Diante de pressão de alguns comerciantes e religiosos por revogação de decretos, Herzem só diz: Estou atento.


Um grupo usa os argumentos da fé, acreditam que Vitória da Conquista está abençoada e não terá casos graves do novo coronavírus, nem mortes. Defendem que igrejas abertas, cultos e orações manterão a cidade como está, ainda sem pessoas doentes do Covid -19. Usam palavras que são caras ao prefeito Herzem Gusmão que, desde a eleição, fala em profecias e bênçãos como orientação do seu governo. A fé é um argumento delicado de contestar. Tampouco se pode retirar a legitimidade de quem baseia a sua vida nela. É constitucional, inclusive.

Outro grupo usa o argumento econômico, teme pelos prejuízos. Argumentam que Vitória da Conquista não vai resistir a duas ou três semanas sem faturamento. Há quem diga, até, que o decreto municipal que fecha lojas, restaurantes, bares e similares, beneficia grandes empresas, como os atacadistas e supermercados, e que isso seria injusto. Apresentam como linha de apoio a possibilidade de muitas demissões. Se alinham com o presidente Jair Bolsonaro e querem as pessoas nas ruas, porque o medo do coronavírus seria uma histeria, criada pela mídia.

O fato é que, pouca gente prestou atenção, o decreto 20.202, assinado pelo prefeito Herzem Gusmão, no dia 22 de março de 2020, só vale até o dia 29, próximo domingo, Para que o comércio estipulado na medida continue valendo, Herzem terá que assinar e publicar outro decreto até domingo. Tem gente temendo que ele não o fará. E essa sensação aumentou depois do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro. Apesar de ter tomado decisões diferentes e mais acertadas que o presidente nos últimos dias, todo mundo sabe que Herzem é bolsonarista, admirador e seguidor do presidente, a quem elogia com frequência.

A informação é de que a maioria dos comerciantes quer manter as lojas fechadas, por preocupação com o novo coronavírus. Na sociedade a expectativa é a mesma. Muita gente acha que está acontecendo subnotificação dos casos de Covid – 19 e que a cidade já teria pessoas infectadas, sem que isso tivesse sido identificado pelo setor de vigilância epidemiológica. Assim, a maioria acredita que os decretos do prefeito fechando o comércio, escolas, faculdades, academias de ginástica, bares, restaurantes, etc., é que pode salvar Vitória da Conquista de entrar na lista dos lugares onde o novo coronavírus se alastrou. Esse é o mesmo argumento de quem crê ter sido a ação tempestiva do prefeito a maior responsável por manter Conquista sem casos confirmados.

Nas últimas horas cresceu a pressão sobre Herzem Gusmão, inclusive publicamente, dos que querem que ele revogue as medidas, que reabra o comércio e autorize o funcionamento de aulas. Um advogado chegou a divulgar mensagem que enviou ao prefeito com essa reivindicação e um áudio em que justifica seu desejo, que vai na contramão das orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), de especialistas do mundo todo e até do Ministério da Saúde do governo Bolsonaro. Segundo o advogado, o prefeito aceitou receber uma comissão de empresários para discutir a revogação do decreto 20.202.

O BLOG procurou o prefeito para saber o que ele pensa das pressões e se é sua intenção manter o fechamento do comércio e demais medidas que tomou, acertadamente, para proteger os cidadãos do município que ele administra por voto da maioria, não apenas religiosos e comerciantes. A conversa foi por SMS, que Herzem, sempre, educadamente, respondeu.

 – Bom dia, prefeito.

1. O decreto que fecha o comércio tem validade até domingo (29), considerando: a) não haver caso confirmado do novo coronavírus na cidade; b) o interesse manifestado por grande parte dos comerciantes de reabrir as lojas; c) o pronunciamento do presidente Bolsonaro, existe possibilidade de o decreto não ser renovado?

2. É verdade que o setor religioso lhe pediu para revogar os decretos, inclusive o que suspendeu as atividades escolares?

Perguntas que faço para tentar esclarecer especulações com a palavra pessoal e oficial do prefeito de Vitória da Conquista.

Grato.

A resposta foi:

– Estou ATENTO, ATENTO, ATENTO…

Insistimos:

– Como posso abordar? 1. Prefeito pensa em revogar decretos? 2. Herzem manterá decretos? A. Prefeito analisa não renovar determinação de fechar comércio? B. Herzem diz que comércio continuará fechado?
O BLOG cresceu muito nessa fase. Muitos, muitos mesmo, contatos pedindo matéria sobre isso.

A mesma resposta, curta e incompleta.

– Estou ATENTO!!!!

 

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente