SSP libera números oficiais da violência em 2019. Conquista teve 128 assassinatos, 26% menos que 2018

Já estão disponíveis no site da Secretaria de Segurança Pública (SSP) os dados da violência no ano passado. As estatísticas incluem homicídio doloso, lesão seguida de morte e latrocínio (roubo com resultado morte), além de tentativa de homicídio, estupro, roubo a ônibus (urbano e rodovia), roubo de veículo, furto de veículo e uso/porte de substância entorpecentes (usuários). As três modalidades de morte são denominadas na linguagem técnica, como CVLI, ou Crimes Violentos Letais Intencionais, por isso, a conta não inclui mortes por legítima defesa, por acidentes (disparo de arma, corte, ou acidente de trânsito) e nem as denominadas mortes em decorrência de ação policial ou autos de resistência.

Os números oficiais mostram que, em termos de CVLI, Vitória da Conquista chegou a 128 registros. Destes, 125 homicídios dolosos, duas lesões corporais seguidas de morte e um latrocínio. Ninguém contesta que o número ainda é muito alto, mas é importante ressaltar a redução, em relação a 2018, quando ocorreram 172 assassinatos, a queda foi de 26%. Em números absolutos, 2019 teve a menor quantidade desde 2007, quando foram 123 mortes violentas intencionais.

A Área Integrada de Segurança Pública (AISP) 57, da qual Vitória da Conquista é a sede, é composta de 18 municípios. No total, ocorreram 217 CVLI. Depois de Conquista, Barra do Choça foi o município com maior número de ocorrências, 11, todas homicídios dolosos. Depois Planalto, com dez; Cândido Sales, sete; Belo Campo e Encruzilhada, cinco cada. Caraíbas e Planalto tiveram dois CVLI e Piripá, Tremedal e Boa Nova, um cada.

Seis municípios da AISP 57 não registraram crimes violentos letais intencionais: Anagé, Caetanos, Condeúba, Cordeiros, Mirante e Mortugaba. No entanto, Anagé teve quatro tentativas de homicídios e Condeúba três. Já Vitória da Conquista, além das 128 mortes violentos intencionais, registrou 62 tentativas de homicídio. Barra do Choça teve oito e Planalto sete.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente