Surgem reações à possibilidade de UTIs públicas de Conquista exclusivas para Covid-19 receberem pacientes de Ilhéus e Itabuna

A informação de que o Estado pode enviar pacientes de Itabuna e Ilhéus para internamento em UTIs excluivas para coronavírus de Vitória da Conquista, noticiada por um blog da cidade ontem (30) e dada pelo Blog do Anderson como confirmada pelo secretário estadual Fábio Vilas-Boas e provocou reações. Pelas redes sociais, circulam mensagens contra a ideia, uma delas diz: “Não, Rui Costa. Moro em Vitória da Conquista e não apoio que os pacientes infectados de Itabuna e Ilhéus  venham para cá! Leva para Salvador”.

O prefeito Herzem Gusmão publicou em suas redes sociais (Twitter, Instagram e Facebook) que soube da notícia por meio da imprensa e que a possibilidade de os hospitais públicos e contratados de Vitória da Conquista receberem pacientes com coronavírus de Itabuna e Ilhéus “demonstra, mais uma vez, a necessidade de o Estado abrir o diálogo e discutir, efetivamente, o plano de ação e fluxos de pacientes com os municípios”. Na postagem o prefeito cometeu um erro ao dizer que o contrato com o Hospital de Clínicas de Conquista não tinha sido publicado, o que já ocorreu no dia 24 deste mês.

O presidente da Câmara de Vereadores, Luciano Gomes (PCdoB) disse que, ao tomar conhecimento da notícia enviou mensagem ao secretário estadual de Saúde pedindo informação. Mas, segundo ele, Fábio Vilas-Boas. “Mas, digo uma coisa, Vitória da Conquista é uma cidade polo que recebe mais de 80 cidades que são pactuadas e dependem desses leitos. Como é que o Governo do Estado vai trazer pacientes de Itabuna e de Ilhéus para cá, se eles têm outras soluções, como montar UTIs lá na região”, questionou o vereador.

Luciano é da opinião de que Vitória da Conquista deve se preparar para atender  a região e a própria população de Vitória da Conquista. “O que se sabe é que maio será o mês em que deve ocorrer o pico de casos de coronavírus, um alto índice de pessoas com Covid-19, imagine como ficarão Conquista e região se vierem pacientes de Itabuna e Ilhéus, será um caos. Acho que o Governo do Estado deve repensar isso. Vou aguardar que o secretário Fábio Vilas-Boas me responda, se não, vou me posicionar publicamente, o Governo do Estado tem que abrir o diálogo com as autoridades de Vitória da Conquista”.

O vereador David Salomão (PRTB) também se manifestou contra a possibilidade de pacientes do Sul a Bahia serem enviados pelo Governo do Estado para internação em Vitória da Conquista. “Os investimentos do Governo do Estado sempre se concentraram em Salvador e Feira de Santana, deixando Conquista fora e isso se deve à falta de representatividade, a falta de políticos que realmente comprem a briga de Vitória da Conquista. Falta alguém que diga ao governador que somos o terceiro maior município da Bahia e merecemos respeito. Parece que eles acham que nós pertencemos ao estado de Minas Gerais, por conta da distância da capital, mas somos Bahia e exigimos o que é de nosso direito. Vitória da Conquista não tem leitos suficientes, já atende a uma grande região e não há leitos de UTI suficientes. Então, isso que o governador  faz não é mais do que uma guerra político-partidária. Mas, não mediremos esforço para que isso não se concretize”.

O BLOG questionou a assessoria da Sesab sobre o assunto. Perguntamos se os primeiros pacientes do HCC, cujo contrato vale a partir deste dia 1º de maio, serão do sul da Bahia. A assessoria respondeu que não tem como confirmar, pois a decisão caberia à regulação. Quisemos saber se o secretário não tem poder de decisão neste caso. A resposta:

“Veja, pacientes são regulados mediante alguns critérios: disponibilidade de leito para o perfil do paciente, gravidade e especialidade. A Central de Regulação busca o recurso apropriado nais próximo para o paciente. No caso de cirurgia cardíaca pediátrica, por exemplo, apenas os hospitais Santa Izabel, Martagão Gesteira e Ana Nery (todos em Salvador) e o Hospital da Criança (Feira de Santana) realizam o procedimento, o que significa que pacientes de toda a Bahia são regulados para essas localidades. Se Conquista tivesse [cirurgia cardíaca pediátrica], por exemplo, pacientes de Porto Seguro, Ilhéus, dentre outras regiões mais próximas daí, seriam transferidos para essa localidade. Sempre será uma decisão técnica dos médicos da Central Estadual de Regulação”.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente