Crônica de um domingo chuvoso em que o Vasco caiu, Bené sumiu e meus filhos sorriram

Hoje é domingo, pé de cachimbo. Uma da tarde. Otávio Henrique fuma charuto e come sarapatel no Café Society; Ederivaldo Benedito dá um susto em seus amigos e ainda está sumido; a chuva já se foi, o calor volta “di cum força”; meu filho Giorlandinho…

Leia Mais Crônica de um domingo chuvoso em que o Vasco caiu, Bené sumiu e meus filhos sorriram

Um pote

Recomeçar. Mudar. Deixar como está. Lutar. Descansar. Invadir. Ceder. Reescrever. Apagar. Não sei. De verdade, não sei. Pode ser só por causa do frio. Deveria ser (mais) simples. Encarar como se fosse apenas um blog. Mas, não sei. Diria às dúvidas, quanto ao meu futuro:…

Leia Mais Um pote

Às minhas ex-crianças, no Dia das Crianças

Tenho duas maravilhosas razões para não querer ser criança de novo. Qualquer que seja a lembrança boa da minha infância ou da minha adolescência, por mais feliz que eu tenha sido na minha meninice; quaisquer que sejam as razões para eu me queixar da vida…

Leia Mais Às minhas ex-crianças, no Dia das Crianças

Teu nome é adjetivo.

Mas és a mulher mais linda que já amei. O amor mais doce que ficou no meu coração. A saudade mais intensa que flutua em minha alma. Uma falta que doi sem doer porque repleta de lembranças boas e desejos ainda mais intensos. Tua suavidade…

Leia Mais Teu nome é adjetivo.

A mulher sob o relógio

Seria preciso um segundo relógio, maior, mais preciso, para poder contar o número de vezes que ela olha para o relógio. Porque não são poucas as vezes. Na mesa, na hora do almoço, enquanto mastiga, olha para o relógio quase o mesmo número de vezes…

Leia Mais A mulher sob o relógio