Vitória da Conquista terá três peças no 2º Festival de Teatro do Interior da Bahia

Posted on sexta-feira, 27 janeiro 2017

0


Os espetáculos Raul, Lira e o Incrível Livro da Capa Azul, Entre a Cruz, a Espada e a Estrada e Pariré, representarão o teatro conquistense no 2º Festival de Teatro do Interior da Bahia, que acontece entre 14 de fevereiro e 19 de março, em três cidades diferentes. A estreia do festival será em Ilhéus, com apresentações de 14 a 19 de fevereiro. De Conquista estará  Pariré. Depois o festival segue para Juazeiro, de 07 a 12 de março. Nenhum representante conquistense estará presente.

No encerramento da temporada, de 14 a 19 de março, em Camaçari estarão Entre a Cruz, a Espada e a Estrada e Raul, Lira e o Incrível Livro da Capa Azul. Dentre as 12 montagens selecionadas para integrar a programação do Festival, as cinco melhores serão indicadas ao Prêmio Braskem de Teatro, onde disputarão na categoria Espetáculo do Interior.

Saiba mais sobre as peças teatrais de Conquista que estarão no festival:

Pariré – É uma montagem da Cia OperaKata. De forma poética e bem humorada traz para cena aquilo que já é constituído, estabelecido não pela relação do encontro entre indivíduos em si, mas pela construção de um jogo de projeções e expectativas. A construção de um “não- ser” a partir do que se é desejado, programado a um conduzir-se a ser. Duas mulheres dividem o mesmo espaço. A primeira; uma velha que é mais uma mãe e que será mais uma avó. A segunda, uma moça que é mais uma filha e que será mais uma mãe. Ambas se constituem e se conduzem no presente pelo desejo do que já se espera para elas: Um próspero e já estabelecido futuro dele, o filho, o neto.

Entre a Cruz, a Espada e a Estrada – É montagem do Grupo Caçuá de Teatro. “Entre a Cruz, a Espada e a Estrada- Como nasce um Artista Sertanejo” é um solo do ator Marcelo Benigno. Um contador de histórias do Sertão relembra um cordel que fala sobre o sonho de cada um e o sonho de um artista teatral catingueiro, que para consolidar sua arte, resiste aos mais variados problemas e situações. Enfoca o ofício do ator, a cultura popular e sertaneja, o êxodo rural dos artistas do interior e a crença pessoal em sonhos e ideais. O Caçuá originou-se na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, no ano de 1998, com o projeto de extensão acadêmica Grupos de Arte da UESB. De lá pra cá, o grupo catingueiro tornou-se independente, reconhecido e premiado no interior baiano por seus espetáculos, projetos e ações na formação de atores e pesquisa com a cultura popular nordestina e sertaneja.

Raul, Lira e o Incrível Livro da Capa Azul – Uma produção do núcleo de montagem CazAzul, de Vitória da Conquista, com autoria e direção de Adriana Amorim. Tem como tema o universo da literatura e a importância da leitura para as crianças. A história trata, de forma lúdica e onírica, do conflito entre a relação das crianças com o mundo da imaginação e com os diferentes suportes tecnológicos, mais especificamente entre a internet (Netflix, YouTube, jogos eletrônicos) e o livro impresso. Raul e Lira são dois primos que ficam com a vovó em casa enquanto suas mães trabalham. Como a avó não tem muita habilidade para brincar com as crianças, elas ficam muito tempo assistindo a filmes na Netflix e no YouTube. Um dia, quando a internet cai, os dois primos ficam sem saber o que fazer, até que encontram um baú da avó com um incrível livro da capa azul. O que haverá dentro desse misterioso livro sem título? Raul e Lira convidam o público a descobrir esse incrível mundo da imaginação e da criatividade.

raul-e-lira-foto-divulgacao

Raul, Lira e o Incrível Livro da Capa Azul, do o Núcleo de Montagem CazAzul (Foto: Divulgação)