Em uma semana casos suspeitos de coronavírus aumentam 228% em Conquista. Só um 1/4 das notificações foi descartada

De ontem para hoje (27) a quantidade de notificações de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (Covid – 19) em Vitória da Conquista subiu de 123 para 143, um crescimento de 16%. O número de casos descartados também aumentou, passando de 35 a 38, mas sem comparação com o crescimento dos casos suspeitos: 105. Há uma semana eram 46, aumento de 228%. Desse grupo, 58 pacientes estão aguardando a coleta para a realização de exame. Ontem eram 47 pessoas, 23% a mais.

Também se acumulam os casos que aguardam que o Laboratório Central da Bahia (Lacen) envie o resultado dos exames. Eram 36 ontem e no boletim desta sexta-feira são 47 (30,5% a mais). O percentual de casos descartados desde as primeiras notificações em 28 de fevereiro é de 26,57%. O total de notificações, desde então, é 143, e os casos descartados 38.

Se desde 28 de fevereiro, quando foram notificados os cinco primeiros casos suspeitos no município, somente 38 casos foram descartados, ou seja, deram resultado negativo para o Covid – 19, isso significa que 105 pessoas se enquadram na condição de não testadas ou cujos testes aguardam há vários dias sem resultado. Não é pecado inferir que pelo menos metade dos casos suspeitos registrados em Vitória da Conquista em um mês já passaram do prazo de 14 dias de isolamento recomendado, suficiente para superar os sintomas, se não for caso de febre a partir de 37,8°C e dificuldade para respirar.

Também não é exagero prever que a maioria das notificações de casos suspeitos deste mês – e dos próximos dias – não passará pelos exames laboratoriais a cargo do Lacen, até que o país tenha testes em quantidade suficiente. A orientação do Ministério da Saúde é realizar os testes em casos graves, pessoas do grupo de risco maior, pela idade ou por comorbidades pré-existentes (doenças crônicas como diabetes, doença pulmonar crônica e imunodeficiência), e em profissionais de saúde. O ministério informou que em alguns dias os casos leves também passarão a ser testados, com a chegada de 10 milhões de testes rápidos para a Covid-19. Os primeiros 5 milhões deverão ser usados com prioridade em profissionais de saúde.

DÚVIDA E MEDO

Em uma excelente reportagem, o site Avoador, produto laboratorial da disciplina Jornalismo Digital, do curso de Jornalismo da Uesb aborda a delicada e séria dificuldade que pessoas com sintomas, consideradas por médicos como suspeitos de infecção pelo novo coronavírus. Conta o caso da arquiteta Carolina Santana*, que apresentou sintomas a partir do último dia 15, logo após voltar de Salvador. Dois dias depois, ela, procurou um médico, que identificou os sintomas como sendo os mesmos de uma gripe comum.

Mesmo assim, o médico a incluiu na lista de casos suspeitos e a orientou a continuar em quarentena. Ela conta que ligou para um laboratório da cidade, para fazer o teste para a Covid-19, mas foi informada de que já não havia mais testes disponíveis no laboratório. Carolina, então, ligou para a Vigilância de Saúde do município, respondeu a um extenso questionário, foi informada que seu caso seria notificado e que enviariam um agente até sua casa para examiná-la e realizar a coleta para o teste. Mas, ninguém apareceu.

Carolina disse ao Avoador que já não apresenta os sintomas, mas segue adotando as mesmas medidas de precaução, pois os membros de sua família fazem parte do grupo de risco e ela tem medo de contaminar algum deles. “Me sinto sozinha e muito mal de ter algum contato com eles e isso acabar acontecendo. Se eu tivesse a certeza de que não estou com o vírus, eu estaria em quarentena, mas junto com eles. Porém, não saberei se tenho a doença ou não porque simplesmente não tenho como testar”.

* Nome fictício para proteger a identidade da pessoa

Leia a matéria completa do Avoador.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente