Opinião: Procurando quem não tenha extremas verdades sobre golpe e revolução

Posted on segunda-feira, 21 março 2016

0


IMG-20160321-WA0000[1]
Nayana Mota Gusmão da Silva é bacharel em Direito, professora, servidora pública federal e foi candidata a deputada federal em 2014 pelo PTdoB

Por Nayana Gusmão

Sabe o que eu achei interessante? A sessão que declarou vago o cargo de Jango em 1964 foi feita às pressas, no apagar das luzes. Foi um golpe que os militares – e boa parte da sociedade civil – chamaram de revolução. Dilma editou uma MP e mandou levarem o termo de posse para Lula assinar às pressas, no apagar das luzes. Eu chamo de golpe e os adeptos do PT devem estar chamando de revolução. Não vou me assustar se esse Congresso podre aprovar o impeachment de Dilma numa sessão às pressas. Eu chamarei de golpe, a extrema direita chamará de revolução. A verdade é que o ponto de vista é que qualifica as ações políticas, e as pessoas defendem pontos de vista como se fossem verdades excludentes.

A direita é golpista por querer tirar a presidente, mas o governo não é golpista por agir única e exclusivamente em benefício de uma pessoa que está sendo investigada? O governo deveria estar governando, e não agindo na causa de um partido. E para mim o que torna o PT prejudicial é esse modo de governar como se o partido fosse dono do país. Centralizou o dinheiro, as decisões, os programas e também o roubo. Por outro lado, os corruptos da direita se escondem atrás da culpa de políticos do PT pra posarem de baluartes da moral e dos bons costumes.

Será que ninguém consegue pensar fora da caixinha? Acima das divisões? Será que aprovar as medidas implantadas pelos governos de Lula e Dilma tem, necessariamente, que ser equivalente a defendê-los e a negar essa sujeira? E o contrário também? Ser contra a corrupção e ser contra o (des)governo atual tem necessariamente que significar total silêncio quanto aos anos e anos de corrupção de partidos como PFL, PSDB, PMDB? Acreditar na culpa de Lula tem que significar ignorar as manipulações dos grandes grupos capitalistas para afastar medidas que reduzam as desigualdades?

Ainda estou procurando quem não tenha extremas verdades sobre golpe e revolução, mas sim, que consiga pensar criticamente acima de montagens, de bobagens compartilhadas, de boatos e de intolerância. Lembremos que intolerância e ignorância terminam da mesma forma, e não é por coincidência.