Eleições 2020 | Herzem Gusmão só quer falar de obra, mas as obras falam de política

O pátio da Escola Municipal Maria Santana estava lotado. Centenas de moradores se juntaram a dezenas de componentes da Prefeitura de Vitória da Conquista e a vereadores para ver a hora em que o prefeito Herzem Gusmão brandiu no ar o documento que acabara de assinar dando a ordem de serviço para os tão esperados serviços de drenagem e pavimentação do Loteamento Conveima 1. Palmas e gritos efusivos de finalmente e graças a Deus se misturaram ao som de fogos, cada vez mais comuns neste governo que está se acostumando a lançar e inaugurar obras pelo município.

O evento foi um sucesso. A festa feita pelos moradores, que perderam duas novelas em sequência para tirar a prova da promessa do prefeito, se justifica. Um dos loteamentos mais antigos de Vitória da Conquista, o Conveima 1 pede por pavimentação há 40 anos. E aquele povo que via, talvez pela primeira vez, tanta gente engomada no bairro, fora do ano da eleição, tinha todo direito a pular de alegria. Quase todo mundo foi a pé, repetindo trajetos em vias empoeiradas e esburacadas. Passaram por carros caros que encheram a redondeza de Escola Municipal Maria Santana, entraram no prédio ainda desconfiados e saíram com a certeza maior que a esperança.

Aquela gente toda ouviu Herzem dizer que depois que as obras estiverem feitas, com rede de esgoto, ruas asfaltadas, praças e jardins com flores, ele mesmo poderá ir morar lá. “Me convidem que eu venho”, bradou o prefeito.

No dia seguinte, Herzem e o time completo de secretários estavam, de manhã cedo, ao lado de tratores, para demonstrar que ele falava sério, não sobre morar no Conveima, mas sobre a ordem de serviço. O trabalho, de fato começava.  E, junto com ele, a campanha para a reeleição do prefeito. Mesmo que ele negue. Aliás, ao se oferecer para ser vizinho dos moradores do loteamento, ele, ainda que continue a negar, fazia uma frase de efeito, dessas que se dizem em campanha eleitoral, para ganhar a simpatia – e o voto – das pessoas.

A repercussão do evento não foi pequena. Não dá para medir ou afirmar que teve efeito suficiente para alguma modificação na sofrida avaliação do governo municipal. Até porque, ao mesmo tempo em que os fogos espocavam pela boa notícia do Conveima, bombas continuavam a explodir na saúde, com as crises com a Policlínica e com a Santa Casa de Misericórdia, por falta ou atraso de pagamentos. Mas, ninguém tem mais dúvida de que Herzem não para mais.

Vai fazer uma festa toda vez que puder. Já tinha sido assim na inauguração da Praça Norberto Aurich, no bairro Patagônia, com gente, entusiasmo e fogos. Deverá ser assim nas alamedas que a PEL fez no centro e está fazendo em frente à Catedral. Vai ser assim na entrega da primeira de três etapas da revitalização da Avenida Olívia Flores. No Vila América, no Miro Cairo, no Alto Maron, na Cabeceira, em Itaipu…

Deverá ser assim em cada começo e conclusão de obra que Herzem Gusmão fizer com os R$ 60 milhões que os vereadores, certamente, autorizarão ele a pegar emprestado na Caixa Econômica Federal (pelo que o prefeito agradeceu antecipadamente, dividindo com os vereadores os méritos pelos benefícios que o Conveima 1 começou a receber). E Herzem vai continuar a dizer que não fala de política, de eleição, que só fala de obras. Enquanto isso, as obras falarão por ele. Não dá para afirmar que serão suficientes para garantir a sua reeleição, porque é imenso o estrago que o governo fez a si mesmo em 32 meses. Mas, que ele deu um choque de alerta na oposição e no PT, isso ele deu. Ficou claro que a zona de conforto se mexeu.

A voz das obras acorda os que dormiam na fantasia do prefeito morto politicamente.

VEJA FOTOS EXCLUSIVAS


FOTOS: GIORLANDO LIMA (CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS EM CASO DE CÓPIA E REPRODUÇÃO)

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente