Ministra fica surpresa ao saber que ficou sem o título de cidadã conquistense. Vereador explica e promete para 2020


Quando tinha cinco anos de idade, Damares Regina Alves, filha do missionário Henrique Alves e da dona de casa Guilhermina, morou em Vitória da Conquista, com os irmãos Dionísio e Daniel. Ficou aqui nos anos 1970 e 1971. Segundo testemunhos, ela já voltou à cidade várias vezes, como pastora. O pai dela foi um dos fundadores da Igreja do Evangelho Quadrangular.

Hoje, à frente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no governo Bolsonaro, Damares Alves afirma que tem ótimas lembranças de Vitória da Conquista e fala bem da cidade por onde vai. Garante, também, defender os interesses do município no governo federal.

No dia 23, Damares postou em sua página um vídeo no qual trata Vitória da Conquista como “minha cidade linda e amada onde eu passei bons anos da minha infância”. A mensagem fez parte do anúncio da liberação de R$ 15 milhões para conclusão da comunidade de Atendimento Socioeducativo (Case) que está sendo construída em Vitória da Conquista em convênio dos governos estadual e federal.

AGENDA DA MINISTRA EM 22 DE MAIO DE 2019

O empenho da ministra para liberar os recursos para a obra, que vinha sendo tocada, desde o começo, com recursos do governo estadual, levou o vereador Luciano Gomes (PL) a lhe prometer um título de cidadã conquistense. A notícia de que Damares receberia o título foi dada pelo deputado João Carlos Bacelar (PL) e pelo próprio Luciano Gomes, na presença da ministra (veja vídeo abaixo). O deputado anuncia a entrega para o final deste ano. Mas, o projeto nem foi apresentado e Damares ficou de fora da lista de 44 pessoas que receberam a honraria no dia 9 de novembro, aniversário da cidade.

Ontem (26), o BLOG conversou com a ministra por WhatsApp sobre a liberação dos recursos para a Case e a inauguração da unidade e aproveitou para saber se ela ficou magoada por não ter sido agraciada com o título prometido. Damares respondeu que nem sabia que o cancelamento tinha acontecido, mas disse que isso era indiferente para ela. “Na verdade, eu nem sabia que isso tinha acontecido. Se alguém me falou eu esqueci, se alguém me escreveu eu não li, mas não sabia disso, Mas, isso para mim é indiferente. Eu não preciso do título para continuar amando essa cidade que eu amo tanto. Conquista está no meu coação, com título ou sem título”, afirmou.

Apesar de falar que não faz diferença receber o título de cidadã para poder continuar gostando e trabalhando por Vitória da Conquista, a ministra acabou revelando a sua decepção. “Não sei o motivo que o fez negar. Cidades que eu nunca coloquei o pé estão me dando títulos, homenagens, esta, que eu passei dias da minha vida e que falo com tanto amor para o Brasil, ele negar, eu não entendo a motivação dele. Mas, respeito, respeito muito”, ressaltou.

“Mas, não preciso de um título para continuar amando essa cidade linda e essa região linda da Bahia. A Bahia está no coração. Está no meu coração, no coração do presidente Bolsonaro e nós estamos investindo muito nesse estado. Pena que a mídia não divulga, mas os nossos investimentos nesse estado têm sido investimentos grandes, altos, porque nós entendemos a importância do estado da Bahia para a economia do Brasil”, afirmou a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

PARA 2020

O BLOG procurou o vereador Luciano Gomes e deu a ele conhecimento da reação da ministra Damares. Luciano explicou que ela receberá o título de cidadã de Vitória da Conquista no ano que vem. “Este ano, tivemos dificuldade política e preferi não expor a ministra a uma votação que poderia ter resultado em recusa da Casa em lhe dar a honraria. Estive, de fato, com ela, junto com o deputado João Bacelar, a convidamos, mas detectamos a tempo que poderia ocorrer um constrangimento, já que a proposta seria pela Mesa Diretora, pois eu já havia feito as minhas indicações pessoais”, disse Luciano.

O presidente da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista diz que “mais que uma deferência, o título de cidadão conquistense é o reconhecimento do merecimento da pessoa homenageada e a ministra deu mostras de que tem efetivo interesse em apoiar demandas de Conquista na área dela e o vídeo que ela gravou ajuda a demonstrar isso”. Além da liberação dos recursos para finalização da Case, Luciano destaca que Damares se comprometeu a implantar um centro de apoio ao idoso em Vitória da Conquista.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente