Conquista tem semestre com menor índice de homicídios em dez anos. Região também reduziu a violência

Os anos pares costumam registrar mais crimes violentos em Vitória da Conquista. Considerando os últimos 17 anos, a exceção foi 2006, quando houve menos assassinatos que 2007. Mas, desde 2008, esse fenômeno vem se repetindo, a quantidade de crimes violentos letais intencionais (CVLI) do ano par é maior que a do anterior. Em 2015, por exemplo, foram registrados 145 homicídios, no ano seguinte foram 209. Em 2017, 168. Já em 2018 foram 172 homicídios e no ano passado 127, tendo sido 63 no primeiro semestre e 64 no segundo.

Mas, a levar em conta o primeiro semestre, 2020 pode ser diferente e pode quebrar a trágica tradição. Entre o primeiro dia do ano e 30 de junho Vitória da Conquista registrou a menor quantidade de crimes violentos letais intencionais em um semestre desde 2011. Foram 53 homicídios ante 63 do o mesmo período de 2019, dez mortes a menos, uma redução de 15,6%.

É importante ressaltar que desde o segundo semestre de 2018 vem ocorrendo redução em relação aos períodos anteriores. Naquele ano, entre julho e dezembro ocorreram 60 assassinatos. Já em 2019 foram 63 no primeiro semestre e 62 no segundo. Ainda são números altos, mas se destacam quando se verifica que a média até 2018 era de mais de 86 assassinatos por semestre.

A redução também se deu na região de Vitória da Conquista, denominada, na divisão da Secretaria de Segurança Pública da Bahia, como Área Integrada de Segurança Pública (AISP) 57, onde ocorreram 83 CVLI ante 100 do ano passado, queda de 17%. Foram 17 mortes a menos. A AISP 57 é composta por 18 municípios: Anagé, Barra do Choça, Belo Campo, Boa Nova, Bom Jesus da Serra, Caetanos, Cândido Sales, Caraíbas, Condeúba, Cordeiros, Encruzilhada, Mirante, Mortugaba, Piripá, Planalto, Poções, Tremedal e Vitória da Conquista.

AÇÃO E INTEGRAÇÃO COMUNITÁRIA

O Comando de Policiamento Regional do Sudoeste (CPRSO), responsável pelas ações de segurança ostensiva em Vitória da Conquista e região atribui os números à realização de um trabalho especifico voltado, principalmente, para a diminuição das modalidades de homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte (quem compõe a categoria dos CVLI), englobando todas as unidades operacionais, com desencadeamento de novas operações de prevenção e repressão, bem como redimensionando as operações já existentes, a exemplo do Pacto Pela Vida, Visão Noturna, Operação Distrito e Combate de CVLI.

Para alcançar os resultados destacados, foram fundamentais estudos do serviço de inteligência do CPRSO, monitoramento diário de registros de ocorrências, a elaboração de mapas que simulam hipóteses de padrões criminais espaciais e sua interação com o meio onde ocorrem e análise de dados criminais georreferenciados da região.

Também tiveram contribuição elevada, destaca o comandante do CPRSO, Coronel Ivanildo da Silva, “as ações de cunho social tais como o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD) e a Patrulha solidária, bem como à constante atenção ao policial militar e sua família como integrantes da população baiana, reforçando sempre o lema de nosso Comandante Geral da PM na Bahia, o Coronel Anselmo Brandão: PM e comunidade na corrente do bem”.

O Coronel Ivanildo ressaltou, ainda, o trabalho de cada um dos policiais militares das Organizações Policiais Militares da região. “Sem sombra de dúvida, foi a abnegação e o afinco de cada um dos senhores e senhoras que contribuiu para o caráter exitoso dos resultados. Sabemos das dificuldades e estamos cientes que as forças adversas são, eventualmente, provenientes de facções criminosas de regiões vizinhas, porém, a preocupação com o bem estar de nossa sociedade e a fé em Deus e no trabalho foram maiores que qualquer dificuldade”, disse em mensagem interna o comandante do Comando de Policiamento Regional do Sudoeste.

O comandante do CPRSO, Coronel Ivanildo, com o subcomandante Ten Cel Fernando Leite (Foto feita antes da pandemia)

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente