Anúncios
Administração Pública Transporte e Trânsito

Protesto contra aumento na passagem trava terminal e Conquista fica sem ônibus por mais de duas horas

Logo depois das 18 horas desta quinta-feira (18), dezenas de jovens vestindo a farda do Centro Territorial de Educação Profissional (CETEP) desciam a Avenida Olívia Flores, em grupos. Vinham a pé da Uesb, onde fica a escola, a quatro quilômetros – e seguiam. No ponto de ônibus em frente ao Supermercado G. Barbosa (na primeira versão eu escrevi São Geraldo), um grupo de trabalhadores, com mais mulheres, sem aviso, aguardava um ônibus. Não passou. No espaço de uma hora, passaram duas vans. A primeira chegou lotada, mesmo assim, umas dez pessoas entraram. A moça que anunciava o itinerário, “Centro, Frei Benjamin… “, avisou que ajeitaria para caber todo mundo. Meia hora depois, todos no ponto já estavam avisados de que estudantes faziam um protesto no terminal da Lauro de Freitas e impediam os ônibus de deixar o local. Alguns, então, começaram a sair a pé e os demais passaram a desejar que outra van passasse. Logo as tão atacadas vans.

Passou uma com espaço. Vi cadeiras livres e entrei. Meu compromisso já estava furado, mas eu quis arriscar. Poucos minutos depois, nas paradas seguintes, a van encheu. O dobro da capacidade. Muita gente em pé, criança sentada no assoalho do veículo. O cobrador anunciou o valor da passagem, “apenas três reais, com direito a TV e wifi”. Desci no velho e bom Saruê, a lanchonete mais conhecida do Sudoeste da Bahia, com sua famosa dupla de pastel de queijo com caldo de cana. No trajeto, dois nomes circularam e sobre um deles quase todos os passageiros da van jogaram a culpa pela “bagunça do transporte”, como falou, alto e zangada, uma mulher com duas sacolas de supermercado no colo. Outra replicou, na hora: “Bagunça no transporte, só, não. Na cidade”.

Não tenho a intenção de fazer coro às críticas ao prefeito, muito menos no tom em que as ouvi. Acho que há coisas boas e certas na administração de Herzem Gusmão, enevoadas pela soma de medidas antipopulares, muito mais pela intempestividade e pela forma de condução, do que pela ação em si. Só nesta quinta-feira foram dois momentos ruins: a crise da redução de pratos servidos e do horário de funcionamento do Restaurante Popular, que passou a fechar na hora do almoço (13 horas); e a falta de ônibus causada pelo protesto dos estudantes, motivado, por sua vez, pelo aumento no passagem decretado na semana passada, de R$ 3,30 para R$ 3,80 – mais de 15% –  o segundo em 21 meses, somando exatos 33% de reajuste, bem acima de qualquer índice inflacionário que se consulte.

Mesmo não repetindo o que ouvi na van contra a administração municipal, me alinho com os que protestam. Transporte público é prioridade.

O secretário de Mobilidade Urbana (Semob), Ivan Cordeiro, respondendo à pergunta que lhe fiz se os ônibus já estavam rodando, via WhatsApp, considerando que eram muito jovens os que fizeram o movimento que parou os ônibus por mais de duas horas, disse: “As crianças pararam o terminal, mas já foi liberado.”

Quanto a Bolsonaro, falaram na van em que andei (por falta de ônibus), que com ele – cuja vitória parece quase inexorável – vai piorar. Eu diria que o candidato a presidente do PSL tem defeitos gigantescos, horríveis, abomináveis, que eu rejeito, mas, se o aconselhamento que recebe – e acata – o prefeito Herzem Gusmão, e as medidas consequentes desses conselhos, se mantiverem no mesmo nível, não será necessário Bolsonaro para as coisas piorarem. E a falta de ônibus que hoje deixou milhares de pessoas sem a principal opção de transporte vai se repetir. Tomara que não. Mas…

Protesto no termnal

Estudantes na Bartolomeu
Os meninos, segundo o secretário Ivan Cordeiro, pararam os ônibus no terminal e na Avenida Bartolomeu de Gusmão (Foto: Blog do Rodrigo Ferraz)

 

 

Anúncios

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 56 anos de idade, 40 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

2 comentários em “Protesto contra aumento na passagem trava terminal e Conquista fica sem ônibus por mais de duas horas

  1. GILBERTO VERONEZE ANDRADE

    Gosto quando você incorpora Fernando Sabino, Rubem Fonseca e até Marta Medeiros e produz essas crônicas belíssimas…valeu velhor broher!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: