Anúncios
Ações Governamentais Administração Pública Saneamento e Água

Faz calor em Conquista, demora para chover, nível de Água Fria 2 baixa e início da nova barragem segue sem previsão

Nível da principal barragem está abaixo do que se registrava em junho de 2017. Mas Embasa diz que não há previsão de racionamento.

Na terça-feira (12), o escritório local da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) divulgou nota sobre a situação das barragens que abastecem Vitória da Conquista, além de Belo Campo. O sistema é composto pelas barragens Água Fria 1 – mais antiga e menor, com capacidade de 175 mil m3 e só usada em situações emergenciais – e Água Fria 2 – com capacidade de 6,4 bilhões de litros, de onde sai a água para consumo da população -, mais as adutoras nos rios Catolé e Gaviãozinho.

A barragem secundária estava com 100% de sua capacidade acumulada. Já a principal, Água Fria 2, já estava com 80% da capacidade, cerca de 5 bilhões de litros e 1,39 centímetro abaixo do seu nível máximo. Baixou 0,70 centímetros em um mês. Portanto, não é incorreto afirmar que nesta quinta-feira (14), ainda sem chuva, esse nível foi ainda mais reduzido.

De acordo com a Embasa, em junho de 2017, o volume de água armazenada na Barragem de Água Fria 2 era maior do que hoje, mesmo assim, a cidade enfrentava um racionamento que durou até julho, depois de um período prolongado de fortes chuvas. Por isso, com as altas temperaturas, que aumentam a evaporação e o consumo de água pelos consumidores, a ausência de chuvas neste começo de ano e a perda provocada pelos vazamentos (média de 40 por dia, segundo a Embasa), veio o susto e a pergunta: vai ter racionamento este ano?

A Embasa diz que não. Como o atual volume das barragens dá para aguentar alguns meses sem chuva. O que a empresa não revela é se são dois, três ou mais meses. Prefere contar com a chuva, prevista para cair neste fim de semana, embora a previsão seja de pouca chuva, em torno de 20 milímetros se sexta até domingo (17). Se a previsão falhar e a quantidade de água continuar a diminuir na barragem principal, ainda há a possibilidade de recorrer à adutora do Rio Gaviãozinho, que ainda não está sendo utilizada e pode garantir a produção de 54 milhões de litros por dia, destinados a abastecer Vitória da Conquista e Belo Campo.

A circunstância remete a outra pergunta: e a obra da nova barragem, a ser construída no Rio Catolé, quando vai ser iniciada? O governador Rui Costa voltou a relacionar a barragem entre as obras de seu governo em Vitória da Conquista, mas preferiu não arriscar uma data. Todos os processos judiciais, ambientais e técnicos antecedentes à execução do projeto já foram cumpridos. Nesta quinta-feira o Diário Oficial trouxe o resumo do contrato da empresa que fará o gerenciamento e fiscalização para implantação da barragem. Era o que faltava, agora só falta a ordem de serviço e as máquinas começarem a trabalhar, antes que a situação piore.

Não custa lembrar que moradores de vários bairros e da zona rural de Vitória da Conquista estão reclamando há meses da irregularidade no abastecimento. Há locais que ficam sem água por semanas e quando chega não tem força para subir aos reservatórios. Isso já é uma espécie de racionamento. Mas, o pior é ficar todo mundo sem água. Essa tortura precisa acabar logo.

O BLOG solicitou à assessoria local da Embasa uma atualização sobre o andamento do processo e a previsão de início da obra da Barragem do Catolé, mas o escritório regional não dispõe das informações. Enviamos e-mail à assessoria da Embasa em Salvador e vamos aguardar a resposta.

 

 

Anúncios

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 56 anos de idade, 40 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

0 comentário em “Faz calor em Conquista, demora para chover, nível de Água Fria 2 baixa e início da nova barragem segue sem previsão

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: