Lúcio Vieira Lima responde a prefeitos que pediram à direção nacional mudança do comando do MDB na Bahia

BANNER_728x90_GIF

O ex-deputado federal Lúcio Vieira Lima que, ao lado do irmão, Geddel, dirigiu o MDB baiano por vários anos, ligou para o BLOG e comentou a notícia de que três dos prefeitos do partido, Herzem Gusmão, de Vitória da Conquista; Colbert Martins, de Feira de Santana, e Rodrigo Hagge, de Itapetinga, escreveram uma carta ao presidente nacional do partido, deputado federal Baleia Rossi (SP) pedindo que a mediação dele para mudar a direção estadual do MDB.

A maior parte da conversa foi em off (em que o entrevistado pede para não publicar), quando Lúcio fez comentários reservados sobre os três gestores que manifestaram o desejo de afastar a direção que ele ajudou a colocar no MDB, pessoas da sua confiança pessoal e política, como o presidente Alex Futuca.

O ex-deputado, que anunciou que se desfiliaria do MDB em abril, mas ainda não saiu, afirmou que não pode mais falar pelo partido, no entanto, disse estranhar a atitude dos prefeitos. Para ele, não é momento de política pequena. “Eles tinham que fazer como [o prefeito de Salvador ACM] Neto e Rui [Costa, governador da Bahia], e se unir para enfrentar o coronavírus, isso sim. Não é hora de política, é de hora de lutar pela vida, pela saúde do povo”, enfatizou.

Para Lúcio o momento pede foco na saúde. “Essa energia que estão gastando com política baixa deveria estar sendo direcionada para melhorar a estrutura de saúde dos municípios”, trabalhando para aumentar os leitos de UTI, a quantidade de respiradores, como prioridade, na opinião do ex-deputado. “Ninguém pode ter outra coisa na cabeça, principalmente prefeito”.

O BLOG não conseguiu contato com o presidente Alex Futuca, mas Lúcio Vieira Lima disse que tinha falado com ele, que teria como orientação não tocar no assunto até que o presidente Baleia Rossi se manifeste. “Pelo que sabemos, Baleia nem recebeu a carta ainda”.

Perguntado se considerava a atitude dos três prefeitos como uma ingratidão, Lúcio disse que não considera nada ingratidão ou traição. “O que posso dizer é que eu não faria o que eles fizeram”, declarou, lembrando que os gestores queixosos votaram para eleger executiva que está à frente do MDB na Bahia. “Herzem é o segundo vice-presidente, o avô de Rodrigo é membro da executiva, ou seja, dos reclamantes, 2/3 têm cargos de direção, sem contar que o partido sempre esteve com os três quando precisaram. Mas, cada um responde por si”.

Lúcio também disse estranhar que os prefeitos tenham escolhido um político de Petrolina, senador por Pernambuco, para falar por eles. “Isso mostra que eles não têm articulação com Brasília. A história pode mostrar que deram um tiro pé. Mas, essa é uma opinião minha, particular, quem fala pelo MDB é Alex Futuca, presidente eleito do diretório”, encerrou.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente