“Mãe, tô com medo de tu morrer. Tô perdendo todo mundo que eu amo”, disse o filho de Nanda

BNI_728x90px_CONTAS-PAGA

O texto que se segue foi originalmente postado na -página Ibira Online, mantida pela jornalista Rita Santos, a blogueira mais estourada da região de Ibirapitanga. Achei-o quando procurava informações sobre os dois óbitos de pessoas da cidade por Covid-19. A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) havia lançado duas mortes de mulheres da mesma idade, mesma comorbidade, na mesma data e em Vitória da Conquista. Desconfiei e fui atrás de comprovação.

Achei o Ibira Online e seu jornalismo bem feito, humano e emocionante. E lá a história que vai abaixo, que conta o final feliz desde a abertura transcrita na íntegra. Narra a emoção de ter uma mãe ao ter recebido recebido a notícia de que estava curada da Covid-19. Depois de perder o pai, o filho dela, de seis anos, teve medo de perder também a mãe. Ela foi diagnosticada com o novo coronavírus logo após o sepultamento do pai de Kauan. Foi quando ele disse a frase que vai no título: “Mãe, tô com medo de tu morrer. Tô perdendo todo mundo que eu amo”. Por ele, Nanda, a mãe, se encheu de força e fé e lutou contra a doença até vencê-la. E é isso o que nos conta Rita Santos.

Crisnanda Souza,de 24 anos foi diagnosticada com a Covid-19 logo após o sepultamento do pai do seu filho.

O menino, de seis anos ficou, sem a figura paterna, que morreu de forma precoce e trágica. Em seguida, o coronavírus limitou o seu convívio com a mãe, que precisou se distanciar para evitar a disseminação do novo vírus. Nessa segunda-feira (8), a máscara de tecido ofuscou um dos mais lindos sorrisos dessa pandemia. Era o sorrisão da Nanda ao se deparar com a boa notícia. Ela está curada. Essa alegria tem nome, Kauan Martins!

Assim que os profissionais de saúde entregaram o certificado de alta, Nanda correu para abraçar o menino e as demais pessoas da família. A emoção bateu forte. Ainda bem que as lentes não capturam detalhes sobre o fotógrafo. Impossível não se comover com tamanha cena de amor. Eles ficaram grudados e seguimos viagem. Só em Itamarati, sete pessoas receberam alta médica no dia de hoje.

“A minha maior dor foi ver meu filho no momento que ele mais precisou e não poder abraçar/cuidar”, disse Nanda.

Ela contou ainda que nesses dias difíceis, a saudade do filho era o que mais doía. Sem forças, lutou contra a doença na esperança de voltar logo para casa. O pesadelo chegou ao fim.

“Descobri que é importante ter familiares e amigos. Nesses dias de confinamento, pude perceber o quanto eu sou querida. Recebi muitas mensagens e demonstrações de carinho”, concluiu.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente