Viação Rosa recebeu R$ 8,3 milhões este ano da Prefeitura de Conquista. Empresa anunciou saída de Feira de Santana

BANNER_728x90_GIF

Dona de um contrato rentável de aluguel de ônibus para a Prefeitura, que optou por operar diretamente o lote 1, deixado pela Viação Vitória em 2018, ao invés de fazer nova licitação, como a manda a lei, a Viação Rosa Ltda não pensa em deixar Vitória da Conquista, mas já anunciou que vai sair de Feira de Santana onde opera como empresa licitada, com todas as exigências legais decorrentes disso.

A empresa alegou que deixará Feira de Santana por causa do “afloramento do clima político local que interfere rotineiramente a operação de transporte público urbano (…) e do grave quadro financeiro e desequilíbrio econômico do sistema de transporte público coletivo”, além do descumprimento do edital e falta de apoio dos órgãos e instituições estaduais e municipais.

Mas, não há sinal de que a Viação Rosa esteja pensando em tomar a mesma decisão em Vitória da Conquista. Os motivos são inversos. Parceira, a empresa sabe que qualquer movimento dela nesse sentido criaria uma situação fatal para o projeto político do prefeito Herzem Gusmão, e o dinheiro que a empresa ganha em Vitória da Conquista, como mera locadora de veículos, com respectivos trabalhadores, não é razão para queixa.

A administração municipal e a a Viação Cidade Verde, a outra empresa que opera na cidade, como vencedora do lote 2, mantêm uma relação apenas por obrigação. Várias vezes, o prefeito mencionou decisão judicial que afasta a empresa e determina uma nova concorrência, segundo o prefeito não realizada em razão de liminar obtida pela concessionária. Por seu lado, a Cidade Verde reclama de ter sido prejudicada pela falta de ação da Prefeitura no caso do transporte clandestino, e por causa de uma suposta perseguição e de prejuízos financeiros, também estaria por um triz de ir embora do município.

ATÉ JULHO

A Viação Rosa tem sido alvo de críticas frequentes de usuários pelos ônibus velhos e por causa de episódios de ônibus quebrados no meio da rua e até no antigo terminal de ônibus da Avenida Lauro de Freitas. Apesar das queixas e da necessidade legal e ética de realizar a licitação, a administração municipal manteve o contrato com a empresa até julho. Pelo aluguel dos ônibus, a Viação Rosa tem um contrato mensal de R$ 2.619.550,00. E tem recebido regiamente.

Este ano a Prefeitura de Vitória da Conquista já pagou à empresa R$ 8.333.456,22. A Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) disse que, em razão da diminuição de passageiros transportados e de trajetos, em decorrência da crise do novo coronavírus, teria havido uma redução de 49,1% no valor repassado à Viação Rosa. “Tendo em vista que a empresa recebe por veículo e por quilômetro rodado e tanto o número de veículos como o número quilômetros rodados diminuíram”, disse o secretário Jackson Apolinário para explicação na redução no pagamento.

No entanto, a média de pagamento à empresa de ônibus até abril foi de R$ 1.987.732,43 (total de R$ 7.950.929,72 entre janeiro e abril). A média dos seis meses do ano passado foi R$ 2.255.334,87. Por enquanto, não é de 49,1% a diferença. É esperar as contas de maio.

PAGAMENTOS FEITO À VIAÇÃO ROSA EM 2020

JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL

MAIO

R$ 1.438.115,86

R$ 2.296.045,86 R$ 2.039.315,90 R$ 2.177.452,10

R$ 382.526,50
(até dia 5)

Desde julho do ano passado já foram gastos R$ 21.865.465,46 dos cofres públicos para bancar uma operação que dá prejuízo para o município. Em 2019, a arrecadação da Prefeitura com a operação direta do transporte coletivo foi R$ 10.002.019,70, já o valor pago à Viação Rosa foi R$ 13.532.009,24, um prejuízo de R$ 3.509.989,54. Em 2020, a receita foi R$ 5.365.674,00, com o último lançamento o dia 24 de abril. Diferença entre o dinheiro que entrou nos cofres do município com cobrança de passagens nos ônibus da Viação Rosa: R$ 2.967.782,22.

ÍNTEGRA DA NOTA DA VIAÇÃO ROSA LTDA SOBRE SUA SAÍDA DE FEIRA DE SANTANA

A Empresa de Ônibus Rosa Ltda. vem à público comunicar à população de Feira de Santana que, em virtude da grande queda de receita iniciada a partir do último mês de março em decorrência do estado de calamidade pública após a pandemia do Covid-19, do afloramento do clima político local que interfere rotineiramente a operação de transporte público urbano, das sucessivas tentativas de alertar a Prefeitura Municipal de Feira de Santana sobre o grave quadro financeiro e desequilíbrio econômico do sistema de transporte público coletivo e do descumprimento do edital desde o início das operações, além da falta de apoio dos órgãos e instituições estaduais e municipais, NÃO TEM MAIS CONDIÇÕES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS PARA CONTINUAR A EXECUÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO NA CIDADE E TOMARÁ AS MEDIDAS PARA RESCINDIR O CONTRATO DE CONCESSÃO. A Prefeitura será informada oficialmente ainda nesta manhã sobre a situação, bem como para tomar as medidas que entender pertinente para a continuidade do serviço”, informou.

(PUBLICADA NO SITE ACORDA CIDADE)

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente