Pré-candidato a vereador, Diego Gomes mostra força no governo Herzem, assume dois cargos e vai coordenar seleção de pessoal para a Saúde

BANNER_728x90_GIF

Um dos membros mais fortes no chamado núcleo duro do governo Herzem Gusmão, formado por aquelas pessoas que têm acesso mais próximo e são mais ouvidos pelo prefeito, Diego Gomes (DEM) era o secretário da Transparência e Controle (SMTC), mas como assumiu que será candidato a vereador, teve que pedir exoneração do cargo no dia 3 de abril, cumprindo o prazo de desincompatibilização de seis meses determinado por lei. Pediu exoneração, mas não precisou deixar a SMTC e nem perdeu poder na secretaria.

A desincompatibilização obrigatória de determinadas funções públicas para quem deseja concorrer a eleições tem como principal objetivo evitar que o ocupante do cargo permaneça exercendo influência efetiva na estrutura que dirige ou na qual tenha autoridade e com isso fique em vantagem sobre os demais candidatos, com risco de desequilibrar a eleição. A desincompatibilização, na teoria, busca conferir alguma igualdade na disputa, trazendo o ocupante de cargo para a mesma condição dos que, também candidatos, não têm cargo ou função pública. O contrário configura em vantagem sobre os demais.

No caso de Diego Gomes, no entanto, operou-se uma engenharia que lhe garantiu manter-se na SMTC, em cargo de coordenador, nomeado no mesmo dia da exoneração, com a mesma condição de influenciar as ações da pasta, à exceção da assinatura nos documentos. A operação garantiria a Diego poder ficar na secretaria até 3 de julho, pois o prazo de desincompatibilização na nova função é de três meses.

A engenharia consistiu em tirar do cargo a coordenadora da Coordenação de Controle e Auditoria, Larissa Almeida de Freitas Nascimento, nomeando-a um degrau abaixo, na Gerência de Prestação de Contas da mesma secretaria, até então ocupada por Irma Mirlayne da Silva Ferraz, que ascendeu a secretária por conta da arquitetura política desenhada pelo chefe. Diego foi para o lugar de Larissa e Mirlayne para o de Diego que, assim, continuava dando as cartas na SMTC, para onde foi nomeado em janeiro de 2017 e para onde, provavelmente, retornará se sua pretensão de chegar à Câmara de Vereadores der em frustração.

Há quem diga que Diego Gomes vem ganhando condições especiais no governo para se diferenciar dos demais candidatos e alcançar seu objetivo eleitoral. Por telefone, uma fonte sugeriu uma olhada na portaria 012/2020, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), publicada no Diário Oficial do Município do dia 11. O documento legal nomeia a comissão de supervisão e acompanhamento da realização do chamamento público emergencial para contratação temporária do pessoal que vai trabalhar no Centro de Atenção Municipal para o Coronavírus – COVID 19.

A seleção dos profissionais constará, tão somente, de análise de currículo de caráter classificatório e eliminatório. Curiosamente não foi estipulada a quantidade de vagas, apenas informado que os aprovados comporão um cadastro reserva para as funções de assistente social, auxiliar administrativo,
auxiliar de serviços gerais – higienização, enfermeiro e técnico de enfermagem. Os salários são de R$ 1.045,00, para auxiliar de serviços gerais, auxiliar administrativo e técnico de enfermagem; R$ 1.616,68 (assistente social) e R$ 2.464,50 (enfermagem).

O primeiro na lista de cinco nomes que vão supervisionar todas as fases do chamamento público emergencial, a quem caberá a coordenação dos trabalhos, incluindo a realização da análise dos currículos e dos recursos interpostos, é Diego Gomes Rocha, que aparece como diretor administrativo da Secretaria Municipal de Saúde, cargo para o qual foi designado, pelo prefeito Herzem Gusmão, no dia 27 de abril, devendo optar pela remuneração de somente um dos cargos. O salário, fora gratificação e vantagens, da Coordenação de Controle e Auditoria é R$ 4.276,86 e do cargo novo é R$ 5.329,44.

Não é a primeira vez que Diego Gomes acumula cargos no governo municipal. Ele, que é servidor efetivo, no cargo de Auxiliar Administrativo I, exercido até o fim de 2016, com remuneração de R$ 1.817,55, ficou cinco meses na Transparência e na Comunicação. Com essas duas funções, Diego foi o servidor que mais recebeu diárias no ano passado e em 2018, até mais que o prefeito Herzem Gusmão.

Em três anos de governo, Herzem só recebeu R$ 2.446,11 a mais que Diego Gomes em diárias. O ex-secretário, agora com a função de selecionar currículos para a Secretaria de Saúde, só não passou do prefeito no cômputo geral porque abriu mão de receber diárias no final do ano passado, apesar de ter viajado como secretário.

Um detalhe importante: Diego Gomes Rocha foi designado para a Diretoria Administrativa da SMS, mas a diretora nomeada em 14 de junho de 2018, Jaciane Ferraz de Oliveira, não teve a exoneração publicada no Diário Oficial do Município. O nome dela é o que consta da apresentação dos titulares de cada setor da Secretaria Municipal de Saúde.

Fontes: Diário Oficial do Município, TCM e Portal da Transparência

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente