Acusado de matar empresária em Conquista: da ambição por uma vaga de vereador à cadeia por assassinato


Até que a Polícia Civil anunciasse oficialmente, restrições legais impediam a imprensa de divulgar o nome e a foto do homem acusado de matar, por estrangulamento, a empresária Givanete de Souza Nogueira, de 52 anos, crime cometido em Vitória da Conquista. Por isso, blogs e outros meios não mencionaram a identidade nem publicaram foto dele. Ao iniciar esta matéria tratávamos o suspeito pelas iniciais E.B.S.M, de Everton Bruno dos Santos Miranda.

Nascido em Ibicaraí, ele tem 38 anos e também é comerciante, dono de uma loja de moda jovem no Centro de Comércio Popular de Vitória da Conquista, conhecido por Shopping Popular, localizado na Avenida Crescêncio Silveira.

Com o nome de Bruno Miranda foi candidato a vereador em novembro passado, pelo Partido Social Cristão (PSC) e obteve 333 votos, ficando em oitavo lugar. O PSC elegeu um vereador, o radialista Nildo Freitas. Na ficha de Bruno no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), estão todas a certidões negativas da Justiça. Foi candidato como um homem de bem. Na sua declaração de bens, apenas um terreno de R$ 15 mil.

Casado, pai de uma menina de menos de dois anos de idade, Bruno não tinha passagem pela polícia e suas redes sociais mostram uma pessoa simpática, com muitos amigos e bastante ligada à família. Católico praticante, aparece nas fotos com a mulher e a filha em ambientes e eventos religiosos. Em uma das postagens, Bruno Miranda agradece a vida: “Sempre agradecer por cada momento e cada segundo de vida, fortalecer a nossa fé e confiar nossas vidas em Deus, tudo posso naquele que me fortalece!!”.

A última postagem mostra Bruno preocupado com a falta de uma plano de vacinação contra a Covid-19, reafirmando o que seria uma preocupação dele com a vida.

Em um vídeo, postado durante a campanha eleitoral, os pais dele enaltecem as qualidades do filho e falam que ele amadureceu ao constituir família.

O ato de que é acusado contradiz as mensagens nas redes sociais. Certamente que nem os pais, nem a mulher de Bruno Miranda ou os amigos dele imaginassem que o pai de família, homem religioso e que falava do sonho de ser vereador para ajudar as outras pessoas, pudesse a cometer o crime bárbaro pelo qual foi preso. Agora, quase ninguém acredita que ele tivesse uma razão para tal brutalidade. Pelo que se sabe até agora foi um motivo torpe.

Com o ato que as investigações da polícia apontam ter sido cometido por ele, Everton Bruno dos Santos Miranda causou dor imensurável e perda irreparável em uma família e joga vergonha e sofrimento também sobre a dele. Por isso, seu perfil do Facebook começa a lotar de mensagens de raiva e indignação, como esta: “Assassino de mulheres desgraçado! Você vai pagar seu infeliz”.

Givanete foi morta por estrangulamento e o corpo  tinha sinais de espancamento e marcas que indicam que ela pode ter lutado para se defender das agressões. De acordo com a polícia, Bruno nega ter sido o assassino.

  • Atualizada para incluir a causa da morte.

Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente