História e transformação | Símbolos arquitetônicos de Conquista mudam de aspecto e função


Quando fazia a campanha pelo Brasil, em busca de seu primeiro e único mandato eleito*, Getúlio Vargas esteve em Vitória da Conquista. Era o dia 31 de agosto de 1950 e depois de um comício na Praça Barão, o velho caudilho, que seria eleito e governaria o Brasil de 31 de janeiro de 1951 a 24 de agosto de 1954, quando se suicidou com um tiro no coração, pernoitou na cidade. Vargas dormiu no Hotel Albatroz, na Rua Maximiliano Fernandes, que era um dos hotéis mais luxuosos do interior da Bahia.

Com 48 apartamentos o Albatroz era o local de hospedagem de celebridades que vinham a Vitória da Conquista e, além de Getúlio Vargas, recebeu o cantor Roberto Carlos e os jogadores de Flamengo e Vasco da Gama, quando estiveram na cidade para o jogo inaugural do Estádio Lomanto Júnior, em 1966. O Hotel Albatroz foi criado pelo empresário Gildete Viana.

Hoje, mesmo quem conhece Vitória da Conquista há muito tempo tem alguma dificuldade para identificar o local onde funcionou o luxuoso hotel. O letreiro gigantesco de uma clínica médica popular toma toda a antiga fachada.

Nos anos 1960, outro empreendedor construiu um dos prédios mais marcantes da cidade. Ademar Galvão ergueu o edifício Ouro Branco, muito moderno para a sua época e até hoje chama a atenção. Localizado na esquina da Barão do Rio Branco com a Lima Guerra, o prédio foi adquirido por pelo pecuarista Pedro Cangussu, mas nunca foi utilizado plenamente, apenas o térreo e o primeiro pavimento, onde funcionou extinto Banco Mercantil do Brasil e atualmente é uma loja de artigos para festa.

Outro prédio símbolo da cidade, localizado nas proximidades da Barão do Rio Branco, abrigou por muitos anos o Hotel Aliança. Além de apartamentos espaçosos e suítes, um  conforto que não havia na maioria das hospedagens fora da capital, o Aliança tinha um restaurante primoroso no seu terraço.

A praça teve sua última mudança significativa quando o ex-prefeito José Pedral Sampaio mandou demolir o antigo restaurante Lindóia, alargou a área e implantou estacionamentos. Em 2017, o prefeito Herzem Gusmão ensaiou ocupar parte do espaço com um jardim. O teste, com um jardim provisório, agradou e o governo municipal chegou a prometer fazer uma obra permanente.

Mas, há outras mudanças. O Hotel Albatroz, por exemplo, desapareceu. A fachada foi escondida pelo imenso letreiro de uma clínica popular. Mesmo quem conhece Vitória da Conquista há muito tempo tem alguma dificuldade para identificar o local onde funcionou o luxuoso estabelecimento hoteleiro.

O prédio do Aliança foi comprado por um empreendedor e está em obras há seis meses para se tornar um edifício residencial, com 40 kitnets. Cercado por tapumes e telas de proteção, o velho prédio não deverá passar por uma mudança radical na parte externa. Mesmo assim, até o final do primeiro semestre do ano que vem, o Hotel Aliança será definitivamente, uma foto antiga encontrada no Google. Assim, como foi o Lindóia (deu lugar a uma banca de revistas), o Cine Conquista w Banco Econômico (que, juntos, se transformaram em uma agência maior do Econômico, depois banco Excel, BBV e Insinuante/Ricardo Eletro), o Hotel Conquista (hoje Banco do Brasil) e o próprio Hotel Albatroz.

Já o Ouro Branco permanece, como um símbolo da ousadia dos empreendedores de 50 anos atrás e, ao mesmo tempo, um monumento à inutilidade, até que um investidor ousado resolva dar funcionalidade ao antigo prédio.

 

* Getúlio Vargas foi presidente do Brasil em dois períodos. O primeiro período foi de 15 anos ininterruptos, de 1930 até 1945, e dividiu-se em 3 fases: de 1930 a 1934, como chefe do “Governo Provisório”; de 1934 até 1937 como presidente da república do Governo Constitucional, tendo sido eleito presidente da república pela Assembleia Nacional Constituinte de 1934; e, de 1937 a 1945, como ditador,[5] durante o Estado Novo[nota 2] implantado após um golpe de estado. (Wikipédia)

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

1 thought on “História e transformação | Símbolos arquitetônicos de Conquista mudam de aspecto e função

  1. “Um homem sem história, é um homem sem raízes.”

    Laerte Martins Barbosa Filho

    A cada dia presenciamos um antigo casarão sendo demolido no Centro de Vitória da Conquista, e assim, pouco a pouco, vamos perdendo a nossa identidade.

Comente