Conquista: Serão dez candidatos ou apenas dois, com PSOL, REDE e GI correndo por fora?

Posted on segunda-feira, 28 março 2016

0


PhotoGrid_1459199959074[1]

Zé Raimundo tem esperança de contar com Alexandre e Fabrício ou abriu mão?

PhotoGrid_1459200270345[1]

O time da oposição – com Arlindo, Marcelo e Herzem – se unirá visando a eleição no primeiro turno?

Muitas conversas e muitos segredos. Assim tem sido na política conquistense, tendo em vista as eleições de 2 de outubro. O maior segredo é guardado por quem tem pesquisas de aferição das intenções do eleitorado. Como os levantamentos não podem ser divulgados sem registro na Justiça Eleitoral, vêm sendo consumidos internamente e só vaza aquilo que é de interesse de cada grupo ou pré-candidato. Mas, não há segredo sobre um ponto dessa corrida: Herzem Gusmão (PMDB) está à frente, bem à frente do segundo colocado. Os percentuais variam de 36% a 48%, variando de instituto e período em que a pesquisa tenha sido realizada.

Sem desobedecer à lei, o BLOG pode dizer que a diferença de Herzem para Zé Raimundo (PT), que aparece em segunda posição em todos os levantamentos, nunca é menor que 13 pontos percentuais. Depois de Zé Raimundo viria Fabrício Falcão (PCdoB) que, segundo alguns relatos, estaria empatado tecnicamente com o petista. Os três deputados se destacam dos demais nomes apresentados e Marcelo Melo (DEM) apareceria em melhor situação depois deles. Alexandre Pereira (PSB) e Arlindo Rebouças (PSDB) teriam números próximos um do outro e Armênio Santos (PROS) apareceria bem pouco. Isso é o que conseguimos pescar, com muito esforço.

Notícias que chegam de Salvador dão conta de que o PT estadual (ou o governo do estado) teria mandado fazer uma pesquisa há cerca de quinze dias, por um dos institutos mais respeitáveis da Bahia. Os números teriam sido fundamentais na decisão petista de lançar Zé Raimundo e cancelar a prévia que teria ainda os pré-candidatos Márcio Matos, Marcelo Neves e Odir Freire, apresentado pelo prefeito Guilherme Menezes que, surpreendentemente, abriu mão da disputa para apoiar Zé Raimundo. Ao que consta, a pesquisa acendeu a luz amarela no PT, pois Herzem, pelo cenário apresentado, estaria muito perto de vencer no primeiro turno.

Sem acesso a pesquisas, internautas apelam para as enquetes. Um exemplo foi uma realizada pela comunidade Bairro Patagônia. Iniciada no domingo já registrou 137 comentários. Sem valor estatístico, embora, a enquete espelha o quadro conhecido internamente pelos partidos e ventilado aqui e ali em conversas de políticos e jornalistas, com uma explosão de comentários favoráveis a Herzem Gusmão, Zé Raimundo em torno de 14%|15% e Fabrício perto dele com aproximadamente 11%. A enquete na página da Patagônia omite os nomes de Alexandre, Armênio e Arlindo, mas, ainda que lá estivessem o BLOG não crê que isso alterasse a preferência por Herzem.

Números como os da enquete da Patagônia e outros que circulam à boca pequena podem não ser assumidos pelos pré-candidatos e partidos que anunciam candidatos a prefeito, mas dão avisos muito claros aos dois lados mais fortes, o PT do prefeito Guilherme Menezes e do deputado estadual José Raimundo, e o PMDB de Herzem. Ainda é cedo para afirmar, o BLOG não se arvora a adivinho, pois tudo pode mudar em dias, quantos mais em meses (faltam seis meses e cinco dias para a eleição), mas pesquisas e movimentos na cidade apontam para:

  1. Se Herzem sai só, com as candidaturas de Arlindo Rebouças e Marcelo Melo mantidas, a eleição vai para o segundo turno e a vantagem que ele tem hoje diminui muito. E, é bom lembrar, o PT de Conquista não é o nacional, a relação com a sociedade aqui é diferente. Os seus principais nomes têm enorme carisma, histórico de realizações e credibilidade, representarão sempre uma grande força;
  2. O PT sabe que a estratégia de pulverização cantada em loas pela direção estadual é similar a um suicídio. Sozinho, o PT penará para não perder ainda no primeiro turno. O problema é convencer o PSB e Alexandre a marcharem juntos no primeiro turno. Fabrício, do PCdoB, já disse que nem o Papa o demoveria da candidatura. Mas, que o PT pode precisar desse milagre, ah, pode!

A pergunta que se faz agora é: serão sete pré-candidatos* ou apenas dois*, com a adesão do PSDB, do DEM e do PPS a Herzem e com a união dos partidos de esquerda já no primeiro turno? Quem sobreviver dirá.

 * – mais REDE, PSOL e nome do Grupo Independente (GI)