Governo Herzem tem mais de R$ 80 milhões em caixa, fora recursos do PAC. É hora de começar a fazer obras

Posted on quinta-feira, 6 julho 2017

0


No dia 29 de maio, o secretário da Transparência, Diego Gomes, esteve na Câmara de Vereadores para uma audiência pública de apresentação do Relatório Resumido da Execução Orçamentária para o 2º bimestre, a primeira prestação de contas da gestão Herzem Gusmão. Pouca gente foi e ainda menos gente viu um dado importante, que o secretário optou por não detalhar, deixando o espaço referente a ele vazio: nos dois primeiros meses do ano a prefeitura teve superavit, guardou exatos R$ 32.684.305,13, equivalente a mais de oito vezes o valor pago pelos insumos para asfalto que a administração anuncia ter adquirido em junho e quase seis vezes o custo do projeto de reforma do terminal de ônibus da Lauro de Freitas, anunciada em janeiro e até agora sem começar (os recursos para este projeto já estão previstos e alocados na Caixa e foram deixados pela gestão anterior).

Trabalho da PMVC nas estradas do interior

Uma das secretarias mais ativas, com atuação financiada por recursos próprios da prefeitura, é a de Agricultura e Desenvolvimento Rural, dirigida por Arlindo Rebouças. Arlindo, apesar do bom trabalho está na corda bamba. Há comentários de que o prefeito está disposto a ceder à pressão do PSDB e substituir o secretário.

Como se sabe que não houve significativos investimentos visíveis do governo municipal este ano, à exceção da manutenção dos serviços públicos rotineiros – alguns com buracos de atenção –, do funcionamento das unidades de saúde, das escolas e creches e o pagamento de salários, ficou fácil prever que a quantia guardada seria bem maior quatro meses depois, dado, inclusive, que a arrecadação municipal cresceu, entre outras razões, por causa do programa de negociação de débitos tributários, o Refis. Se o leitor achou que guardar R$ 32 milhões é demais, sem entrar no mérito de que isso é ruim ou bom, o BLOG pesquisou no Portal da Transparência e descobriu que o dinheiro no caixa da Prefeitura já passa de R$ 80 milhões. Isso é mais que todo a arrecadação anual de 80% das cidades brasileiras.

Não é uma sobra qualquer. É importante ressaltar que para o mês de julho e agosto, a previsão é de que a arrecadação se mantenha na média dos primeiros meses, podendo crescer com as negociações do Refis e a continuidade do pagamento do IPTU, além do ISS, o tributo municipal mais importante, responsável por 1/3 de toda a arrecadação própria. Assim é o dinheiro no cofre deve aumentar, mesmo com o reajuste dos servidores. Só tem um jeito desses recursos guardados pela administração municipal diminuírem ou acabarem: se os repasses do Governo Federal e do Governo Estadual caírem a níveis muito baixos ou se o governo Herzem começar a investir em obras próprias, em projetos da administração, considerando que o que está em andamento tem recursos de fontes federais.

PROMESSAS RENOVADAS, MAS NÃO ESCLARECIDAS

Pois bem, durante o mês passado, o prefeito Herzem Gusmão em propaganda partidária no rádio e da TV (veja aqui), voltou a prometer fazer o que o PT deixou de fazer em 20 anos, garantindo que a partir deste segundo semestre a população verá muitas obras. Na TV, o prefeito voltou a atribuir a si e ao seu partido, o PMDB, o andamento da obra do aeroporto, começada em 2014 e continuada graças aos recursos que foram garantidos pela ex-presidente Dilma Rousseff. Também reivindica o crédito de ter providenciado a liberação do dinheiro para a obra da Barragem do Catolé. Nos dois casos, o PMDB, incluindo Temer e Geddel Vieira Lima, pegaram o bonde andando, mas, é fato que o prefeito brigou e tem brigado para a agilização dos recursos e das obras.

IMG_4622Herzem Gusmão – legitimamente, é imperioso ressaltar, já que é seu papel político – alimenta e realimenta o discurso de que é preciso consertar o que o PT fez errado em Vitória da Conquista, embora nem ele e nem outros que dizem a mesma coisa tinham ainda explicado do que se trata.

Na propaganda do PMDB na TV, além das críticas diretas e indiretas ao gestor que o antecedeu, Herzem anuncia obras como o recapeamento das principais avenidas, a revitalização do terminal de ônibus, a continuidade da Avenida Perimetral, entre outras, mas fala disso como se mencionasse coisas inéditas. Não diz – nem poderia, sob pena de perder eleitores e apoiadores – que todo o dinheiro para esses investimentos está garantido na Caixa desde a administração passada. Na verdade, nem é isso o que importa, o que o conquistense quer é que ele comece logo as obras para as quais existe o recurso financeiro garantido e comece a realizar os projetos próprios da sua gestão.

HÁ DINHEIRO E TEMPO PARA AÇÃO

Revitalização do centro comercial 1

Prefeitura anuncia início da revitalização do centro, mas não usa dinheiro do caixa. Recursos são oriundos de arrecadação feita CDL, arrecadados junto a empresários. (Fonte e foto: Secom/PMVC)

O que importa é a associação da promessa feita pelo prefeito na propaganda – de intensificar a atuação da prefeitura na infraestrutura do município – com o detalhe quase escondido do relatório bimestral. Ou seja, há dinheiro – e não é pouco – para que Herzem comece a fazer a suas próprias obras, a investir em projetos próprios, novos, inovadores, inéditos, grandes, estruturantes, modificadores da realidade urbana, mais do que o PT, “tudo o que o PT deixou de fazer”, e começar a entrar para a história sendo o prefeito que garantiu que seria. Está na hora de mostrar que ele e o PMDB não venderam ilusões na campanha eleitoral, mas um projeto viável, exequível e imediato, porque a promessa era de mudança.

Muita gente acreditou nisso, uns menos uns mais. Eu sou um dos que optaram por levar em conta a manifestada boa intenção do prefeito. Entre me opor meramente e passar o tempo criticando, optei por questionar sem desacreditar. Mas, grande parte da minha confiança – e de milhares de conquistenses – se perdeu diante do tatibitate visto nos seis primeiros meses da administração, composta por um bom número de secretários perdidos e sem noção de administração, de política e de cidade, incapaz de compreender e dar solução às principais demandas da população.

Mas, ainda mantenho expectativas positivas, é do meu estilo esperar sempre pelo melhor. Assim, deixando de lado o candidato da propaganda e olhando para o homem que sempre se disse apaixonado por Vitória da Conquista, espero que ele e sua equipe, uma boa parte dela inapta e vaidosa, compreendam que além deles e de mim, há quase 350 mil pessoas esperando que o governo pare de falar mal da administração passada, de apenas tapar buracos com cascalho e barro; de vender como projetos limpeza obrigatória de rua, capina de mato e troca de lâmpada; jardins temporários; mudança de nomes e marcas de eventos, etc. e comece a gastar o dinheiro guardado em projetos bons para o município.

Um passo importante é mostrar, de forma clara e sincera, o que realmente foi encontrado na tal caixa preta do governo Guilherme, como Herzem dizia na campanha, feche a caixa de pandora que marcou os primeiros do governo e, ao invés das maldades daquela vasilha mitológica, apresente o pacote de boas obras que o prefeito, como bom evangelista, vem anunciando desde a gênese da gestão, há 128 dias úteis, como se conta na prefeitura.