Secretários de Conquista usam coletiva sobre ações contra coronavírus para contestar secretário estadual de Saúde


O título (“Em entrevista coletiva, Comitê de Gestão de Crise e Secretaria de Saúde explicam medidas para garantir combate ao coronavírus”) da matéria da Secretaria de Comunicação (Secom) sobre a coletiva dos secretários Kairan Rocha, da Administração e coordenador do Comitê de Gestão de Crise, e Alexsandro Costa, da Saúde, diz uma coisa e o texto outras. Em dez parágrafos e 812 palavras, não aparece uma única medida nova ou ação da Prefeitura acerca do novo coronavírus. Já na abertura, a matéria adianta que a coletiva foi para “esclarecer o posicionamento da Prefeitura frente às medidas divulgadas pelo Governo do Estado para combate ao coronavírus no município”. Diferente da manchete.

Para relembrar: membros do governo municipal e até o Blog da Resenha Geral – que pertence à família do prefeito Herzem Gusmão – divulgaram que o Governo do Estado teria deixado de repassar a parte que caberia a Conquista dos R$ 70 milhões que o Governo Federal enviou para serem aplicados nos municípios. Conquista estaria sendo retaliada, diziam.

O secretário Fábio Vilas-Boas, da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) rebateu e afirmou que a Comissão Intergestora Bipartite (CIB), composta por todos os municípios e pelo Estado, definiu que a gestão dos recursos ficaria com o Governo do Estado, à exceção de Feira de Santana e Salvador, que optaram por administrar sua parte. A decisão teria sido tomada em duas reuniões, no final de março, às quais o secretario de Conquista, Alexsandro Costa, teria faltado.

Fábio Vilas-Boas enfatizou que o secretário conquistense tinha conhecimento da decisão por ser membro do conselho do CIB e ter sido informado oficialmente. O Governo do Estado ainda destacou que a contratação do Hospital da Clínicas de Conquista, que disporá 20 leitos de UTI e 20 leitos de enfermaria exclusivamente para pacientes com coronavírus, um investimento superior a R$ 7 milhões, valor dez vezes mais que o recurso reclamado pelo governo Herzem Gusmão, que estaria politizando a saúde, na opinião do titular da Sesab.

Na coletiva de hoje, além dizer que não sabem quando a empresa Eco Diagnóstica, entregará os três mil testes rápidos para detecção do novo coronavírus que a Prefeitura comprou por R$ 360 mil, os secretários Kairan Rocha, da Administração e coordenador do Comitê de Gestão de Crise e Alexsandro Costa, da Saúde, confirmaram o valor reclamado por Conquista, R$ 700 mil, que seria para custeio. Segundo eles, o Governo do Estado só enviou para Conquista, até agora, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

O que faltou informar:

Qual a distribuição espacial dos casos confirmados do coronavírus em Conquista;
Quando será aberto o Centro Municipal de Atenção ao Coronavírus, que o prefeito anunciou para quinta passada (9). Tampouco falaram da capacidade de acolhimento, nem da forma de triagem;
Não falaram se o comércio e serviços não essenciais serão mantidos fechados ou serão reabertos – o decreto se extingue amanhã. O secretário Kairan, no entanto, antecipou que governo pode tomar medidas mais enérgicas para manter as pessoas em casa, se entendermos que o vírus teve uma evolução grande no município.

AÇÃO CONTRA GOVERNO E CIB

Sobre a polêmica com o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, o secretário de Saúde de Conquista disse que o colega não passou informação verdadeira quando deu a entender que ele não foi à reunião da Comissão Intergestora Bipartite de forma deliberada. “É falsa a afirmação, uma vez que o município não esteve presente na reunião por não ter sido convidado. A reunião da CIB aconteceu no dia 27 de março apenas com a diretoria, sem ter sido enviada nenhuma informação a Vitória da Conquista”.

Segundo Alexsandro Costa, medidas administrativas e jurídicas estão sendo encaminhadas, tanto em relação à retenção do recurso pelo Governo do Estado, quanto à reunião da CIB feita à revelia da maioria das cidades baianas.

Apesar da ameaça, em alguns momentos, o tom foi de pacificação. Os secretários ressaltaram que o governo municipal está buscando o diálogo com o Governo do Estado, responsável pela disponibilização dos leitos de UTI no município, por isso “a Prefeitura quer unir forças e realizar um planejamento de ações em conjunto com os órgãos estaduais”

“Quando falamos da necessidade de ter os leitos instalados em Conquista e que precisamos manter o diálogo com o Governo do Estado para um planejamento contínuo é porque somos responsáveis pela vida de cerca de 1 milhão e 800 mil pessoas que vivem na macrorregião de Conquista”, enfatizou o coordenador do Comitê de Gestão de Crise do Município, Kairan Rocha.


ESTA MATÉRIA FOI PRODUZIDA A PARTIR DAS INFORMAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMUNICAÇÃO E DO BLOG DO SENA

 

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente