Perigo aumenta | Índice de isolamento social de Conquista despenca e taxa de contágio de Covid-19 sobe

Quando anunciou a reabertura do comércio em entrevista ao site BNews, de Salvador, o prefeito Herzem Gusmão mencionou alguns fatores que dariam condição para a medida , mas citou outros que ainda o preocupavam, um deles foi o baixo índice de isolamento social em Vitória da Conquista, medido pela plataforma online InLoco, disponibilizado diariamente pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) e que, naquele dia, 21 de maio, estava em 36,5%, considerado muito baixo. Para quem vê a reabertura do comércio como potencializadora do risco de proliferação da Covid-19, o baixo isolamento social é um indicativo de que a situação tende a piorar.

Os feriados antecipados pelo governador Rui Costa, do São João e da Independência da Bahia, para segunda e terça-feira, (25 e 26), e da padroeira da cidade, Nossa Senhora das Vitórias, antecipado pelo prefeito Herzem Gusmão para a quarta, tinham como objetivo manter as pessoas em casa e, com o aumento do isolamento social, tentar baixar a taxa de contágio, frear o crescimento dos casos e mortes e aliviar o sistema de saúde


Do ponto de vista do isolamento, pode-se dizer que funcionou bem na segunda-feira (25): de 40,6% no domingo (24), a taxa foi para 47,1%. Nos dois dias seguintes o índice se manteve acima de 40%. Na terça, era 42,8%; na quarta caiu a 41,3%, para, então, voltar ao padrão da semana anterior, com 36,8% na quinta e descambando a 35,6% na sexta, quando se podia perceber a influência da anunciada flexibilização. As ruas do centro da cidade estavam muito mais movimentadas que nas semanas anteriores, quando se podia ver muita gente próximo a bancos e lotéricas.

Um bom termômetro dessa volta das pessoas paras as ruas, já na sexta, eram as vagas de estacionamento ocupadas durante todo o dia, em vias como as ruas Siqueira Campos, Sete de Setembro e Ernesto Dantas e os entornos das praças Tancredo Neves e Barão do Rio Branco.

A questão levantada é: se o comércio fechado era um dos motivos para as pessoas ficarem em casa e mesmo assim as taxas de isolamento eram tão baixas, o que pode acontecer a partir desta segunda-feira (1º)?

Embora não se possa criticar o legítimo interesse dos comerciantes e prestadores de serviço – que estão há mais de dois meses tomando prejuízo -, e tampouco fechar os olhos para a realidade de perdas da economia, incluindo aumento massivo do desemprego, o Comitê Gestor de Crise (CGC), criado pelo prefeito Herzem Gusmão para a responsabilidade de definir as políticas municipais de enfrentamento da Covid-19, terá vários fatores de pressão, dos dois lados, de agora em diante.

EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE ISOLAMENTO SOCIAL EM VITÓRIA DA CONQUISTA – MAIO

DIA

21 24 25 26 27 28 29

MÉDIA

ÍNDICE 36,5%, 40,6% 47,1% 42,8% 41,3% 36,8% 35,6%

40,7%

 


PARÂMETROS

Um deles é a taxa de contágio, identificada como Rt, que equivale à probabilidade de uma pessoa com o vírus passar para outras pessoas, estabelecendo a velocidade de proliferação da doença. Vitória da Conquista teve uma taxa média de 1,044 no período de uma semana (24/30), mas, no sábado (30) registrou 1,082, acima da taxa do estado, 1,041, e do Brasil – 1,071.

Segundo estudo do grupo Covid-19 Analytics, da PUC-Rio, para estabilizar a pandemia a taxa de contágio necessária é 1,0, ou seja, quando uma pessoa infectada contamina apenas mais uma. Dentro desse parâmetro, é importante ressaltar, em Vitória da Conquista o patamar ainda é aceitável. Mas, ainda que possa ser considerado baixo, dá sinais de crescimento.

A taxa atual de 1,082 sugere que os 145 casos registrados em Vitória da Conquista no sábado saltem para um número em torno de 233 na sexta-feira (5). É uma projeção pessimista – e só uma projeção – que depende da dinâmica da proliferação do patógeno e das atitudes da população.

De acordo com Júlio Croda, médico infectologista da Fiocruz, em entrevista à TV Globo, “o ideal é que em média cada doente infecte menos de uma pessoa, uma taxa de 0,89, 0.90, porque daí você vai ter o controle adequado da doença. Se uma pessoa transmite para menos de uma pessoa então com o tempo você vai ver uma redução do número de casos. Quando essa taxa está acima de 1 você tem a manutenção da epidemia.”

A universidade britânica Imperial College, referência mundial no estudo de epidemias, considera que a taxa de contágio acima de 1 significa que a transmissão está fora de controle. A recomendação é não flexibilizar medidas de isolamento social apenas quando a taxa estiver abaixo de 1.

Todos esses fatores estão no campo de avaliação do CGC e do Comitê de Representação Social e Institucional, que tem papel consultivo nas definições do comitê principal, que, por sua vez, subsidia o prefeito Herzem Gusmão, que, desde o início tem demonstrado preocupação e compromisso com a pandemia e com a saúde dos conquistenses, tendo sido um dos primeiros gestores municipais a implantar medidas restritivas no enfrentamento do novo coronavírus.

O prefeito já disse que “se continuar o quadro atual, a gente avança. Se não, vamos ter de recuar – como recuou a cidade de Feira de Santana” e voltar a fechar tudo.

EVOLUÇÃO DA TAXA DE CONTÁGIO DE COVID-19 EM VITÓRIA DA CONQUISTA – MAIO

DIA 24 25 26 27 28 29 30 MÉDIA
TAXA 1,018 1,009 1,063 1,042 1,049 1,046 1,082 1,044

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente