Quem influencia o voto do conquistense? Quais os números por bairro, idade e renda? Veja um raio-x da pesquisa Painel Brasil

Posted on sexta-feira, 28 outubro 2016

0


Se dependesse do apoio dos principais líderes dos seus partidos nem Herzem Gusmão nem Zé Raimundo chegariam muito longe. A mais recente pesquisa do instituto Painel Brasil, contratada pelo PMDB, a que o BLOG teve acesso, mostra que nem o ministro Geddel Vieira Lima, nem o governador Rui Costa, nem o ex-presidente Lula e nem o presidente Temer influenciam neste segundo turno da eleição em Conquista. Pelo levantamento, realizado entre os dias 22 e 24, ouvindo 900 pessoas, os políticos com maior influência na disputa são o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e o prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes (PT).

Geddel e Rui influenciam negativamente para 25% e 24,3%, respectivamente, e só 7,7% e 10,2% acham que o apoio dos dois é bom. O restante acha que o apoio é indiferente. O quadro muda quando trata do prefeito de Salvador. Segundo 28,1% dos entrevistados ACM Neto influencia positivamente na decisão do voto, enquanto Guilherme influencia para 18,6%. Como outros 17% dizem que Guilherme influencia negativamente, contra apenas 9,4% que dão resposta igual em relação a ACM Neto, pode-se dizer que é o prefeito de Salvador o melhor apoio nesta eleição. Não são influenciados por Neto 60,4% e não são influenciados por Guilherme 62,1%. Não quiseram responder 2,0% e 2,3%, respectivamente.

Quando comparados os apoios do ex-presidente Lula e do presidente Michel Temer os percentuais mostram que os dois têm pouquíssima força para ajudar, mas grande capacidade de atrapalhar. Para 55,9% dos eleitores ouvidos pela pesquisa do Painel Brasil, Lula não influencia em nada e Temer menos ainda: 62,7%. Já quanto à influência negativa, o mesmo que a capacidade dos dois tirarem voto, 25,2% disseram que deixariam de votar em um candidato apoiado pelo presidente atual. E 27,7% dizem o mesmo quanto ao apoio do ex-presidente. Positivamente (a pessoa diz que o apoio de um deles ajuda na escolha de em que votar), Lula influencia 14,2% dos eleitores e Temer menos: 10%. Não quiseram responder 2,2% e 2,0%, respectivamente.

O relatório também mostra em quem os entrevistados que declaram o voto do primeiro turno votariam se a eleição fosse hoje. Neste caso confirma-se a tendência e a maioria dos eleitores de Arlindo Rebouças (PSDB) declara voto em Herzem Gusmão e a maioria dos pesquisados que disseram ter votado em Fabrício Falcão (PCdoB) e Joás Meira (PSB) diz que agora votaria em Zé Raimundo. Arlindo obteve 7,57% ou 12.243 votos no primeiro turno; Fabrício 7,01% – 11.502 votos e Joás 5,46% – 8.966 votos. Agora, 68,63% dos eleitores de Arlindo dizem que votarão em Herzem, ante 17,65% que dizem que votam em Zé. Numa conta simplista, é como se Herzem tivesse, com os votos de Arlindo, tivesse ganhado mais 5,2 pontos percentuais, enquanto Zé 1,34 pontos percentuais.

De acordo com a pesquisa, 59,46% dos eleitores que votaram em Fabrício e 58,33% dos que votaram em Joás votariam em Zé Raimundo se a eleição fosse hoje. Só 18,92% de um e 17,67% de outro votariam em Herzem. A mesma conta simplista permite dizer que com a soma dos votos de Fabrício e Joás que se direcionam para ele, Zé Raimundo ganha 7,35 pontos percentuais, enquanto Herzem ficaria com mais 2,28 pontos percentuais. Na mesma linda de raciocínio iniciada no parágrafo anterior, Herzem teria ganho 7,48 pontos percentuais vindos dos três e Zé Raimundo 8,69 pontos percentuais. Segundo o cruzamento feito pelo Painel Brasil, Roberto Dias, que concorreu indeferido e teve 1.975 votos, passa 1/3 dos seus votos para Herzem e igual percentual para Zé. Dos eleitores que disseram ter votado em Enoque Matos, 20% ficam com Herzem  e 20% com Zé Raimundo.

GEOGRAFIA DO VOTO

Quando uma pesquisa é destrinchada em áreas geográficas a sua margem de erro muda drasticamente. A pesquisa do Painel Brasil objeto deste artigo apresenta uma margem de erro de 3,27 pontos percentuais para mais ou para menos, mas, ao extrairmos os números de um determinado bairro ou região essa margem deve ser esquecida, pois, tecnicamente, ela passa a ser muito maior. Neste caso, não menos que 12 pontos percentuais. Mesmo assim, é interessante saber como estava a intenção de votos por área pesquisada, no período da pesquisa, sabendo que, apesar de uma margem de erro maior, os percentuais guardam relação com os números gerais, sem dúvida.

dsc_4223

Zé Raimundo em comício na Urbis VI na quinta-feira (27)

Foram pesquisados 24 bairros (com Campinhos e Simão) e oito localidades da zona rural (com Capinal). Segundo a pesquisa, realizada nos dias 22, 23 e 24 deste mês, Herzem ganha em 20 bairros, empata em dois e perde em dois. Na zona rural o candidato do PMDB leva vantagem em sete e perde em um. Na cidade, a pesquisa traz Herzem atrás de Zé no bairro Patagônia (47,06% a 35,29%), no Nova Cidade (46,43% a 42,86%) e empatando no Simão (35% a 35%) e no Vila América (48,39% a 48,39%). Na zona rural Zé ganha no Capinal (55% a 35%).

img_1539

Herzem discursando para seguidores no comitê de campanha na quinta-feira (27).

O mais alto percentual de Herzem é no Comveima, onde ele aparece com 73,17% contra 19,51% de Zé Raimundo. O melhor percentual de Zé Raimundo aparece no Vila América, 48,39%. Na Patagônia dá-se o melhor desempenho do candidato do PT na pesquisa, com uma frente de 11,77p.p. sobre o candidato do PMDB, que, por sua vez, tem uma diferença maior a seu favor na Urbis II (72,22% a 5,56%).

JOVENS E RICOS COM HERZEM

No quesito idade, Zé Raimundo e Herzem empatam entre os eleitores de 16 anos, de acordo com a pesquisa do Painel Brasil. Depois o peemedebista bate o petista em todas as faixas. Zé obtém seus melhores percentuais entre os eleitores com mais de 25 anos, enquanto Herzem tem mais eleitores que ele na faixa dos 18 aos 20 anos. Entre os homens Herzem leva larga vantagem sobre Zé Raimundo (61,11% a 29,63%), mas essa vantagem diminui entre as mulheres (52,78% a 33,33%). As mulheres também se apresentam como mais indecisas – 9,19% contra 6,25% dos homens. Somando com nulos e brancos, 13,79% das mulheres não escolheram candidatos, ante 8,26% de homens.

Um aspecto curioso levantado pela pesquisa Painel Brasil: Zé Raimundo perde para Herzem em todas as faixas de escolaridade, à exceção das duas pontas. Zé tem 50% contra 43,75% de Herzem entre os pesquisados que se declaram analfabetos e entre os que se declararam como tendo curso superior completo, ele tem 44,23% a 42,31% do peemedebista. No quesito renda o candidato do PMDB está à frente do petista em todas as faixas, mas só ele é apontado como preferido para os pesquisados que declararam ganhar acima de R$. 8.800,00 (dez salários mínimos). O relatório não informa quantas pessoas nessa condição foram ouvidas.

A pesquisa Painel Brasil está registrada no TSE com o número 03299/2016 e ouviu 900 pessoa entre os dias 22 e 24/10. Segundo o instituto, a margem de erro é de 3,27 pontos percentuais para mais ou para menos.