Anúncios

Prefeitura diz que muro no Ceasa era para proteção dos pedestres. Prefeito mandou demolir e fazer uma mureta

Depois de reclamações da população, que estranhou a construção de um muro separando a Rua Catão Ferraz da área da feira do Ceasa, no centro de Vitória da Conquista, a prefeitura decidiu demolir a construção para fazer uma mureta no lugar. Segundo o secretário de Infraestrutura, José Antonio Vieira, o prefeito Herzem Gusmão, “sensível a essa situação, determinou que a gente reduzisse a altura dessa proteção, e é o que está sendo feito”.

Com isso, de acordo com o titular da Seinfra, o chamado “muro da discórdia” será substituído por uma elevação de 40cm de altura e um complemento com tubo galvanizado, formando uma espécie de corrimão. “Será um parapeito de proteção, para que as pessoas não se acidentem no desnível, ainda atendendo às normas de segurança previstas para esse desnível”, destaca.

VEJA UM VÍDEO DA DERRUBADA DO MURO FEITO POR UM POPULAR

PRIMEIRA ETAPA PRONTA

Em release enviado à imprensa, a Secretaria de Comunicação informa que a primeira etapa da revitalização do Ceasa está na reta final. A previsão é que esteja tudo pronto até o fim de novembro, podendo haver uma breve prorrogação nesse prazo em decorrência das chuvas. No trecho da obra voltado para a Rua Joaquim Nabuco já foi concluída a cobertura das galerias de águas pluviais, em parceria com a Torre Empreendimentos. “Aquelas galerias tinham uma utilização indevida por parte de alguns, que as utilizavam como depósito de lixo. Nas chuvas, aquilo entupia e era um problema. Além de causar inúmeros acidentes, pois as pessoas se dirigiam ali inadvertidamente e terminavam se acidentando”, justifica o secretário municipal de Infraestrutura, José Antônio Vieira. Naquele trecho está sendo finalizado o trabalho de paisagismo.

Enquanto isso, o grosso da obra está concentrado na Rua Catão Ferraz. Lá, está em andamento o fechamento das galerias. Além disso, há uma situação peculiar na localidade: existe um desnível de cerca de 230 metros entre a Catão Ferraz e a Ceasa. A contenção entre os dois níveis, que visa impedir o desmoronamento da rua mais alta, estava em desgaste, oferecendo riscos à população. O principal motivo dessa deterioração é o tráfego de veículos pesados à margem da rua próxima ao desnível. Estas teriam sido as razões para a construção do muro combatido por comerciantes, populares e imprensa.

De acordo com a prefeitura, foi preciso recuperar  um trecho correspondente a 30 metros da contenção, que apresentava sinais de desgaste, e fazer um passeio na Rua Catão Ferraz, justamente na margem do lado do desnível, para impedir a passagem de veículos desse lado e, consequentemente, nova deterioração. “Se fez necessário a execução de um pequeno passeio para direcionar melhor o trânsito, que estava muito próximo à galeria, causando o desmoronamento das contenções”, explica Vieira. Os veículos leves continuam trafegando normalmente na rua.

Quanto ao “muro”, diz a Secom que a prefeitura, seguindo as obrigações exigidas pelas normas técnicas de engenharia, construiu uma proteção no passeio, para impedir que os pedestres pudessem se acidentar entre a nova calçada e o desnível. Com cerca de um metro de altura, a proteção não se configura como um muro – para isso, de acordo com as normas, era preciso ter a altura mínima de 1,8 metros.

SEGUNDA ETAPA

SCM8434-476x315
Homens e máquinas da prefeitura trabalham para concluir a revitalização da feira

Ainda neste ano, terá início a segunda etapa da obra de revitalização do Ceasa. Essa fase prevê a reforma de um espaço interno e a recuperação de um reservatório de água. “Toda essa obra, quando for concluída, vai tornar o Ceasa um espaço bem mais organizado mais seguro e agradável para a população”, garante o secretário José Antônio.


Com texto e foto da Secom/PMVC

Anúncios

Comente

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: