Suposta violência doméstica contra aluna ocorrida durante reunião online da Uesb é apurada pela instituição

Na quinta-feira (2), durante uma reunião virtual realizada com a participação do reitor da Universidade Estadual do Sudoeste (Uesb), Luiz Otávio Magalhães, algumas pessoas perceberam o que teria sido uma agressão física contra uma das alunas da instituição, que acabara de se manifestar. Dá para ouvir, nitidamente, sons de tapas e a voz da estudante, pedindo a quem a agride (ou a outra pessoa) para parar. Pode-se ouvi-la dizer um nome.

A reunião ampliada da reitoria da Uesb, por meio da plataforma de conferências online Google Meet e transmitida no canal da instituição no You Tube, avaliava a possibilidade de implantar o ensino à distância enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, e contava com as presenças de diretores de departamentos, coordenadores de colegiados, além de representantes de professores e estudantes e era moderada pelo vice-reitor, professor Marcos Henrique Fernandes, que, enquanto se ouviam os tapas e os gritos da estudante, pediu para que as câmeras fossem desligadas “porque muita gente reclamava no privado, pedindo que desliguem as câmeras porque está atrapalhando muita gente”.

Tudo durou cerca de dez segundos, mas foi o suficiente para chamar a atenção de alguns estudantes que participavam do chat simultâneo à reunião. “Quem tá apanhando?”, perguntou um deles. Outro confirmou: “Alguém está apanhando” e uma terceira comenta que “parecia alguém apanhando”. Apesar disso, nem o moderador nem as demais pessoas envolvidas diretamente no debate, deram a devida atenção.

Nas conferências com o aplicativo da Google, quando uma pessoa fala, com a câmera aberta, o círculo em que ela aparece pisca. No momento em que as supostas agressões acontecem a estudante ainda está na tela e o círculo em que ela aparece pisca no ritmo dos sons que ela faz enquanto apanha.

O vídeo chegou ao BLOG por duas pessoas diferentes. Uma me pediu para ver e dizer se também percebíamos a ocorrência de violência doméstica. A outra pessoa questionou por que a imprensa ainda não tinha mostrado. Explicamos que o episódio não chegou a toda a mídia e que, antes, era preciso ver, analisar e ouvir a Uesb, além de autoridades. E foi o que fizemos. Ontem, o assessor de comunicação da universidade, professor doutor e jornalista Rubens Sampaio, informou que o reitor Luiz Otávio Magalhães determinou que o departamento jurídico da Uesb adote providências em relação ao caso.

O vídeo com suposta violência doméstica contra uma mulher também já é do conhecimento da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), além de ter sido visto e avaliado pela presidente da Clínica de Direitos Humanos da Uesb (CDH), professora doutora Luciana Silva, e do professor doutor Luciano Tourinho, coordenador do Colegiado de Direito, cuja atuação tem sido marcante na conscientização e combate à violência contra mulheres. Os dois já estão tratando do assunto com a direção da Uesb.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente