Prefeitura de Conquista iniciará experiência de operar diretamente transporte coletivo na semana que vem



Depois de idas e vindas e da preocupação do secretário de Mobilidade Urbana, Jackson Yoshiura, de dar uma data e não poder cumprir, a Prefeitura de Vitória da Conquista marcou a próxima quarta-feira (12) o início da operação direta no transporte coletivo, que atravessa uma crise desde agosto do ano passado, com a saída da Viação Vitória, por descumprimento de contrato. Para atender cinco linhas que deixaram de ser operadas pela Cidade Verde, no dia 13 de abril, e estavam sendo atendidas pela Novo Horizonte, a prefeitura alugou oito ônibus e dois micro-ônibus da empresa Viação Rosa, oriunda de Sinop, Mato Grosso. A entrada em operação dos ônibus da Rosa se dará cinco dias antes do vencimento do contrato com a Novo Horizonte, orçado em R$ 810 mil por 30 dias.

Os ônibus não terão o nome da Viação Rosa na lataria, apenas as logomarcas do Sistema Integrado de Transportes (SIT) e da administração municipal. As linhas em que a prefeitura vai começar a experiência de prestação direta do serviço de transporte coletivo são: R03 (Pradoso/Centro), R04 (Santa Marta/Centro), R06 Senhorinha (Cairo/Centro), R17 (Lagoa das Flores/Centro) e D42 (Lagoa das Flores/Uesb).

De acordo com a Semob, os veículos alugados passaram por vistorias da equipe técnica da Secretaria de Mobilidade Urbana e são adaptados para o acesso de cadeirantes. O aluguel compreende ônibus com motorista e cobrador. Com isso, a cobrança das passagens voltará a ser feita aos passageiros, que não ocorria com o serviço prestado pela Nova Horizonte. É com essa arrecadação advinda da bilhetagem que o Município irá custear a operação das linhas.

O coordenador de Transporte Público, Micael Silveira, destaca: “Há ainda a previsão de se iniciar um processo de otimização em todas as linhas do sistema nas próximas semanas; para garantir uma oferta de serviço coerente com a demanda ou o recolhimento de veículos quando a demanda for menor do que a oferta, garantindo economicidade para o sistema e melhor atendimento para o usuário.”

Se tudo certo na operação direta das cinco linhas do Lote 1, de forma emergencial, a prefeitura poderá alugar veículos suficientes para as demais linhas do lote e manter ela mesma a prestação do serviço. De acordo com a Semob, “o objetivo é que, gradualmente, a prefeitura passe a operar todas as linhas que ainda vêm sendo executadas pela Cidade Verde”. Em agosto completa um ano que a emergência foi decretada. Em tese, a prefeitura já deverá ter realizado concorrência pública para contratação da empresa que assumirá definitivamente as linhas que eram da Vitória e que estão sendo atendidas, de forma emergencial, pela Cidade Verde. Entretanto, faltando menos de 90 dias para a data final, a prefeitura ainda aguarda resultado de um estudo que encomendou para dimensionar o sistema de transporte público e não deu início ao processo licitatório.


COM INFORMAÇÕES DA SECOM/PMVC

Comente