Anúncios
Ações Governamentais Política

Rui Costa diz que centro de convenções é difícil, mas fala em dotar Conquista de um teatro à altura da cidade

Setores empresariais e alguns políticos decidiram que a bandeira da vez em Vitória da Conquista é a implantação de um centro de convenções. A ideia ganhou força depois da inauguração do Aeroporto Glauber Rocha e da desativação do antigo Pedro Otacílio de Figueiredo. Na visão dos empreendedores que defendem a ideia e dos políticos que a encamparam, o novo aeroporto, o maior da aviação regional do Nordeste, coloca Vitória da Conquista na rota empresarial e do turismo, seja de negócios seja porque a cidade poderia se tornar a porta de entrada da Chapada Diamantina.

Para completar o cenário que seria favorável à construção de um centro de convenções, a área gigantesca onde funcionava o aeroporto anterior ficará obsoleta e existe um movimento, iniciado pelo ex-prefeito Guilherme Menezes, em 2013, quando o projeto executivo do novo aeroporto ficou pronto. O ex-gestor não pensava em um centro de convenções, mas fazer a ligação das vias que são interrompidas pela pista com o outro lado e dotar o local de equipamentos públicos.

O aproveitamento da área para ao equipamento para eventos ganhou força na voz do empresário José Maria Caires, do Movimento Conquista Pode Voar Mais Alto. E há quem queira o centro de convenções, mas propõe que seja em outra área, como o também empresário e pré-candidato a prefeito pelo PSL, Ivan Cordeiro, que propõe que o equipamento seja no lado Oeste da cidade, ajudando a dinamizar a região, nas proximidades da importante Avenida Brumado.

Por se tratar de um investimento alto, dificilmente a Prefeitura poderia bancar a construção de um centro de convenções e não surgiu ainda nenhuma manifestação da iniciativa privada. Restariam os governos federal e estadual. O primeiro poderia ser o financiador, mas não é o tipo de realização que consta do portifólio de prioridades da União. Já o Estado já investiu em pelo menos três (Salvador, Porto Seguro e Ilhéus) e parte para a construção de um novo na capital baiana.

O BLOG aproveitou a passagem do governador Rui Costa pela cidade, no dia 18 de julho, para saber o posicionamento dele sobre o tema e para lembrar de afirmação feita por ele, em conversa com o BLOG, no dia 6 de abril do ano passado, sobre construir um novo teatro em Vitória da Conquista. Provocado sobre Itabuna ter um centro de cultura com projeto arquitetônico igual ao que existe em Conquista, mas aqui o governo apenas reformar o equipamento e lá fazer um teatro, o governador disse que estava nos seus planos construir em Conquista um equipamento semelhante ao que fez em Itabuna. O teatro de lá foi inaugurado no último dia 26 de julho.

O governador manteve a promessa e disse que já fez gestões junto ao Banco do Nordeste, Banco do Brasil e Caixa, buscando a instalação de um equipamento cultural mantido por uma dessas instituições em Vitória da Conquista. E assegurou que, se o governo municipal tiver interesse em fazer uma parceria, a cidade pode ganhar um teatro à altura de sua importância e tradição cultural e artística.

Já sobre o centro de convenções, Rui Costa disse que é mais complicado, destacando que é o tipo de equipamento que precisa de viabilidade econômica, já que sua manutenção é cara. Para Rui, é o caso de se pensar em uma proposta intermediária, associada a um hotel, por exemplo, antes de partir para um empreendimento definitivo, de alto custo. Ele citou os exemplos dos centros de convenção de Porto Seguro e Ilhéus. O primeiro teria se mostrado inviável e ficou ocioso acabando por ser entregue para funcionamento da Universidade Federal do Sul da Bahia (Ufsb) na cidade. O de Ilhéus também também teria problemas de viabilização e pode passar para a iniciativa privada para ser mantido.

Na mesma entrevista, o governador ainda falou sobre o novo colégio que o Estado vai construir no bairro Campinhos, junto com uma estrutura para atletismo e a sede da Companhia Independente de Policiamento Rural. Mas, este assunto será abordado em outra matéria.

