Crise no transporte público de Conquista | Câmara de Vereadores lidera esforços para resolver impasses

A grave crise do transporte público em Vitória da Conquista teve mais um momento crítico esta semana: o anúncio feito pela Viação Cidade Verde de que, a partir deste sábado (13), deixará de atender cinco das linhas que eram da Viação Vitória. A decisão da Cidade Verde é um episódio de uma crise que se desenrola há mais cerca de quatro anos e que piorou a partir de julho do ano passado, quando a prefeitura tirou a Viação Vitória do sistema, depois que ficou comprovado que ela não atendia às exigências do contrato e prestava um péssimo serviço aos usuários do transporte coletivo.

A saída da Vitória, depois de ter 74 ônibus proibidos pela prefeitura de circular, deixando milhares de pessoas sem ônibus levou o prefeito a decretar emergência no setor e à Cidade Verde assumir as linhas da Vitória, com um contrato verbal, por seis meses, prorrogado por mais seis meses.

Acontece que, segundo a Cidade Verde, a falta de fiscalização propiciou o aumento das vans que fazem o transporte clandestino de passageiros, gerando prejuízo para a empresa. Estudo da prefeitura estimou em mais de 450 vans operando no sistema. Calcula-se que mais de um terço dos passageiros dos ônibus tenham migrado para as vans.

A Cidade Verde alegou que o prejuízo é crescente e insuportável e decidiu parar de atender a cinco linhas, entre as mais deficitárias:  Pradoso x Centro; Santa Marta x Centro; Senhorinha Cairo x Centro; Lagoa das Flores x Centro e Lagoa das Flores x UESB. O aviso foi dado pelas redes sociais. E a suspensão se daria a partir de amanhã.

O impasse foi a senha para que a Câmara de Vereadores decidisse chamar a responsabilidade para si. E fez isso do jeito mais assertivo possível. Depois de uma sessão recheada de pronunciamentos protestando contra a situação, a maioria culpando o prefeito e alguns criticando a Cidade Verde, os 21 vereadores se reuniram por uma hora com o executivo da empresa e o secretário de Mobilidade Urbana, Jackson Yoshiura.

Segundo o presidente Luciano Gomes (PR), algumas pessoas entendem que a obrigação de solucionar a situação do transporte na cidade é da Câmara de Vereadores, mas, embora nenhum dos 21 vereadores esteja se isentando do problema, o papel do legislativo é cobrar do Executivo e da empresa. “Enquanto representantes do povo que somos, eleitos pelo povo de Vitória da Conquista, temos a responsabilidade de cobrar da prefeitura e da Cidade Verde que cumpra o contrato”, comentou o vereador.

Na reunião, que começou com alguma tensão e terminou tranquila, sob a liderança de Luciano, os vereadores exerceram pressão sobre os dois lados e questionaram, com muita firmeza, a prefeitura quanto à continuidade do serviço e a Cidade Verde quanto às razões para a decisão tomada. Câmara, enfim, queria saber o que a Cidade Verde precisava para cancelar a interrupção dos serviços aos cinco bairros e se a prefeitura tinha como dar condições para que a empresa continue a operar.

A ação da Câmara desencadeou reações e no final da tarde a notícia [não confirmada*] era de que a Cidade Verde continuará a atender as cinco linhas, mas mantém o prazo de saída do lote emergencial no dia 31 de maio. Luciano Gomes e seus pares, agora, têm como missão reverter também esta decisão, ou fazer com que a prefeitura garanta a abertura do processo licitatório para selecionar a empresa que ficará no lugar da Cidade Verde, caso a desistência se confirme, ou regulamente, definitivamente o transporte alternativo por vans, assegurando o direito da população a transporte público organizado.

O BLOG acompanhou os debates na sala de reuniões da Câmara de Vereadores e anotou os principais pontos de cada fala. Os detalhes contaremos depois.

* Após a publicação de uma nota no Blog da Resenha Geral em que o prefeito Herzem Gusmão teria afirmado que a Cidade Verde seria retirada do lote emergencial (antigas linhas da Viação Vitória) pela prefeitura na segunda-feira (15), a empresa decidiu suspender as negociações com a Câmara de Vereadores e manteve a suspensão das cinco linhas.

Comente