De Portugal, onde faz pós-doutorado, Monalisa Barros elogia ações de Herzem, mas diz que ainda há deficiências


Uma das personalidades mais destacadas da área de saúde de Vitória da Conquista, a psicóloga Monalisa Barros, professora do curso de Medicina da Uesb e ex-presidente do Conselho Municipal de Saúde, está em Coimbra, Portugal, onde faz seu pós-doutorado. De lá, ela acompanha, com preocupação, as informações sobre o aumento dos casos do novo coronavírus no Brasil, principalmente na Bahia.

Neste domingo, Monalisa Barros fez uma manifestação especial para Vitória da Conquista, sua terra natal, com referências elogiosas às medidas tomadas pelo prefeito Herzem Gusmão e ao trabalho da Secretaria Municipal de Saúde, na pessoa do secretário Alexsandro Nascimento Costa. Ela destaca que é uma eleitora da esquerda, mas não poderia deixar de manifestar sua admiração pela coragem e liderança do prefeito conquistense. Monalisa diz que a administração municipal não tem minimizado a situação, mas se adianta aos problemas.

A professora doutora diz que a ação do governo municipal destoa positivamente das ações do governo federal, que tem negado a dimensão do problema, por isso ela parabeniza Herzem e Alexsandro.

Monalisa, no entanto, ressalva que, há espaços a completar, alguns pontos a melhorar. Diz, sem retirar o elogios, que não bastam medidas de restrição, sem um “plano de enfrentamento muito claro e que tenha sido construído com a participação do controle social, além do Poder Executivo”. Para ela, uma demonstração de grandeza do prefeito “estaria em aceitar todas as ajudas possíveis e, de fato, com transparência, podermos todos juntos enfrentarmos o que virá”, referindo-se, entra outras, à ajuda oferecida pelo PT em carta aberta Herzem.

“Um plano de contigências deve contemplar não somente o atendimento médico-hospitalar, mas a população de rua, os trabalhadores informais, o apoio a micro-empresário, um suporte e retaguarda para os profissionais de sauíe que correm risco… ou seja não pode ser construído unicamente pela Secretaria de Saúde e avaliszzada pelo prefeito. Vai ter que contar com a participação das diversas camadas da sociedade”, disse ela em mensagem enviada ao BLOG. Monalisa finaliza afirmand que queria ver o Conselho Municipal de Saúde (SMS) junto com secretário em todas as decisões, “para que seja realmente demonstração do processo democrático”.

VEJA A MENSAGEM NA ÍNTEGRA

Como vocês sabem, eu sou uma eleitora de esquerda, mas quero aqui manifestar minha admiração pela coragem, iniciativa e liderança com que Herzem, como prefeito, e Alex, como secretário de saúde, têm se comportado frente à crise. Não estão minimizando a situação, não estão postergando as medidas e estão se adiantando aos problemas. Isso demonstra compromisso e responsabilidade. Como estou fora e vivendo uma realidade bem diferente do que temos visto pelas autoridades federais dai, posso perceber que Conquista tem destoado positivamente neste momento. Tenho visto uma negação, por parte do outros gestores, da dimensão do problema que se contrapõe a atitude esperada de gestores. Publicamente quero parabenizar a Herzem, a quem não votei, e a Alex, nosso colega.

ATUALIZADA ÀS 16h00:

Também reitero que não bastam medidas de restrições e fechamento da cidade, é preciso que estas estejam acompanhadas de um plano de enfrentamento muito claro e que tenha sido construído com a participação do controle social, além do executivo. No caso da nossa cidade, tivemos uma carta de apoio do PT se colocando à disposição para o enfrentamento desta crise. Uma demonstração de grandeza estaria em aceitar todas as ajudas possíveis e, de fato, com transparência, podermos todos juntos enfrentarmos o que virá. Essa crise é de toda a comunidade e não há espaço para disputas partidárias de poder.

Se Herzem de fato quiser lidar com isso com gradeza a hora é esta. Um plano de contigências deve contemplar não somente o atendimento médico-hospitalar, mas a população de rua, os trabalhadores informais, o apoio a micro-empresário, um suporte e retaguarda para os profissionais de sauíe que correm risco… ou seja não pode ser construído unicamente pela Secretaria de Saúde e avalisada pelo prefeito. Vai ter que contar com a participação das diversas camadas da sociedade. Queria ver o CMS junto com Secretário em todas as decisões, para que seja realmente demonstração do processo democrático.


 

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

1 thought on “De Portugal, onde faz pós-doutorado, Monalisa Barros elogia ações de Herzem, mas diz que ainda há deficiências

  1. É lógico que o presidente tem que minimizar o problema. Se ele falar que tem um surto de vírus chinês, a população fica assustada. Sem falar que as bolsas de valores despencam quando alguma autoridade se pronuncia sobre determinado assunto. O ministro Paulo Guedes afirmou que se não fizer nenhuma “besteira” a economia segue sem grandes transtornos. A imprensa caiu em cima e as bolsas reagiram mal.

Comente