BLOG – O senhor disse, em 2018, que estava nos seus planos dotar Vitória da Conquista de um teatro maior e mais moderno que o nosso centro de cultura. Hoje, há um movimento também pela construção de um centro de convenções na área do antigo aeroporto. O que pode nos dizer sobre as duas coisas?

Rui Costa – Eu acho que Vitória da Conquista e a região merecem ter um teatro. Já o centro de convenções é algo que precisa ser pensado melhor, porque é um equipamento cuja existência se justifica se tiver uma programação garantida, para que ele tenha viabilidade econômica. O custo operacional de um centro de convenções não é baixo e se não tiver um estudo muito bem feito você pode ter um custo alto para fazer e ter depois um equipamento ocioso. Por exemplo, nós tínhamos um centro de convenções em Porto Seguro, que durante muitos anos ficou ocioso e nós terminamos entregando o equipamento para virar a Universidade Federal do Sul da Bahia. Nós temos um centro de convenções bastante importante em Ilhéus, mas que, em boa parte do tempo, também vive ocioso, apesar de Ilhéus ser uma cidade turística. Nós estamos, inclusive, buscando entidades privadas que queiram assumir e trazer eventos para Ilhéus, para o centro de convenções.

Então, temos que pensar melhor, contratar estudos, para verificar e dar viabilidade técnica e econômica.

Já o teatro, não, é mais fácil. O teatro de Conquista, que, aliás, tem uma tradição muito forte na cultura, na arte, na música e é claro que merece um teatro, nós vamos estudar, fazer um projeto. Vamos ver se o município tem disposição também de ajudar, porque, o de Itabuna foi feito em parceria com o município. O Estado colocou lá R$ 30 milhões. E vamos fazer o estudo, sim, pode ser naquela área (antigo aeroporto), pode ser em outro lugar. Precisamos ver qual a melhor área para construir um teatro que possa aprimorar e desenvolver a arte em Vitória da Conquista.

Ainda sobre o centro de convenções, o que nós podemos fazer aqui, antes, é, eventualmente, ter um auditório, ter um espaço, que pode ser associado a um hotel e possa receber eventos aqui. Não necessariamente você tem que partir imediatamente para um centro de convenções, pode ter um equipamento intermediário para, depois, dar um pulo para um equipamento maior, um centro de convenções.

BLOG – O senhor disse, em 2018, que estava fazendo gestões junto ao Banco do Brasil e ao Banco do Nordeste, no sentido de ver a possibilidade de ter aqui um centro cultural mantido por uma dessas entidades. Houve avanços?

Rui Costa – Promessa e compromisso tivemos da Caixa Econômica e do Banco do Nordeste, mas que não se materializou até o dia de hoje. Eu tive, recentemente, uma reunião com o novo presidente do Banco do Brasil e com o novo presidente do Banco do Nordeste e renovei esse meu pedido para que eles patrocinem um espaço cultural aqui na Bahia. Eu ofereci, inclusive, como opção, o espaço que nós temos aqui em Conquista [o Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima], que poderia ser ampliado, ganhar mais estrutura e passar a receber eventos maiores. E eu espero que a gente consiga.

No Brasil e no mundo inteiro, agentes financeiros participam fortemente do incentivo à cultura, porque não é só ter o prédio, o equipamento, é preciso o patrocínio para trazer o show, o evento. Muitas peças de teatro, por exemplo, a bilheteria não cobre o custo, precisa ter patrocínio. E as instituições financeiras são fortes patrocinadoras de eventos culturais. Muita gente acha que basta ter um teatro que você vai receber peças ou eventos, mas há custos altos para cobrir, como passagens de avião, e uma peça são várias pessoas, tem que trazer objetos, cenários, enfim, o custo é alto e se você só contar com a bilheteria não consegue fazer, é preciso ter um agente fomentador que patrocine. E eu espero que em breve a gente consiga uma agente financeiro que tope fazer esse investimento aqui.

Anúncios

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 56 anos de idade, 40 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

1 comentário em “Rui Costa diz que centro de convenções é difícil, mas fala em dotar Conquista de um teatro à altura da cidade

  1. Pingback: Ivan Cordeiro defende que ao invés de Salvador governador faça centro de convençõe em Conquista – BLOG DE GIORLANDO LIMA

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: