Anúncios
Política

Campanha em Conquista: Esmeraldino Correia dribla dificuldades para crescer como candidato a deputado estadual

Em Vitória da Conquista, no início da atual administração, era dado como certo que o governo teria apenas um candidato a deputado estadual e que este seria Esmeraldino Correia, coronel da reserva, ex-comandante do Nono Batalhão e ocupante da Secretaria de Serviços Públicos (Sesep), que também respondia, extraoficialmente, pela Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob). Sabia-se que a vereadora Lúcia Rocha (DEM) sonhava com uma candidatura, mas também se comentava que ela poderia deixar o Democratas e ir para um partido da base do governador Rui Costa. De Gilmar Ferraz (MDB) o comentário era de que se preparava para disputar a presidência da Câmara de Vereadores. E se Sheila Lemos (DEM), filha da vice-prefeita e presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), pensava em ser candidata guardava isso para os mais íntimos.

Naquele tempo, nem mesmo o mais crítico adversário do prefeito Herzem Gusmão imaginava que ele teria tantos problemas na gestão, embora já houvesse sinais desagradáveis no transporte público e seu primeiro secretário de Administração já tivesse comprado várias brigas com os servidores. Com muitos recursos em caixa, deixados pela administração anterior, o atual governo tinha tudo para deslanchar com inauguração de obras que estavam em andamento, pavimentação de vias importantes e na manutenção dos serviços básicos (limpeza, iluminação, etc.). E Esmeraldino contava com isso quando deixou a Sesep para assumir, oficialmente, a Semob. Nas conversas palacianas acreditava-se que ele ganharia com a repercussão do asfaltamento de vias e obras de mobilidade urbana. Dizia-se que ele faria fotos sobre moto-niveladoras nas avenidas.

Com Herzem, conferindo asfaltamento da Vivaldo Mendes (Foto Secom PMVC)
Esmeraldino com Herzem, conferindo asfaltamento da Vivaldo Mendes (Foto: Secom/PMVC)

E, de fato, algumas das principais vias da cidade ganharam novo asfalto, corrigindo problemas de trafegabilidade em avenidas como a Bartolomeu de Gusmão e a Rosa Cruz, entre outras. Até a Avenida Sérgio Vieira de Melo, aquela ao lado do CAIC, na Urbis IV, que se transformava em um rio de lama nas chuvas e fábrica de poeira na seca, e ainda a Laura Nunes, para onde tanto se cobrava asfalto, foram pavimentadas. Mesmo assim, quando Esmeraldino deixou a Semob para poder ser candidato a deputado estadual, levou consigo poucos bônus e o peso do ônus das confusões que marcaram o setor de trânsito e transporte. As duas cerejas do bolo que poderiam ajudar um pouco mais, a Avenida José Pedral Sampaio e a Olívia Flores, demoraram tanto que a entrega da primeira e o início dos trabalhos na segunda causaram pouquíssimo impacto.

Se não teve como se beneficiar da repercussão de obras como a recuperação das pavimentações da Siqueira Campos e da Vivaldo Mendes, por exemplo; tendo carregado consigo os efeitos negativos do aumento do transporte clandestino por vans e dos embaraços no sistema de transporte coletivo, e com sua passagem no governo mais marcada pela curiosa Operação Cata Bagulho do que pelas demais ações que desenvolveu à frente das duas pastas, Esmeraldino poderia contar com a política para reverter a situação e melhorar sua situação nas avaliações pré-eleitorais.

Esmeraldino e João Gualbert (Foto Facebook)
A parceria com João Gualberto foi muito comemorada (Foto: Página do Facebook)

Mas, aí, vieram as demais candidaturas da mesma base: Lúcia, Sheila e Gilmar. Para reforçar seu lado, Esmeraldino deixou o MDB de Herzem e se filiou ao PSDB, firmando uma dobradinha com o presidente estadual do partido, o deputado federal João Gualberto. Lembrando que Sheila negociava com Arthur Maia; Lúcia com Ronaldo Carleto e Gilmar com Lúcio Vieira Lima, o candidato de Herzem. Marcelo Melo, que era, em janeiro de 2017, considerado o candidato a deputado federal do grupo, não foi escolhido por ninguém.

Eis que o prefeito anuncia a decisão de não permitir que a máquina do governo seja utilizada por qualquer candidatura, proibindo, inclusive, reuniões de apresentação de qualquer nome aos cargos de confiança. Herzem deixou claro que não havia um candidato oficial do governo a deputado, condição que se atribuía a Esmeraldino Correia, considerado seu super-secretário no início da administração. Consta que havia um acordo entre eles. Esmeraldino apoiou Herzem para prefeito, abrindo mão de uma candidatura visando seu apoio na eleição à Assembleia Legislativa. Nenhum dos dois confirma isso.

Esmeraldino em campanha
Esmeraldino em campanha, acompanhado de Ivan Cordeiro

Sem apoio oficial do prefeito, sem governo, sem máquina e avaliado como um candidato duro, marcado pela simbologia do coronel, do comandante militar, Esmeraldino resolveu botar o pé na estrada. Atento às observações sobre a imagem que boa parte da população tinha dele, adotou uma postura cada vez mais leve, defendendo o diálogo, assumindo como conceito Cara Fechada, Coração Aberto, que evoluiu para o slogan De Coração Aberto. Nas redes sociais o candidato do PSDB a deputado estadual aparece quase sempre com seu sucessor na Sesep e depois na Semob, Ivan Cordeiro, também do PSDB, sem outros rostos do governo.

Quando parece que tudo ia se ajustando, surge a novidade: Esmeraldino Correia e João Gualberto não marcham mais juntos. Gualberto mudou seu apoio para Lúcia Rocha, numa parceria PSDB/DEM. Segundo o blog do Rodrigo Ferraz, a razão teria sido uma divisão no grupo de Esmeraldino, com alguns seguidores fazendo opção por Leur Lomanto Júnior, do Democratas, o partido de Lúcia, que, por sua vez, ficou com um candidato tucano. O problema é que Leur já chega dividido, como dividido está em suas bases (região de Jequié), com pouca coisa para passar para Esmeraldino em termos de votos. Em Vitória da Conquista Leur já estava em dobradinha com o deputado estadual Hildécio Meirelles (PSC), que tem como coordenadores de campanha no município o advogado Rafael Nunes e seu pai, o secretário de Agricultura, José William Nunes.

Neste samba de acordes dissonantes, Esmeraldino vai dançando conforme a música.

 

Anúncios

1 comentário em “Campanha em Conquista: Esmeraldino Correia dribla dificuldades para crescer como candidato a deputado estadual

  1. Como diria o velho Brizola: “A política adora a traição, mas abomina o traidor”. Será que Hérzem ainda contará com Esmeraldino no futuro? Depois dessa, acho difícil.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: