Pelo menos duas pessoas morreram diariamente em Vitória da Conquista por Covid-19, durante dez dias seguidos


Ontem, segunda-feira (3), Vitória da Conquista chegou a 63 mortos pela Covid-19. Foi o décimo dia em sequência com registro de moradores do município vítimas fatais do novo coronavírus, média de mais de dois óbitos por dia, 21 no período. Em 30 dias, desde 5 de julho, faleceram 43 conquistenses em hospitais da cidade. São muitos números, são muitas pessoas.

O primeiro óbito dos 63 ocorreu no dia 13 de abril. Naquele mês, foram registrados mais dois, totalizando três. Em maio, houve duas mortes. Até então, o fato de uma das maiores cidades da Bahia e uma das maiores entre as médias do país, contar apenas cinco mortes, era atribuído à politica de restrições e cuidados colocada em prática pela Prefeitura, que fechou escolas, faculdades, academias de ginástica e o comércio e proibiu atividades em templos religiosos, clubes, teatros, cinemas, etc. As medidas foram mantidas até o último dia de maio. No dia 1º de junho, o prefeito determinou a reabertura do comércio e, aos poucos, foi liberando as demais atividades.

Coincidentemente, junto com o frio, veio o grande crescimento no número de casos e também cresceu a quantidade de óbitos, com doze vítimas fatais da Covid-19 no mês e aumento do total para 17. Ainda assim, o discurso governamental continuou relativizando, ao comparar com outros municípios do mesmo porte – e até menores – onde ocorriam mais óbitos e a tal taxa incidência sobre a população geral era mais alta.

Os dados de julho, no entanto, se não servem para mudar a visão do governo municipal sobre a tragédia que avança em Vitória da Conquista, começam a mostrar à população que não se pode enfrentar uma pandemia como se se estivesse em uma gincana, onde quem tiver menos mortos ou menos incidência de casos pode comemorar, como pode se interpretar do modo de tratar o tema pela Prefeitura. Tampouco ter leitos de hospital sobrando é garantia de cura ou de vida.

Em julho, ocorreram mortes pelo novo coronavírus por 19 dos 31 dias e nos últimos sete dias do mês morreram 14 pessoas, média diária de duas. Em agosto, a média de óbitos diários já subiu. Nos primeiros três dias do mês já faleceram sete residentes em Conquista com Covid-19. O total chega a 63, sendo que 21 foram em dez dias seguidos, de 25 de julho até ontem (3).

As datas dos óbitos nos calendários mostrados não coincidem, exatamente, com os boletins diários divulgados pela Prefeitura, pois referem-se aos dias em que ocorreram as mortes e não quando elas foram anunciadas. Muitos dos óbitos foram registrado dois, três ou mais dias depois. O calendários mostrados pelo BLOG recuperam as datas informadas dos óbitos.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente

%d blogueiros gostam disto: