Anúncios

Carnaval Cultural | E se Mateus tivesse morrido no Boulevard Shopping?


A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista (PMVC) emitiu nota oficial acerca da morte do jovem Mateus Nogueira Morais, de 23 anos, ocorrida no Espaço Glauber Rocha, pertencente ao Município, na tarde de ontem. Mateus trabalhava na montagem do palco do evento denominado Carnaval Cultural, uma festa aberta ao público, mas organizada por particular, com o apoio da Prefeitura, quando teria se desequilibrado e caído de uma altura de cerca de oito metros, segundo boletim da 78ª Companhia Independente de Polícia Militar. Na nota, a PMVC manifesta seu pesar e afirma que vai apurar apurar responsabilidade na morte de operário.

Inicialmente foi divulgado que Mateus teria sido atingido por uma descarga elétrica antes de cair. O produtor cultural Dylan Júnior, que organiza o Carnaval Cultural, refutou essa possibilidade dizendo que não havia energia elétrica ligada ao palco quando o jovem trabalhava. “Infelizmente, foi um acidente de trabalho. Ele pode ter se desequilibrado e caiu. Mas, não foi por causa de choque elétrico, porque nem a rede foi ligada ainda”, afirmou Dylan.

Nas redes sociais as pessoas questionaram o não uso de equipamentos de proteção individual (EPI), como o cinto de segurança pelo qual Mateus deveria estar preso, por trabalhar em um ponto tão alto, aberto e de risco.

Além de lamentarem a perda do jovem, internautas passaram a pedir o cancelamento da festa, considerando que seria um desrespeito manter a programação. Um movimento de protesto está sendo organizado para a tarde deste sábado, no Glauber Rocha.

O produtor Dylan Júnior postou comentário em grupos e comunidades do Facebook lamentando a morte de Mateus e reafirmou que o Carnaval Cultural seria mantido. O empresário escreveu: “Nós temos vários compromissos, muitas pessoas investiram muito para pode trabalhar nos dias e não podemos cancelar o evento…”. Internautas rebateram o empresário e muitos passaram a escrever mensagens diretas ao prefeito Herzem Gusmão, pela não continuidade do evento.

Na nota, a Prefeitura de Vitória da Conquista esclarece que não tem responsabilidade pelo evento. Mesmo assim, fontes da administração disseram ao BLOG que haveria uma reunião na manhã deste sábado, uma espécie de gabinete de crise, para decidir qual o posicionamento oficial quanto ao cancelamento ou continuidade do Carnaval Cultural deste ano, Mas, até as 11h30 a Prefeitura não havia se manifestado se revogaria a cessão do espaço, atendendo ao apelo do grande número de pessoas que querem o cancelamento da festa, ou se ficaria restrita ao posicionamento explicitado na nota oficial.

Considerando todos os aspectos expressos pelo organizador da festa e os da Prefeitura, conforme a nota oficial, o primeiro ressaltando o investimento dos barraqueiros e outros comerciantes para participar do evento, e a segunda ao enfatizar que a responsabilidade do evento é de terceiros, apesar de a marca da administração estar nas peças publicitárias, a pergunta que o BLOG faz é: e se Mateus tivesse morrido na área do Boulevard Shopping, onde ocorreu no ano passado, o Carnaval Cultural seria mantido? Os lojistas e donos do shopping permitiriam o uso do espaço, depois de uma morte relacionada, diretamente, ao evento?

Lembrando que o evento recebe patrocínio da Prefeitura, do Governo do Estado e de empresas públicas e privadas.

LEIA A NOTA DA PMVC

Prefeitura vai apurar responsabilidade na morte de operário

É com pesar que a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista vem a público lamentar o falecimento do operário Matheus Nogueira de 23 anos, vítima de acidente no Centro Cultural Glauber Rocha, no início da noite de hoje.
O Samu 192 foi acionado por volta das 19:45hs e realizou procedimentos de reanimação por cerca de 34 minutos, mas o rapaz não resistiu.
Mateus Novaes fazia parte da equipe que estava executando a montagem e instalação elétrica do palco para o Carnaval Cultural.
A festa é realizada pelo empresário Odilon Alves do Santos Júnior que, através de Termo Público, obteve a autorização de utilização do espaço e é o responsável pelo evento.
A Prefeitura apenas apoiava a festa. Este apoio incluía a montagem do palco, a cargo da empresa Hargam Produções Eireli, de propriedade do empresário Elvis Neri Leite Oliveira.
De acordo com os responsáveis pela montagem do palco, o Corpo de Bombeiros esteve hoje no local para fiscalizar a obra e não encontrou nenhuma irregularidade. Amanhã a corporação iria emitir o laudo técnico.
Tanto o empresário organizador da festa, quanto a empresa que tinha a tarefa de montar o palco assinaram termos de total responsabilidade por quaisquer incidentes que porventura ocorressem no evento.
Segundo informações prestadas à Secretaria de Comunicação, a família do operário está recebendo total apoio de funcionários da empresa que montava o palco.
O corpo de Matheus Nogueira foi encaminhado para o Instituto Médico Legal para que seja feita a necropsia que vai determinar a causa da morte.
As investigações estão a cargo da Polícia Civil, mas a Prefeitura irá também tomar todas as medidas necessárias para apurar, administrativamente, as causas e as responsabilidades do acidente.

Anúncios

Comente

%d blogueiros gostam disto: