Fontes do governo dão como certa entrada de Guilherme Menezes como secretário de Rui no lugar de Geraldo Reis

Posted on terça-feira, 10 janeiro 2017

0


Até o fim desta semana o governador Rui Costa deve bater o martelo e nomear o ex-prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes, para o cargo de secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), no lugar do economista José Geraldo dos Reis Santos, conhecido como G2, que fez parte da equipe de Guilherme na prefeitura de 1997 a 2002. O BLOG obteve a informação da possível entrada de Guilherme no governo do estado de fontes próximas ao governador e à direção estadual do PT. A indicação seria do coletivo (chamado de tendência) Reencantar, o mesmo de Geraldo Reis, dos deputados José Raimundo e Waldenor Pereira e do próprio Rui Costa. Não foi possível apurar qual o novo cargo de G2 ocupará se confirmada a sua saída da SJDHDS para entrada do ex-prefeito conquistense no governo.

guilherme-e-g2

Geraldo Reis pode estar abrindo lugar para Guilherme no governo Rui

Em sua última entrevista como prefeito, no dia 29 de dezembro, Guilherme Menezes, desconversou sobre seu futuro político e não deu sinal de que estaria disposto a assumir cargo no governo do estado. Em entrevista concedida ao BLOG no dia 7 de novembro, o ex-prefeito disse que não tinha noção do que faria depois do dia 31 de dezembro: “Não tenho muita noção, não. Vou continuar envelhecendo, se possível com o máximo de tranquilidade que eu possa ter”.

Em outro momento, mais atrás, em entrevista de setembro de 2015, perguntado sobre o futuro político e uma possível candidatura em 2018 a deputado ou mesmo a senador, Guilherme disse: “Eu gosto de viver cada dia. Eu sou assim, não tenho planejamentos para o futuro, mesmo já sendo uma pessoa com 71 anos de idade, que completarei em dezembro, porque sei que a vida de cada pessoa é a vida de cada dia. Eu não tenho planejamento. Alguém pode dizer: ‘Ah, você pode sair candidato para esse ou aquele cargo em 2018’, mas eu não tenho essa pretensão. Eu não tinha nem pretensão de ser candidato a prefeito de Vitória da Conquista. Aceitei em 1992 até porque era para perder, então havia uma tranquilidade, mas houve aquele resultado e depois o partido foi solicitando a minha participação e eu entrei. Agora, não sei onde é a porta de saída. Só sei que houve uma porta de entrada. Quanto mais a gente leva tempo mais a gente vai assumindo compromisso”.

Agora, os sinais são outros. Guilherme não disse a ninguém, nem Rui Costa falou ainda, mas é dado como certo que ele fará parte da equipe de secretários estaduais. E, então, uma nova hipótese surge no cenário: com Pinheiro já tendo sido contemplado junto com Lídice; com Nelson Pelegrino sem espaço com o grupo próximo a Rui Costa; com o ex-governador Jaques Wagner fustigado pela Lava Jato e com deputados federais exercendo mandatos sem brilho, à exceção de Solla, a quem se pode chamar de guilhermista, o ex-prefeito de Vitória da Conquista passa a ser pule de dez para uma indicação ao Senado. Em 2018 serão disputadas duas vagas e uma deve ser do quase vitalício presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo, do PSL. A outra vaga, pelo PT, não duvidem, pode ser de Guilherme Menezes. A Secretaria Estadual de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social seria uma etapa.