Vereador que votou contra posse virtual de prefeito Herzem Gusmão, que está de Covid-19, disse que intenção era economizar o salário


Um único vereador da oposição votou contra a posse do prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), na sexta-feira (8). O argumento apresentado por ele foi o de que estava pensando na economia de recursos públicos, pensando no cidadão. A um blog da cidade, o vereador disse que não empossar Herzem agora se converteria em uma economia de R$ 25 mil por mês para os cofres públicos, enquanto o prefeito estivesse “acamado em uma UTI”. O salário bruto do gestor municipal é R$ 19.132,00, para chegar ao R$ 25 mil o parlamentar considerou os encargos pagos pela administração.

O vereador Francisco Estrela Dantas (PTC), mais conhecido como Chico, ex-goleiro de  futebol, criador de cavalos, atuante na área de lazer e entretenimento e empresário da área de factoring, é estreante na função que assumiu no dia 1º de janeiro, depois de ter sido eleito, em novembro, com 1.572 votos. Por muitos anos e até o meio do governo passado Chico Estrela foi uma das pessoas mais ligadas a Herzem. Romperam e Chico Estrela passou a ser um dos adversários mais ferrenhos do ex-amigo, tendo criticado e denunciado o governo anterior em vídeos contundentes, inclusive acusando a gestão de corrupção. Postura semelhante o atual vereador mantinha contra o governo petista.

Mas, Chico diz que a sua atitude na sessão solene que empossou Herzem não se tratou de rancor ou vingança, mas de um legítimo exercício do papel político que ele assumiu. “Eu tenho a obrigação de cuidar dos recursos públicos, do dinheiro do povo, fui eleito para isso”, disse ao BLOG.

Ao ouvir que, no caso da posse do prefeito, feita virtualmente, por vídeo, a partir da UTI do Hospital Sírio-Libanês, onde Herzem é tratado da Covid-19, havia o lado político – de resolver um imbróglio e pacificar uma questão que já envolvia toda a cidade, ansiosa para ver o fim da polêmica – e o lado humano, já que Herzem está sem salário e não está fazendo uso do SUS, Chico afirmou que a questão política poderia ser resolvida de outro jeito, dando mais prazo para que o prefeito tomasse posse quando pudesse. “Poderíamos dar a ele, 15, 20 dias, porque não é nossa obrigação pagar o salário dele sem ele trabalhar”, afirmou.

Quanto ao lado humano, o vereador do PTC disse que na administração pública não há lugar para isso e que sempre deve estar à frente o interesse público a economicidade, a preservação do erário: “Não é papel de vereador ser bonzinho”. Ele mencionou o líder da bancada de situação na Câmara de Vereadores, Ivan Cordeiro (PTB), um dos mais ostensivos da posse do prefeito Herzem Gusmão de forma virtual e naquela sexta-feira: “Pergunte ao líder da situação se ele pagaria o salário de um funcionário se ele adoecesse ou se botaria outro lugar”.

Para Chico Estrela, é a mesma coisa, se não está trabalhando, não merece receber, assim, o prefeito Herzem Gusmão não poderia ser empossado até que pudesse comparecer pessoalmente ao ato da posse. “Ele tem uma aposentadoria do INSS”, observou. O vereador ainda ressaltou que Herzem Gusmão está sendo tratado em um hospital de ponta, “o melhor da América Latina, diferente dos conquistenses que estão nos hospitais públicos”. (Na sessão da Câmara, horas antes, Chico já havia dito, equivocadamente, que não havia mais leitos hospitalares do SUS para atendimento de pacientes com Covid-19, mas, naquele dia, a ocupação geral era de 64,05%, enquanto a de UTI era de 82,9%, sendo 16 pacientes de Vitória da Conquista e 42 de outros municípios).

O vereador insistiu com o BLOG que publicasse os argumentos dele para votar não. Na presença do produtor rural Clemilton Souza do Prado, conhecido Lula de São Sebastião, Chico foi categórico, mais de uma vez: “Eu quero que você publique o porquê de eu ter votado contra. Quero que publique que meu motivo para votar contra foi para evitar pagar o salário para quem não está trabalhando, meu compromisso é com os recursos públicos, fui eleito para isso”.

Feito.

SOBRE O SALÁRIO DO PREFEITO

No ano de 2020, o prefeito de Vitória da Conquista recebeu R$ 151.099,03 líquidos como vencimento pelo exercício do cargo, uma média mensal de R$ 12.591,58. O salário bruto do prefeito de Vitória da Conquista é R$ 19.132,00 por mês e R$ 260.199,02 por ano, o mesmo que ganhava Guilherme Menezes, que deixou o cargo em 31 de dezembro de 201. Com descontos de Imposto de Renda e INSS (R$ 4.908,92), o vencimento líquido do prefeito ficaria em R$ 14.223,08. No caso de Herzem Gusmão, um desconto específico, provavelmente parcela de empréstimo, levou o vencimento final a R$ 9.941,63.

O leitor atento vai reparar que o salário bruto mencionado (R$ 260.199,02) dividido por 12 meses não é igual ao salário bruto mensal oficial (R$ 19.132,00), é bem mais: R$ 21.683,25. Também vai ver que, ao invés de R$ 119.299,56 ele recebeu, na soma dos 12 meses, Herzem recebeu R$ 151.099,03, ou R$ 31.799,47 a mais. O Portal da Transparência mostra que o prefeito teve, em abril e maio, um vencimento do prefeito 20% menor, e embora não explicite a razão de o salário ter saído de R$ 19.132,00 para R$ 31.887,94 no meses de setembro, outubro e novembro, um acréscimo de 66,67% por mês, o que dá dois salários a mais nos três meses, sabe-se que se trata de 13º e férias, que o Tribunal de Contas dos Municípios autorizou pagar a prefeito e agentes políticos desde 2017.

Para o novo mandato Herzem Gusmão vai recebendo o salário líquido de R$ 14.223,08, mesmo licenciado para tratamento de saúde.

Os dados estão no Portal da Transparência da Prefeitura de Vitória da Conquista.

FOTO: BLOG DO SENA

 

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente