Anúncios

Procurador Municipal ataca advogado Ruy Medeiros em defesa do Parque do Verruga

Em artigo distribuído pela Secretaria de Comunicação (Secom), o procurador municipal do Meio Ambiente, Edmundo Ribeiro Neto, respondeu com dureza a declarações que o advogado Ruy Medeiros teria dado a um blog da cidade. Para o procurador, Ruy foi desrespeitoso, intolerante e faltou com o decoro, a urbanidade e a ética, rasgando “sua própria biografia num contorcionismo jurídico que visa defender interesses políticos próprios”.

O texto afirma que o advogado conquistense, professor da Uesb, passou de defensor a acusador, em pouco tempo, sem dar maiores explicações. O procurador usa o tempo todo de adjetivos e expressões para caracterizar o pensamento de Ruy Medeiros, de forma intensa, considerando “desarrazoadas e contraditórias as declarações” do advogado questionado por ele. A defesa feita por Edmundo Ribeiro remete a uma cena de luta de boxe, onde, em contra-ataque, um dos pugilistas desfere uma saraivada de jabs, sem reação do adversário, que, nessa visão, é surpreendido e só vai saber o quanto apanhou pela imprensa.

O procurador do Meio Ambiente, que é cargo de comissão nomeado pelo prefeito Herzem Gusmão em junho de 2018, parte para cima de Ruy Medeiros com o argumento de que busca restabelecer o respeito à verdade e que este “não navegue apenas nas águas nem sempre transparentes dos interesses políticos e pessoais”, mas seja permanente.

O BLOG não conseguiu contato com Ruy Medeiros para comentar as afirmações do procurador municipal.

Leia aqui a matéria do Blog do Anderson que provocou a dura reação do procurador Edmundo Ribeiro Neto contra seu colega advogado Ruy Medeiros.

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA

A cada governo uma nova opinião: as contradições de Ruy Medeiros sobre o Parque do Rio Verruga

Foi com surpresa que tomamos conhecimento da matéria publicada no Blog do Anderson, no dia 02 de janeiro de 2020, que traz declarações do advogado, professor e historiador Ruy Medeiros. A matéria constrói nova retórica do historiador que, em pouco tempo, passou de defensor do Parque Ambiental a acusador sem maiores explicações. Para que a verdade seja reposta, a Procuradoria Jurídica do Meio Ambiente do Município de Vitória da Conquista vem a público esclarecer o que se segue:

Diferentemente do que afirma o doutor Ruy Medeiros, o Município de Vitória da Conquista não tornou a área do antigo “açude municipal” de utilidade pública com fins de desapropriação, reconhecendo implicitamente que ali existam terras particulares. A área foi decretada de utilidade pública e especial interesse ambiental com vistas à criação do Parque Ambiental do Rio Verruga. Mostrando correção, a Prefeitura Municipal se comprometeu a indenizar os particulares que provarem a propriedade das suas áreas através da apresentação das devidas escrituras e registros públicos nos autos do processo judicial iniciado ainda no ano de 2004, em antiga gestão do PT e quando Ruy Medeiros tinha, estranhamente, posição contrária a atual e defendia a criação do Parque.

Também não é verdadeira a afirmativa de que o Município tornou de interesse público áreas sabidamente pertencentes à União, e Ruy Medeiros sabe disso muito bem. Primeiro, porque é historiador e teve acesso a documentos do início do Século XX que mostram que a área da antiga “Estação de Monta”, conhecida como Clube da Derruba, pertencia ao Município. Foi com esses documentos que a Arquidiocese de Vitória da Conquista reconheceu a área como propriedade municipal. O assistente da Arquidiocese na ocasião do reconhecimento era Ruy Medeiros. Então, ao afirmar, nos dias atuais, que a área pertence à União, o advogado tem a absoluta clareza de que isto não é verdade, porque ele sabe que não é!

O que tiramos de concreto a respeito do que lemos no Blog do Anderson é que, lamentavelmente, o professor historiador – que foi fonte de informações na produção da petição que deu início à ação discriminatória referida na matéria veiculada -, rasga sua própria biografia num contorcionismo jurídico que visa defender interesses políticos próprios.

O arcabouço jurídico que possibilitou a criação de tão importante instrumento de preservação e conservação da última parcela verde existente na Cidade de Vitória da Conquista não foi feito à revelia, como ele tentou defender em sua entrevista. Foi um trabalho amplamente pensado e debatido no âmbito da Procuradoria Jurídica do Município. Consideramos desrespeitosas, desarrazoadas e contraditórias as declarações de Ruy Medeiros.

Ao declarar que os Decretos Municipais são aberrações, ele demonstra falta de decoro e urbanidade no trato com seus colegas Advogados que integram a Procuradoria Jurídica do Município, esquecendo-se da ética mais básica que deveria ser seguida por aqueles que fazem do Direito seu ofício.

Mas Ruy Medeiros também se mostra contraditório e muda de opinião ao seu bel prazer. Dependendo dos ventos políticos que sopram na cidade, ele ora defende o Parque, ora o ataca! Não se administra uma cidade ao sabor dos ventos, mas sim com firmeza de caráter e poder de decisão e comando.

Ao longo do tempo, e em diferentes textos de sua autoria, Ruy Medeiros defende a criação do Parque: em 23 de maio de 2012, publicou artigo nesse sentido, que tinha como título “Velhos projetos Urbanos”, publicado em seu blogspot e também veiculado no Blog de Paulo Nunes. Em 17 de setembro de 2014, em outro artigo, no mesmo blogspot, faz homenagem ao ex prefeito Pedral Sampaio – quando do falecimento do político – e volta a defender o Parque. Vai mais longe: afirma que os ex-prefeitos José Raimundo e Guilherme Menezes pensaram num parque no mesmo local. O local é exatamente o mesmo onde hoje a atual gestão vai construir a maior área de lazer e ambiental de Vitória da Conquista: O Parque Ambiental do Rio Verruga. O artigo é reproduzido no Blog do Fábio Sena em 23 de maio de 2019.

Não entendemos a defesa das decisões nas gestões de José Raimundo e Guilherme Menezes e o ataque à decisão idêntica do atual governo!

Na realidade, a posição do entrevistado é contraditória ao longo de diferentes administrações municipais. O grave é que suas afirmações levam desinformação à população e tentam desacreditar a atual gestão pública municipal.

Assim, fica mais uma vez gravado o repúdio ao desrespeito no plano pessoal e a intolerância inadmissível que, de forma cristalina, traz a público ofensas meramente políticas. De nossa parte, reafirmamos o compromisso firme da Procuradoria Jurídica do Meio Ambiente na defesa da construção de uma cidade que conserva e preserva suas fontes e recursos naturais. E é importante que se diga: uma cidade onde o respeito à verdade seja permanente e não navegue apenas nas águas nem sempre transparentes dos interesses políticos e pessoais.

Edmundo Ribeiro Neto
Procurador Municipal do Meio Ambiente
Vitória da Conquista, 08 de janeiro de 2020

Anúncios

5 thoughts on “Procurador Municipal ataca advogado Ruy Medeiros em defesa do Parque do Verruga

  1. Acredito que mesmo que o procurador municipal esteja correto, o que desconheço e não posso opinar, o tom utilizado foi extremamente desrespeitoso e acima de qualquer tom educado ou moderado como deveria ter sido uma reposta a um professor com muitos anos à frente do tal procurador.
    Além de ser uma resposta deselegante, pela idade do procurador ele devia, no mínimo, respeito pela história e serviços prestados à cidade pelo prof. Ruy Medeiros. Há muitas formas de falar e o tom escolhido foi de briga e não de um contraponto arrazoado como diz pretender. Lastimável!!!

  2. Sem dúvida nenhuma o Professor Doutor Ruy Medeiros é uma pessoa muito importante, o procurador municipal sabe disso muito bem, tanto que se dispôs a falar dele na primeira semana do ano, mas poderia ter ficado calado. Ao publicar carta aberta à comunidade conquistense representando o Município, perdeu a oportunidade de demonstrar conhecimento histórico e jurídico, sequer entendeu a contribuição crítica do Doutor Ruy Medeiros sobre a implantação do parque ambiental, quanto ao rito procedimental. A lição foi dada, porém incompreendida. Isso deve justificar os clichês rasos e desgastados que nos submeteram a ler, sugestivos de arrogância institucional. Nada mais além disso!

    1. Não conheço você e vejo que você não conhece o BLOG. Não é uma matéria gratuita. A Secretaria de Comunicação do Município enviou a nota do procurador e o BLOG a publicou, com uma introdução. Se vê um posicionamento tendencioso, é porque a tendência é rejeitar a grosseria do procurador mesmo e faço isso porque este é um BLOG com nome, individual e tem direito à expressão. Você deve ser do lado do procurador, assim tendencioso é você e pode continuar a sê-lo, é parte do processo democrático. Você concorda com a democracia, não?

Comente

%d blogueiros gostam disto: