Crescimento dos casos de Covid-19 em Conquista já supera percentual previsto pela Prefeitura para comércio voltar a ser fechado

BNI_728x90px_CONTAS-PAGA

O município de Vitória da Conquista foi um dos primeiros a estabelecer medidas restritivas de funcionamento das atividades comerciais e serviços, suspendendo, desde março, aulas em escolas municiais e da rede privada, incluindo faculdades, restringindo eventos e fechando academias, casas de espetáculo, etc. Em seguida, mandou fechar o comércio e serviços considerados não essenciais. Quando isso aconteceu, o município não tinha registro de Covid-19, o primeiro caso foi conhecido no dia 1º de abril. Desde lá, até a publicação do decreto flexibilizando as medidas e reabrindo o comércio, por indicação do Comitê Gestor de Crise (CGC) ao prefeito Herzem Gusmão, surgiram 151 casos, média de 2,47 por dia.

Expostas a um comitê de representação da sociedade civil, as medidas tiveram posições contrárias do Conselho Municipal de Saúde (CMS) e da subseção regional da OAB.

O protocolo definido pelo Comitê de Crise e assinado pela Secretaria Municipal de Saúde estabelece cinco fases para a flexibilização, considerando uma escala semanal. Na primeira, começando na segunda-feira (1º), foi autorizada a reabertura das lojas, inclusive de shoppings, em horários alternados. A segunda fase deveria começar no dia 8, com a volta ao funcionamento de salões de beleza, barbearias, floricultura, bancas de jornais e lojas de comércio de animais vivos. Bares e restaurantes (exceto self service). Na quarta fase, a começar no dia 22, as academias de ginástica seriam reabertas. Já escolas templos religiosos, cinemas, teatro e casas de shows e eventos não têm data marcada para reabrir.

Os critérios de flexibilização, segundo o protocolo de reabertura, são: o percentual de crescimento dos casos confirmados e a taxa de ocupação de leitos hospitalares. Para avançar à próxima fase, o percentual de crescimento não pode ser maior que 10% e os leitos não pode ter ocupação acima de 60%. Casos ocorra qualquer um dos casos, até o limite de 20% de aumento do número de casos e 70% de ocupação de leitos, fica tudo como está, inclusive o revezamento de horário das lojas.

Mas, se a quantidade de casos crescer de 20% em diante ou a ocupação dos leitos chegar a 70% o protocolo diz que a flexibilização retrocede, em outras palavras, o comércio volta ser fechado. De acordo com o coordenador do CGC, o secretário Kairan Rocha Figueiredo, os dois parâmetros não têm hierarquia e não precisam acontecer simultaneamente, ou seja: o que acontecer primeiro pode mudar tudo e as demais atividades terão adiadas as suas datas de entrar em funcionamento.

“Não há critério prioritário para a decisão, serão considerados ambos os critérios (e/ou). Basta um dos critérios atingir um dos níveis que será suficiente para a manutenção em uma fase ou recuo”, explicou o secretário ao BLOG. Segundo ele, “o acompanhamento dos parâmetros será diário, com um balanço semanal apresentado ao comitê de representação civil levando-se em conta sempre a situação atual dos parâmetros”.

Quanto aos leitos hospitalares, ontem (3) havia 25 pacientes em UTIs e 11 em enfermaria, totalizando 31,57% do total de 114 leitos públicos exclusivos para Covid-19 disponíveis na cidade. Mantendo-se esse patamar a flexibilização pode avançar, segundo o protocolo. Mas, só e somente só, se o crescimento dos casos não passar de 20%.

Tomando como parâmetro a variação de segunda, quando as lojas foram reabertas, para terça, o crescimento foi de 11,94% e de terça para ontem, de 11,23%. A variação nos três dias de comércio aberto foi de 46 casos a mais, ou 30,26%, mais de 10 pontos percentuais acima do parâmetro indicado para retroceder as medidas de flexibilização.


FOTO: SITE DA PMVC

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente