio Neves teria recebido propina de Furnas e ainda relatou “um caso da CPI dos Correios, que investigou no mensalão, na qual Aécio teria atrasado o envio de dados do Banco Rural para fazer uma ‘maquiagem’ nas informações”. (Leia mais clicando aqui http://goo.gl/oLv0Gu)

mercadante

Aloísio Mercadante disse que ofereceu ajuda em caráter humanitário

Mas, o que estourou no final da tarde desta terça-feira foi a acusação, feita por Delcídio, de que o ministro Aloísio Mercadante ofereceu ajuda financeira para tentar impedi-lo de fazer a delação premiada. Delcídio entregou à Procuradoria Geral da República uma gravação de uma conversa de Mercadante com Eduardo Marzagão, assessor de Delcídio, em que o ministro teria dito que a ajuda para pagar advogados, poderia ocorrer por meio de uma empresa ligada ao PT. Mercadante também teria se oferecido para interceder junto ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e ao presidente do senado, Renan Calheiros (PMDB) para ajudar na soltura de Delcídio (preso de novembro do 2015 até o mês passado, acusado de ter tentado obstruir a ação da justiça na Operação Lava Jato).

Confrontado com o conteúdo da delação e do teor da acusação feita contra ele, Aloísio Mercadante isentou a presidente Dilma Rousseff e garantiu que não tentou impedir a delação. Sobre a oferta de ajuda financeira, ele disse que ofereceu uma ajuda solidária diante de uma tragédia pessoal: “Qual era o objeto da minha preocupação? O objeto foi que eu vi uma campanha brutal na internet contra as filhas dele, isso me sensibilizou, uma pessoa que eu convivi por 13 anos, e eu chamei o assessor dele para dizer: ‘Eu estou aqui para fazer um gesto pessoal de solidariedade’”.

A Secretaria de Comunicação do Presidência da República divulgou nota em que a presidente Dilma repudia, veementemente, a tentativa de associá-la ao ato praticado pelo ministro. “A presidenta da República, Dilma Rousseff, repudia com veemência e indignação a tentativa de envolvimento do seu nome na iniciativa pessoal do ministro Aloizio Mercadante, no episódio relativo à divulgação, feita no dia de hoje (15), pela revista Veja. Secretaria de ImprensaSecretaria de Comunicação Social da Presidência da República”.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s