Conquista: Herzem fala sobre dança das cadeiras, petistas no governo, aeroporto com rotatória e adesão à policlínica

Na entrevista que concedeu à Melodia FM na quinta-feira (21), o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB) falou por mais de uma hora sobre os planos que começaram a ser elaborados na sua gestão contemplando as áreas de saneamento básico, desenvolvimento urbano e mobilidade, além de comentar sobre a polêmica da rotatória do novo aeroporto, explicar seu posicionamento sobre a policlínica regional que o governo do Estado está construindo na cidade, rebater as queixas de que sua administração é responsável pela crise no transporte público e, claro, falar do PT, de petistas e da relação de sua gestão com as pessoas que trabalham na prefeitura e não votaram nele.

Para chegar a este último ponto, Herzem Gusmão comentou reportagem feita por este BLOG sobre as mudanças no secretariado, que já teve 23 mudanças em nove secretarias, movimentando 32 titulares diferentes. Em resposta ao radialista Issac Cabral, que falou em dança das cadeiras Herzem respondeu: “Você falou muito bem: a dança das cadeiras. Elas dançam. E se precisar continuar dançando, vai continuar dançando”.

Mais uma vez Herzem usou como referência o prefeito de Salvador, ACM Neto. “Quantas vezes Neto já trocou?”, perguntou e logo depois alfinetou o PT, apontando o partido como causa das reclamações. Para o prefeito, em Conquista é diferente da capital porque o PT ficou 20 anos no poder municipal, perdeu essa condição e agora quer voltar, por isso tenta desestabilizar o governo dele. “Eles ficaram 20 anos. E você sabe que o petista ele é triste, amargurado. O PT vive um momento dificílimo e eles querem aqui em Conquista a retomada, aí ficam tentando patrocinar o caos, tudo que acontece aqui eles querem lançar o pânico, desenham um quadro irreal. Tentam utilizar sindicatos, como estão utilizando alguns sindicatos aqui em Conquista, tentando desestabilizar o governo”.

O VOTO É DELES

Herzem assegurou que não tem apego ao poder, por isso não está preocupado com a eleição que ainda acontecerá em 2020. “Procure qualquer secretário e pergunte quando foi que eu falei de política partidária e de eleição de 2020. Não falo. Eu falo é de saúde, de educação, transporte, aguada, zona rural, das estradas. Nós não estamos preocupados com campanha política, com processo político. A eleição é em 2020! Nós estamos no início de 2019”.

O emedebista também disse que seu governo conta com petistas em postos chaves, o que, para ele, é normal e salutar. “Nos bancos oficiais, você encontra alguém que foi contínuo do banco, depois  virou caixa, virou chefe de carteira, daqui a pouco ele virou superintendente, por que na prefeitura não pode acontecer?”, questionou, e disse, citando o secretário de Saúde, José Raimundo Costa Fernandes: “Nós já promovemos um secretário que veio do governo passado, que serviu a governos do passado, que está lá dentro, técnico”. Embora José Raimundo, conhecido pro Juca, não seja petista, mas filiado ao PR, Herzem disse que ele não foi o único caso e que petistas já foram promovidos a cargos de coordenadores e gerentes. “Já promovemos petistas e outros para coordenações, gerências, o voto é deles.”

Segundo o prefeito de Vitória da Conquista a obrigação é de administrar sem fazer distinção política. “Nós temos a obrigação de governar essa cidade respeitando as preferências políticas de cada um”. Herzem lembrou de um episódio de 2017 em que alguém “dedurou” um membro da administração porque estava com uma camisa do PT. “Olha prefeito, aquela pessoa que o senhor você botou lá, ó, tá no Facebook com uma camisa do PT.” Para exemplificar seu posicionamento, o prefeito usou o futebol. “Que time você torce? Eu sou Vasco. Você pode botar a camisa do Botafogo, eu posso botar a do Vasco e você bota a do Flamengo. Pode botar no Facebook, não pode? E não pode botar a do seu partido? Qual é o problema?”.

POLICLÍNICA

Quando o assunto foi a policlínica regional, Herzem repetiu os mesmos argumentos que apresentou no ano passado, quando disse que não iria aderir ao consórcio que administra o equipamento. Disse que não está partidarizando o assunto, mas voltou a dizer que o governador Rui Costa criou as policlínicas para reverter uma situação eleitoral ruim em 2017. E, retornou a tecla de que a escolha do prefeito de Belo Campo para presidir o consórcio foi uma ofensa, “uma cusparada em Vitória da Conquista”.

Entretanto, a recusa a participar da policlínica praticamente desapareceu. Herzem disse que mandou uma equipe da conhecer o funcionamento das unidades de Feira de Santana, Guanambi e Jequié, para que ele pudesse se definir com mais clareza. “Eu não estou dizendo que não vou participar. Mas, para assinar a adesão eu quero saber os termos, se eles vão respeitar Conquista”, afirmou, num clara convite ao governo do Estado e ao consórcio para uma nova rodada de conversa.

Herzem relatou que visitou equipamento semelhante em Sobral (CE), onde esteve para participar de um seminário sobre educação. “A policlínica é linda, é belíssima, eu vi lá [em Sobral], é algo extraordinário. O diretor de lá disse assim para mim: ‘Prefeito, é algo fantástico. Adere à policlínica, que é importante’. E eu disse: “Só que a policlínica não é a policlínica daqui. Lá, quem determina é a política partidária'”, contou. Para o prefeito, “por isso o governador escolheu – ele escolheu – e disse: “O meu presidente será o prefeito de Belo Campo”, e levou para Belo Campo o lançamento, dando uma cusparada na cidade de Vitória da Conquista”.

AEROPORTO

“O governador está querendo improvisar e fazer uma rotatória em nível. Eu confesso que o equipamento é tão importante, tão importante, tão importante, que eu apelo à Polícia Rodoviária Federal que trave essa rotatória. O aeroporto não pode deixar de ser inaugurado por causa do viaduto. Eu acho que o prejuízo ia ser maior. Eu entendo, sou favorável, que o aeroporto seja inaugurado mesmo com a rotatória”, enfatizou Herzem, colocando seu posicionamento em relação à polêmica, levantada pelo seu ex-secretário de Mobilidade Urbana, Ivan Cordeiro, que critica a abertura do aeroporto tendo como acesso deste à BR 116 uma rotatória provisória, até que um viaduto seja construído no local.

O prefeito também estabeleceu uma nova polêmica, desta vez acusando o empresário José Maria Caires de ter mentido sobre os valores investidos pelo Estado e pela União no novo aeroporto, tendo induzido, de acordo com Herzem, o radialista Robson do Val e afirmar, erroneamente, que o governo da Bahia teria entrado com metade do valor. Leia sobre isso aqui.


FOTO DESTAQUE: HERZEM EM REUNIÃO COM O SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE, FÁBIO VILAS-BOAS COM A PARTICIPAÇÃO DO ENTÃO DEPUTADO FEDERAL, PAULO MAGALHÃES (AGOSTO DE 2018)

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente