A reabertura do comércio não tem culpa pelos 71 novos casos de Covid-19 desta semana em Conquista, mas..

BNI_728x90px_CONTAS-PAGA

Tem muita gente assustada com o aumento dos casos do novo coronavírus em Vitória da Conquista nos últimos cinco dias. Assustada e colocando a culpa na reabertura do comércio, iniciada na segunda-feira (1º). A quantidade de casos registrados chegou a 223 ontem, crescimento de 46,7% nos cinco dias. Porém, a associação do crescimento rápido com a flexibilização das restrições que vigoravam desde o dia 23 de março não é correta. Só se poderá dizer se os números têm algo a ver com o funcionamento do comércio em mais alguns dias, no mínimo, no final de semana.

Por enquanto, como a Prefeitura não está fazendo testagem maciça (para isso tem 14.180 testes rápidos no armário), dificilmente algum desses casos tenha sido de pessoa contaminada entre segunda-feira e sexta-feira (6). Os dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) mostram que três pessoas que fizeram teste rápido na segunda-feira tiveram resultado positivo. Na terça, seis; na quarta, 11, na quinta, 15 e na sexta-feira (5) foram dois apenas. Na soma, foram 36 pacientes confirmados com o novo coronavírus, por meio de teste rápido, desde a reabertura das lojas, ou 50,7% do total de 71 novos casos.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) “estudos científicos têm demonstrado que, a partir do sétimo dia de sintomas de uma pessoa com Covid-19, é possível detectar anticorpos em testes rápidos, sendo que em grande parte dos produtos registrados na Anvisa os resultados mais robustos foram obtidos a partir do décimo dia”. Assim, como já dito, dificilmente as confirmações de Covid-19 registradas entre segunda-feira e ontem teriam sido de casos de contaminação no mesmo período.

Outro ponto é que, embora tenha recebido 5.600 testes rápidos do Governo Federal no dia 3 de maio e começado a usar no dia seguinte, em um mês a Prefeitura só usou o exame em profissionais da área de saúde, não havendo testagem fora desse grupo que, sabidamente, toma mais cuidado e não estaria batendo perna na rua, como se diz, de forma irresponsável. Embora seja fato que 90% das pessoas cujos testes rápidos deram positivo são da área da saúde, também é fato que, pelo que já afirmaram os cientistas, é de extrema raridade que o exame desse tipo detecte Covid-19 antes de sete dias ou nas primeiras horas da infecção.

Mas – tem sempre um mas -, justamente por não ter ainda feito testes em massa, como anunciou o prefeito Herzem Gusmão, e só ter testado cerca de duas mil pessoas, não é possível afirmar que o nível da subnotificação já identificada tenha sido reduzido, isso significa que é muito grande a possibilidade de pessoas que estejam infectadas com o novo coronavírus e não saibam estejam nas ruas, tenham saído para fazer uma compra, ver a vitrine, verificar o movimento da cidade, pagar uma conta, resolver um problema que não tinha solucionado antes porque “o comércio estava fechado”.

E esta é a preocupação de quem questiona a reabertura. Longe de ser apenas contra, como afirmam alguns comerciantes e defensores do funcionamento pleno das atividades econômicas, preocupados com a morte de CNPJs e o fim de empregos e negócios que sustentam a cidade, o estado, o país. As pessoas têm é medo de adoecer. Embora não todas as pessoas.

Pesquisas já mostraram que cerca de 70% querem a manutenção das restrições – e até mesmo a ampliação delas – e a outra parte não acredita que a tragédia esteja a caminho. Ou não ligam para essa possibilidade. Uma mostra disso é o índice de isolamento social, medido pela plataforma InLoco, usando aplicativos diversos. Em Vitória da Conquista, depois de registrar 46,40% no domingo, caiu para 37,30% no primeiro dia da reabertura, 36,40% na terça e 36,30% na quarta-feira.

 

 

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente