Seminário virtual discutiu cenários da economia pós-pandemia

O que será da economia brasileira depois dessa pandemia? A pergunta que não quer calar – neste momento em que várias atividades de serviços e produções estão paralisados por conta da crise sanitária – foi abordada pelo economista José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras, dono de extenso currículo acadêmico e figura política histórica do PT. Ele foi o palestrante do 13º Seminário Virtual dos mandatos dos deputados Waldenor Pereira (federal) e Zé Raimundo (estadual), com o tema “CENÁRIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA PÓS- PANDEMIA”, realizado na noite de quinta-feira (18).

Para Gabrielle, há que se perguntar se é preciso fazer a economia voltar a crescer para os mesmos poucos donos da riqueza ou a preocupação prioritária deve ser em torno de outro eixo: a redução da desigualdade social. Foi o que questionou depois de uma verdadeira aula sobre as mudanças dos modos de produção na economia mundial e nacional. Ele defendeu um modelo que considera mais humano e justo para a economia, com uma reforma tributária distributiva e a adoção de política de transferência de renda que faça a roda da economia girar com a garantia de condições de consumo de todos, a exemplo da experiência do Bolsa Família que no Governo Lula provocou um crescimento de 10% da economia no Nordeste.

Gabrielle respondeu às perguntas de participantes e dos próprios deputados promotores do evento, que voltou a reunir mais de 150 convidados e representantes de 40 municípios do Sudoeste, Serra Geral, Chapada Diamantina, Médio São Francisco e Bacia do Paramirim, presentes na sala virtual. A palestra também foi retransmitida pelas redes sociais dos deputados. José Sérgio Gabrielli foi a estrela do 13º dos seminários virtuais que Waldenor e Zé Raimundo realizam às terças e quintas, programação que já atraiu figuras como o ex-candidato a presidente Fernando Haddad, o senador Jaques Wagner e secretários estaduais.

Na última terça-feira (16) a convidada foram a secretária estadual de Cultura, Arany Santana e a sua assessora Maria Marighella, que falaram sobre “Lei de emergência cultural Aldir Blanc”. A lei, aprovada no Senado e aguarda sanção presidencial, reuniu várias propostas para apoiar artistas e o setor cultural na pandemia, incluindo o projeto de autoria do deputado Waldenor Pereira. Este foi um seminário que proporcionou também momentos de descontração com apresentações artísticas intercaladas dos participantes, dentre os quais o maestro conquistense, João Omar, da orquestra Neojiba, do tenor André Effgen e outros

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente