Comércio de Conquista poderá ser fechado de novo se casos de Covid-19 aumentarem mais de 20% ou se ocupação de leitos passar de 70%

BANNER_728x90_GIF

O protocolo definido pela Prefeitura de Vitória da Conquista para reabrir o comércio, a partir de segunda-feira (1º), inclui obrigações a serem cumpridas pelos estabelecimentos, especialmente em relação à quantidade de pessoas no seu interior, assim como na parte externa, visando o controle da expansão da Covid-19 no município. As obrigações vão de sinalização no chão, tanto dentro como fora da loja, limitação de pessoas no interior, considerando o máximo de uma pessoa a cada quatro metros quadrados, além de cuidados sanitários como higienização dos locais, disponibilização de álcool gel e exigência de uso de máscara para acesso ao local, sejam consumidores ou funcionários, e estes devem usar equipamento de proteção individual (EPI) fornecido pela empresa.

O protocolo foi definido e apresentado pelo Comitê Gestor da Crise (CGC), formado por secretários municipais, depois de ouvido o Comitê de Representação Social e Institucional, embora nem todas as opiniões tivessem sido favoráveis, a exemplo do Conselho Municipal de Saúde (CMS) e a subseção regional da OAB. A flexibilização das medidas restritivas implantadas visando o enfrentamento do novo coronavírus foi dividida em cinco fases, sendo a primeira a reabertura do comércio considerado não essencial, já na semana que vem. As demais, embora previstas, dependerão dos cenários futuros da evolução da pandemia no município.

Um decreto do prefeito Herzem Gusmão vai oficializar o protocolo e estabelecer, entre outros pontos, quais as penalidades para quem não seguir as determinações. Herzem também vai definir o prazo de validade das medidas. Para isso levará em conta os parâmetros técnicos estipulados no protocolo, que traz uma escala de progressão dos casos e da ocupação de leitos hospitalares exclusivos para a Covid-19 como fatores determinantes para avançar, manter ou recuar na flexibilização.

O protocolo considera quatro escalas em cada um dos cenários para definir pela continuidade das medidas ou por um novo fechamento do comércio. Essa segunda hipótese ocorreria se o aumento na quantidade de casos for superior a 20% ou se a taxa de ocupação dos leitos exclusivos para tratamento de pacientes com Covid-19  chegar ou passar de 70%.

Para facilitar o entendimento:

Se, hipoteticamente, Vitória da Conquista mantiver, na segunda-feira, os 122 casos confirmados que registra hoje, a flexibilização pode avançar, com abertura das lojas em horário mais alongado, por exemplo, se, ao fim da semana (6 ou 7 de junho), os casos não passarem de 126. Se ficarem entre essa quantidade e 132 novos casos, também pode ter avanço, mas em escala menor. No caso de o aumento ficar entre 10% e 20%, ou seja mais de 132 até 144 casos, tudo manterá como definido esta semana. Já se o aumento for acima de 20%, 145 ou mais casos confirmados da doença, a Prefeitura retrocederá na flexibilização.

Quando o critério forem os leitos hospitalares (clínicos e de UTI) exclusivos para o novo coronavírus, a flexibilização avançará se a ocupação for de até 50%. Em termos atuais, se os leitos com pacientes não passarem de 57 (são 115 no total), a flexibilização pode avançar. Se ficar entre 58 e 81, as regras se mantêm. Mas, se mais de 81 leitos (70%) estiverem ocupados as medidas retrocederão.

As explicações acima, no entanto, são hipotéticas, principalmente no que diz respeito ao aumentos dos casos de Covid-19, que são muito dinâmicos. O CGC não esclareceu se as definições ocorrerão levando em conta um ou outro dos cenários ou com os dois simultaneamente. Nem foi dito à imprensa qual critério é prioritário. Pedimos esclarecimento à Secretaria de Comunicação (Secom), mas, até o encerramento desta matéria ele não havia respondido. Quando a resposta chegar atualizaremos a matéria ou publicaremos à parte.

FASES

A primeira fase da flexibilização começa na segunda-feira. As lojas funcionarão em um sistema de rodízio por setor (tipo de produto comercializado), fazendo com que todos funcionem de segunda a sexta-feira, apenas um turno por dia, alternando os turnos. Os shoppings centers funcionarão todos os dias das 10 às  22 horas, com exceção de sábado e domingo, exclusivo para as feiras livres e serviços essenciais.

Na segunda fase, 8 de junho, reabrirão salões de beleza, barbearias e outras atividades de tratamento de beleza, floriculturas, bancas de jornais e lojas de animais vivos. Na terceira fase, 15 de junho, reabrirão bares e restaurantes, com exceção dos self-service (80% de todos). Na fase seguinte, 22 de junho, está previsto o funcionamento das academias de ginástica. A última fase, sem data determinada, inclui escolas, templos religiosos, cinemas, casas de shows  e eventos e teatros.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente