Precisa de reforma | Vereadores intervêm e prefeita adia realocação de permissionários do Mercado de Artesanato


O Mercado Municipal de Artesanato, localizado na Praça da Bandeira, está precisando de reforma urgente, segundo a Prefeitura de Vitória da Conquista, cujo setor técnico identificou problemas no telhado e nas redes elétrica e hidráulica. Em reunião no dia 15 deste mês, secretário municipais informaram aos pequenos comerciantes e artesãos que atuam no local que eles teriam que mudar para locais provisórios para que sejam feitos os reparos. O secretário de Serviços Públicos, Luís Paulo Santos, apresentou alternativas para os comerciantes continuarem o seu trabalho durante o período de reforma. As costureiras iriam para um galpão da Secretaria de Administração, na Rua do Triunfo, e os permissionários da área externa ocupariam um espaço no Mercado do Bairro Brasil.

A forma como o processo de mudança estava sendo conduzido desagradou os comerciantes e o assunto foi debatido na sessão de ontem da Câmara de Vereadores, que marcou uma visita ao local, que aconteceu na manhã de hoje (25). A visita foi feita por uma comissão formada pelos vereadores Luís Carlos Dudé (MDB), presidente da Câmara, Andreson Ribeiro, líder da oposição, que levou o assunto a debate, Luciano Gomes e Ricardo Babão, os três do PCdoB, além de Lúcia Rocha (MDB), Nildo Freitas (PSC) e Alexandre Xandó (PT). A comissão ouviu os permissionários e apontaram a necessidade de serem ouvidos pela prefeita Sheila Lemos (DEM) que, convidada pelo presidente da Câmara, compareceu ao mercado para conversar,

Os pequenos comerciantes falaram da preocupação com a mudança repentina para um espaço que consideram inadequado e aproveitaram para pedir à prefeita segurança de retorno para o mercado após a reforma. Também questionaram o laudo da Defesa Civil e a ausência do projeto de reforma.

Após ouvir os permissionários e os vereadores, Sheila Lemos esclareceu que a Prefeitura recebeu um laudo da Defesa Civil condenando a estrutura do Mercado de Artesanato e que os empreendedores foram informados da possibilidade de desocupação para uma reforma. Mas, de acordo com ela, com a contestação o primeiro laudo pelos artesãos, vai aguardar outro que será apresentado pelos permissionários para, ouvindo a Câmara de Vereadores, decidir o que fazer. “A Câmara formou uma comissão para tratar desse assunto e vamos dialogar juntos até encontrar uma solução viável para todos”, afirmou Sheila.

Segundo Luís Carlos Dudé, o Mercado de Artesanato, onde está situado também o Teatro Carlos Jehovah, faz parte da história de Vitória Conquista e precisa ser preservado para que essa história não se perca e para dar segurança aos permissionários. “O papel da sociedade é provocar a Câmara de Vereadores, por isso é que estamos aqui, porque fomos chamados para viabilizar o diálogo entre os empreendedores e Prefeitura”, disse, parabenizando o vereador Andreson Ribeiro pela iniciativa de levar a demanda para a Câmara. “Quero também agradecer a prefeita Sheila Lemos pela sensibilidade em atender prontamente um convite da Câmara para ouvir as demandas do povo”, acrescentou. Durante a reunião, Dudé criou uma comissão composta pelos vereadores presentes para acompanhar a demanda e intermediar o diálogo entre os permissionários e a Prefeitura Municipal.

O vereador Andreson Ribeiro ressaltou que os permissionários querem a reforma e a requalificação do mercado, porém são contra a forma como a situação foi apresentada a eles, sob alegação de que o espaço seria desocupado porque oferece riscos, sem, contudo, mostrar o laudo técnico. “Fomos procurados pelos empreendedores e imediatamente submetemos ao plenário da Câmara, um requerimento solicitando informações à prefeita Sheila Lemos e aos secretários de Infraestrutura e de Cultura, sobre o plano de desocupação e o local para onde os artesãos serão remanejados, porque o espaço tem que ser comercialmente viável, além de pedirmos o plano de execução da obra com data de início e término”, defendeu.


Author: Giorlando Lima

Jacobinense, conquistense, itabunense, baiano, brasileiro. Pai de Giorlando e Alice, minhas razões de viver; profunda e eternamente apaixonado pela vida. 58 anos de idade, 42 de labuta como jornalista, publicitário, marqueteiro, blogueiro. Minha ideologia é o respeito, minha religião é o amor.

Comente

%d blogueiros gostam disto: