Governador diz em Conquista que Haddad ainda pode virar eleição: “Humor do eleitor muda rapidamente”.

Para Rui Costa, a descoberta de que empresários financiam propagação de mensagens pró-Bolsonaro pelo WhatsApp pode ajudar a reverter a situação.

IMG_9979
O governador Rui Costa fez em Vitória da Conquista, na manhã desta sexta-feira, a sua primeira reunião com prefeitos, vereadores e líderes políticos da região. O encontro, ocorrido na casa de eventos Limão Doce, foi o quinto de um roteiro que incluiria Jequié, na parte da tarde, Feira de Santana, na segunda, e Barreiras, na terça-feira. Rui Costa falou aos presentes da sua confiança de uma vitória de Fernando Haddad. Usou exemplos de outras disputas que tiveram mudança às vésperas da votação e pediu aos liderados empenho para ampliação da votação dada ao presidenciável petista, que na Bahia teve 60,28% contra 23,41% de Bolsonaro. Rui acredita que Haddad pode passar de 80% no estado.

“Vim pedir um pedido como governador e como pai de família, para, além de manter a vitória de Haddad na Bahia, ampliar a vantagem, para contribuir com o quadro nacional. Acho que não tem nada decidido. Eu lembro que no Rio de Janeiro o candidato que saiu em primeiro lugar e está liderando, disparado, sequer aparecia com a possibilidade de chegar ao segundo turno, isso a três dias da eleição. Ou seja, houve uma mudança repentina do eleitorado no Rio. O mesmo aconteceu em Minas Gerais, onde o candidato que hoje está liderando, também disparado, três dias antes da eleição ele nem aparecia para ir ao segundo turno, e deu uma virada”, exemplificou o governador, manifestando confiança.

IMG_9955
Para ele, esta eleição tem sido marcada mais por decisões emocionais do que pelo uso da racionalidade. “O humor do eleitorado está mudando muito rapidamente. Não está decidido e é preciso a gente continuar conversando com as pessoas.  Eu vou continuar repetindo e pedindo: é preciso ter um presidente que goste do povo nordestino, que goste da Bahia e que queira nos ajudar”.

IMG_9953Aos presentes à reunião e à imprensa, durante coletiva antes do evento, Rui disse que acredita na reversão do quadro apontado pelas pesquisas eleitorais, que trazem Jair Bolsonaro à frente do candidato do PT. “A Bahia, Ceará, Piauí, Maranhão, Pernambuco, foram exceções à regra nacional, em todos os outros houve mudanças repentinas do humor do eleitorado. Há um grau de perplexidade de todos com o que está acontecendo no país e eu vou continuar pregando que tenhamos serenidade, que se construa um país de paz e de união”, afirmou, argumentando em seguida que o atual cenário político fez o Brasil perder credibilidade a nível internacional, “o que tem prejudicado muito o país na atração de investimentos. Nós não temos poupança interna suficiente para alavancar o crescimento do país, precisamos de investimentos internacionais, que só chegarão se a gente retomar a credibilidade internacional”.

Nós temos que fazer a nossa parte. A Bahia tem que dizer, bem alto, que quer um presidente que goste do povo baiano e do Nordeste e que queira paz, gerar emprego e promover a união do povo brasileiro.

Rui Costa comentou o caso da descoberta de que empresários financiam a propagação de mensagens em favor de Bolsonaro no WhatsApp e disse que este fato novo pode contribuir para uma mudança no quadro eleitoral, a favor de Fernando Haddad. “Eu espero que sim [que mude o humor do eleitor]. Até porque o eleitorado está dando uma demonstração de que perdeu a paciência com atitudes criminosas; com atitudes ilegais e isso aí é uma demonstração clara de crime eleitoral, de quadrilha organizada envolvendo alguns empresários para agir de forma ilegal. Se a Justiça não tomar providência em relação a isso eu acho que a desmoralização, também, da Justiça Eleitoral brasileira, por que a lei não é para todos? Ou a lei é só para alguns?”, questionou, para finalizar: “O eleitorado que está votando pela moralidade do país, que está votando para acabar com os crimes não pode concordar com um crime para eleger um candidato.”

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente