Política em Conquista: Alexandre Pereira (PSB) não vai pro forró como candidato?

Posted on quarta-feira, 16 março 2016

0


Alexandre

Alexandre é o nome do PSB para a eleição de prefeito. Tem dificuldade para emplacar.

Não vou falar nomes e nem lugares, mas não guardarei segredo do conteúdo. O BLOG captou uma conversa entre três importantes articuladores políticos de Vitória da Conquista sobre o futuro de algumas pré-candidaturas. Uma observação feita por um dos interlocutores chamou a atenção, por ser a pessoa um extremado defensor da candidatura do advogado Alexandre Pereira, ex-vereador pelo PT e hoje no PSB. Perguntado se a pré-candidatura de Alexandre iria até o São João, a pessoa respondeu, inconteste e inclemente: “Não. Porque não tem dinheiro e nem apoio, além do próprio partido”.

Em que pese ser Alexandre Pereira um nome bom, maleável e com grande credibilidade, podendo representar bem o PSB na eleição de prefeito, não há confiança de que o partido sustente a sua candidatura. Pelos motivos alinhados na nota acima e também porque ainda há uma forte pressão, a partir da capital, para que o PSB não deixe o PT local sozinho. A saída dos socialistas da Frente Conquista Popular está sendo vista como um dos fatores de risco maiores para uma possível derrota do candidato do governador, que é aliançado na Bahia com o PSB.

Por isso, acreditam alguns analistas, o partido ainda espera “uma conversa com o prefeito” para fazer o gesto que seria um sinal forte de que pretende mesmo ter candidato forte: deixar o governo municipal. Se depender de Guilherme, essa conversa vai ser adiada até as calendas gregas. Como o partido não quer fazer o afastamento por carta, vai autorizando a dúvida, coisa que o PCdoB quis dissipar em setembro do ano passado, quando entregou os cargos e foi pra rua com o nome do deputado Fabrício Falcão.

Outro dilema do PSB, uma verdadeira sinuca de bico, é o posicionamento em relação ao governo Dilma e ao PT. Nacionalmente, o partido incorpora os protestos e há até mesmo quem defenda o impeachment nas hostes socialistas. Mas, na Bahia de Otávio Mangabeira, Lídice da Mata e Domingo Leonelli, dirigentes maiores do PSB baiano, estão no time de Rui Costa e não se indispõem com o PT. O que leva os meninos do PSB de Conquista e a maioria da agremiação, a prender-se à indiferença quanto aos protestos e esperar silente, no usufruto dos cargos municipais, que alguém resolva para eles esse dilema.

Por enquanto, dá para notar posicionamentos da ex-candidata a deputada federal, Nadjara Regis, que tem sido firme em artigos em que critica o PT – e a administração de Guilherme Menezes, em destaque -, assim como seu marido o jornalista Fábio Sena, embora este com menos contundência, e o pré-candidato a vereador do partido, o médico Élvio Pontes, que foi ao protesto do último domingo, contra a corrupção.